X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Assine A Tribuna
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Esportes

Virtual sede da Copa do Mundo, Arábia Saudita é acusada de abusar de trabalhadores migrantes


Um grupo global de sindicatos está acusando a Arábia Saudita de abusar de trabalhadores migrantes em uma queixa apresentada nesta quarta-feira a uma organização trabalhista apoiada pela ONU, que ocorre no momento em que a Fifa se prepara para confirmar o país como anfitrião do Mundial de 2034.

A queixa apresentada pela Building and Wood Workers' International (BWI) fez a Organização Internacional do Trabalho (OIT) a investigar a Arábia Saudita por "graves abusos dos direitos humanos e roubo de salários", que, segundo ela, afetaram pelo menos 21 mil trabalhadores na última década.

"A queixa enfatiza as condições de vida e de trabalho exploradoras entre a vasta força de trabalho migrante do país - condições que a ICM observa serem semelhantes ao trabalho forçado", disse o grupo global de sindicatos em um comunicado.

A BWI citou alegações de taxas de recrutamento ilegais exigidas, salários e passaportes retidos, limites à saída de empregos de trabalhadores, além de violência física e sexual "particularmente contra mulheres e trabalhadoras domésticas". Alegou ainda violações das convenções da OIT sobre trabalho forçado, liberdade de associação e negociação coletiva. A Arábia Saudita é membro da OIT e ratificou a convenção sobre trabalho forçado.

A OIT é uma agência tripartida que une governos, empregadores e trabalhadores com o objetivo de "estabelecer normas laborais, desenvolver políticas e conceber programas que promovam o trabalho digno para todas as mulheres e homens".

Recebeu uma queixa semelhante há uma década contra o Catar, anfitrião do Campeonato do Mundo de 2022, que também precisava de construção massiva de estádios e de projetos de transporte antes do torneio de futebol.

Agora, a Fifa está sob pressão para evitar erros semelhantes e trabalhar com especialistas independentes para utilizar a influência que tem com a Arábia Saudita para evitar uma repetição do cenário.

A Arábia Saudita foi praticamente confirmada pela Fifa em outubro passado como anfitriã de 2034, mas deve apresentar uma candidatura formal em julho. É o único candidato em uma disputa que as federações membros da Fifa decidirão em votação no dia 11 de dezembro.

A BWI disse que a sua queixa contra a Arábia Saudita "exige atenção imediata da Fifa e da comunidade internacional". A Fifa e a equipe saudita de candidatura à Copa do Mundo se recusaram a comentar questões de direitos humanos antes da apresentação, em julho, do livro oficial de candidaturas.

A Fifa exige que os candidatos à Copa do Mundo cumpram uma avaliação independente de direitos humanos e garantam que a organização do torneio "não envolva impactos adversos nos direitos humanos reconhecidos internacionalmente, incluindo os direitos trabalhistas".

A Arábia Saudita precisa construir 10 dos 14 estádios necessários para ser sede da Copa do Mundo de 104 jogos, envolvendo 48 seleções. Um projeto de estádio apresenta planos para um local de alta tecnologia com 45 mil lugares no topo de um penhasco perto de Riad.

A organização da Copa faz parte do amplo projeto Visão 2030, apoiado pelo príncipe herdeiro Mohammed bin Salman, para modernizar a sociedade saudita e diversificar a economia para além da dependência do petróleo.

O príncipe herdeiro construiu estreitos laços de trabalho com o presidente da Fifa, Gianni Infantino, e vê os eventos desportivos e de entretenimento como fundamentais para o seu projeto. Também prevê a construção de uma cidade futurística chamada Neom.

A Arábia Saudita também está construindo uma estação de esqui para sediar os Jogos Asiáticos de Inverno de 2029 nas montanhas perto de Neom, e sistemas de transporte público e locais em Riad para a Expo Mundial de 2030.

Os críticos da Arábia Saudita dizem que isto equivale a uma "lavagem desportiva" da reputação do reino e a uma distração do seu historial em matéria de direitos humanos e do assassinato do jornalista Jamal Khashoggi em 2018.

A BWI, com sede em Genebra, afirma que compreende mais de 350 sindicatos que representam 12 milhões de membros em 117 países. "A Arábia Saudita, onde os sindicatos são proibidos, desrespeita abertamente as normas laborais internacionais e não compensa os trabalhadores migrantes que sofreram abusos durante mais de uma década", disse o secretário-geral das BWI, Ambet Yuson, em um comunicado.

A queixa à OIT foi feita durante a sua conferência anual em Genebra, sob a liderança do diretor-geral Gilbert Houngbo.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: