X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Câmara dos EUA aprova projeto que protege casamento LGBTQIA+

Aprovado por 267 votos a 157, o projeto estabelece proteções federais para o casamento igualitário

Agência Folhapress | 20/07/2022 11:04 h

Projeto de lei garante os direitos do casamento LGBTQIA+
Projeto de lei garante os direitos do casamento LGBTQIA+ |  Foto: Marcello Camargo/Arquivo/Agência Brasil
 

A Câmara dos Representantes dos EUA aprovou, nesta terça (19), um projeto de lei que protege os direitos do casamento LGBTQIA+. O texto foi aprovado depois de a Suprema Corte derrubar a jurisprudência do caso Roe vs. Wade, que garantia o acesso ao aborto em âmbito federal.

Aprovado por 267 votos a 157, o projeto estabelece proteções federais para o casamento igualitário e proíbe qualquer pessoa de negar a validade de uma união com base na cor de pele ou gênero do casal. A liderança republicana não se opôs ao texto, que teve o apoio de 47 deputados do partido.

"Os direitos e liberdades que passamos a valorizar podem desaparecer sob uma nuvem de ideologia radical e raciocínio jurídico duvidoso", disse o presidente do Comitê Judiciário da Câmara, Jerrold Nadler, que bancou o projeto, em referência à reversão da jurisprudência de Roe vs. Wade.

Analistas afirmam que a decisão da Suprema Corte, hoje sob maioria conservadora, pode abrir um precedente para outros casos de conquistas sociais embasadas em interpretações do Judiciário. No último sábado, por exemplo, o senador republicano Ted Cruz disse que a mais alta instância da Justiça estava "claramente errada" ao estabelecer um direito federal ao casamento gay.

De acordo com o projeto aprovado na Câmara nesta terça, os estados ainda podem restringir uniões de pessoas do mesmo sexo caso o tribunal anule decisão anterior. Mas eles seriam obrigados a reconhecer casamentos realizados em estados que mantivessem a autorização.

O texto agora segue para votação no Senado, onde não necessariamente terá vida fácil, dada a polarização de 50 parlamentares para cada partido.

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em nosso grupo do Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS