Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Qual a Bronca?

Qual a Bronca?

Colunista

Redação A Tribuna

Transtorno por mudança em trecho de rua

Parte da rua L foi transformada em mão única, dificultando o trânsito e até o acesso ao estacionamento de uma faculdade na Serra

Redação jornal A Tribuna | 15/07/2022, 13:17 13:17 h | Atualizado em 15/07/2022, 13:17

“A rua L, no bairro de Fátima, na Serra, é usada como mão e contramão, o que não traz nenhum problema para os moradores da via e nem para a FaSerra”, afirma o professor e diretor da faculdade, Marcio Rosetti, que reside no bairro Jucutuquara, em Vitória.

-
- |  Foto: Crédito: Regina Maura de Oliveira Babilon
  

Marcio afirma ainda que os alunos e professores da FaSerra são os mais prejudicados, porque são obrigados a dar uma volta no quarteirão para entrar no estacionamento por conta de um trecho da rua L que foi transformado em mão única.

Segundo ele, o que acontece na rua é que os “moradores do bairro Manoel Plaza (Serra), que fica do outro lado, não querem usar o semáforo para atravessar a avenida Norte-Sul”, no sentido Vitoria. 

A aposentada Regina Maura de Oliveira Babilon complementa que os carros que saem de Manoel Plaza deveriam atravessar onde está localizado o semáforo. 

“Como pode um trecho da rua ser mão única e o restante ser mão dupla”, questionam tanto o professor quanto a aposentada.

“Peço que a Prefeitura da Serra reveja essa situação e, também, que acabe com a moradia dos usuários de drogas no terreno abandonado em frente à faculdade, o que está, realmente, causando transtorno na região”.

O Departamento de Operações de Trânsito  da Prefeitura da Serra  informa que já realiza o acompanhamento na região.  Contudo, diante da demanda popular, uma orientação foi emitida para que as equipes reforcem o monitoramento da região, para melhor amparar os moradores. Os condutores que forem flagrados cometendo infrações serão devidamente multados. 

A Guarda Civil Municipal também irá intensificar o patrulhamento na região, para prevenir e combater quaisquer crimes. A Polícia Militar, por sua vez, esclarece que a situação não diz respeito à corporação, mas ao município.

O que diz o leitor:

Marcos disse esperar que a prefeitura realmente faça as alterações na rua e mantenha vigilância na via para impedir transtornos.

São Torquato | Pagamento em dobro - Ricardo de Jesus Costa, empresário

“Paguei em duplicidade tributos à Receita Federal de minha copiadora e, em abril de 2021, solicitei a devolução. Até hoje não fui ressarcido”.

A Receita Federal  explica que,  em razão da redução gradativa da força de trabalho e do volume de processos sob análise, não é possível no momento indicar uma data precisa para a conclusão do processo em questão.

Campo Grande | Placas e calhas - Sérgio Gomes, técnico em vendas

“As placas indicativas dos pontos de ônibus e as calhas do telhado do Terminal de Campo Grande estão enferrujadas”.

A Ceturb-ES informa que a manutenção das placas nas plataformas dos terminais ocorre periodicamente conforme demanda. Quanto às calhas, esclarece que elas são fabricadas em concreto, impossibilitando  a ferrugem.

Praia do Canto | Antigo casarão abandonado - Vasco Alves de Oliveira Neto, engenheiro de petróleo

“O antigo casarão, que integra o Parque Natural Municipal, está abandonado e sendo vandalizado constantemente por usuários de drogas. Todos os moradores da Alameda Dr. Carlito Von Schilgen estão amedrontados com o risco de assaltos devido à presença constante de usuários de drogas”.  

A Secretaria  de Meio Ambiente de Vitória  informa que está realizando um estudo para destinar o melhor uso para o casarão. 

Informa ainda que a Guarda Civil Municipal realiza patrulhamento no entorno e no próprio espaço, para garantir a segurança, fazendo abordagens e, caso necessário, efetuando prisões.

Paul | Conta alta - Ana Tereza Costa Marvila, enfermeira

“Desde que a empresa instalou o sistema de cobrança nas  casas da rua Fernando de Sá, as contas estão oscilando muito. A minha,  em junho foi de R$ 455 e, este mês, caiu para R$ 155. Na casa do meu filho foi de R$ 982 e baixou para R$ 402, este mês”.

A EDP informa que as faturas foram revisadas e encaminhadas uma segunda via para os clientes.

Cidade Continental | Remédio em falta - Priscila Santos Gonçalves,  decoradora

“Desde 14 de junho que a Ritalina – LA, de 30mg, está em falta na Farmácia Cidadã da Serra. Minha filha é autista e usa esse remédio que é de alto custo (R$ 342,75). Além disso, temos que ir até a farmácia saber se chegou (o medicamento) porque ninguém atende o telefone”.

A Sesa  (Secretaria de Estado da Saúde) informa que o medicamento deve chegar hoje.

MATÉRIAS RELACIONADAS