X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Assine A Tribuna
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Brasil

Comissão aprova PL que cria sistema para monitorar atos extremistas violentos como em escolas


A Comissão de Segurança Pública da Câmara dos Deputados aprovou, nesta quinta-feira, 6, o Projeto de Lei (PL) 1.477/23 do deputado Alberto Fraga (PL-DF), que institui o Subsistema de Monitoramento e Alerta Contra Atos Extremistas Violentos dentro do Sistema Brasileiro de Inteligência (SISBIN).

O PL acrescenta o SISBIN ao artigo 1º da Lei nº 9.883, de 7 de dezembro de 1999 "com a finalidade de promover a integração entre órgãos públicos relacionados à temática, a difusão de dados e conhecimentos, alertas públicos ou restritos e a criação de estratégia nacional e de iniciativas relativas à prevenção e ao enfrentamento de atos extremistas violentos", determina o segundo artigo da proposta.

O texto estabelecerá quais serão os órgãos componentes da ação e como será realizada a integração entre eles, além de definir a participação dos Estados, cidades e Distrito Federal. O projeto diz que terá como foco escolas e templos religiosos.

Como justificativa, Fraga relembra o atentado na Escola Estadual Thomazia Montoro, na Vila Sônia, zona oeste de São Paulo, no qual um aluno de 13 anos esfaqueou a professora de Ciências de 71 anos, Elisabeth Tenreiro, durante uma aula na manhã do dia 27 de abril de 2023.

O deputado diz que o objetivo do PL é criar uma estrutura que consiga antecipar atos "extremistas, inclusive com colaboração cidadã, como poderia ter ocorrido no caso citado, pois ficaram evidentes as intenções violentas do autor por meio do seu comportamento e de suas manifestações em rede social". declara.

Ele ainda argumenta que a tragédia citada poderia ser evitada com algumas ações, como "intervenção psiquiátrica, psicológica ou mesmo social".

Com o parecer favorável do relator deputado Ismael Alexandrino (PSD-GO), o PL segue em caráter conclusivo para a Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania da Câmara (CCJC).

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: