Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Fonte Grande

Fonte Grande

Colunista

Luiz Trevisan

Maioria das escolas não tem biblioteca adequada

| 31/05/2020, 11:30 11:30 h | Atualizado em 31/05/2020, 11:36

Excetuando Vitória e Vila Velha, considerados referências, maioria dos 78 municípios capixabas tem carência de bibliotecas e salas de leitura apropriadas, tanto na rede pública quanto privada. Num momento em que a leitura também se torna recurso para enfrentar o isolamento trazido pela pandemia, a universalização das bibliotecas, prevista na lei federal 12.244, de 2010, ainda não saiu do papel. No último dia 25, essa lei venceu e foi estendida por mais quatro anos.

“É um desafio a vencer. Hoje, temos várias escolas com bibliotecas, mas com muita improvisação, sem profissionalismo“, relata a bibliotecária Eliana Terra. No País, 55% das escolas ainda não têm bibliotecas.

Pandemia de fake news

Área pedagógica enfrenta pandemia correlata: precisa intensificar o combate às informações falsas difundidas sobre a Covid-19. “É assustador o índice de informações falsas repassadas. Nosso trabalho é orientar pais e alunos, pelas redes sociais, a distinguir o que é real e falso, e para que busquem sempre fontes seguras de informação”, salienta Eliana Terra.

Custo inibe drive-in

Pensou em fazer como naqueles filmes antigos, entrar num carro e ir assistir a filme ou show em área aberta? Conversas preliminares entre empresários capixabas esbarram em obstáculos como o investimento – drive-in de padrão gira na faixa de R$ 700 mil – e local com segurança.

Água no pescoço

Entre micro e pequenos empresários, a espera por crédito facilitado gera aflições. Caixa e Sebrae firmaram convênio com crédito especial onde, por exemplo, uma microempresa pode obter até R$ 75 mil (carência de 12 meses, juros de 1,39%, 30 meses para pagar), mas precisa ter cadastro em dia e apresentar 12 meses de faturamento. E o tempo da tramitação pode ser fatal. Pequenos negócios têm fôlego financeiro curto.

A propósito

A “Banca do Japonês”, tradicional da Praia do Canto, em Vitória, frequentada por crianças e terceira idade, registra nesta pandemia queda média de 50% nas vendas.

Leitura na quarentena...

A Biblioteca Municipal Adelpho Poli Monjardim, Vitória, iniciou compartilhamento de livros sugeridos por autores capixabas. Toda quarta-feira, escritores dão dicas. Na primeira edição, por exemplo, Valsema Rodrigues sugeriu “O Morro dos Ventos Uivantes” (Emily Brontë), e Reinaldo Santos Neves “Canto de Muro” (Luis da Câmara Cascudo).

...Outras palavras

A coluna pega carona no assunto e inclui sugestão de leitura feita pela atriz e escritora Fernanda Torres, “Bouvard e Pécuchet” (Flaubert). Lançado em 1881, relata experiências científicas de dois personagens idiotas. Atualíssimo.

Tentar não custa

Em emenda à Lei de Diretrizes Orçamentária a ser votada na Assembleia Legislativa, Janete de Sá fixa que 50% dos recursos previstos para os parlamentares sejam aplicados em serviços públicos da saúde e área social, para mitigar impactos da Covid-19. Pode ser... Dias atrás, em nome da pandemia, outro parlamentar previu corte de 30% nos salários dos deputados. Deu um rebuliço danado, e mais nada.


Curtas


EXEMPLO NO CAMPO A defesa sanitária e quarentena não são novidades para produtor rural. Deputado Evair de Melo, que é do meio, cita os rigores profiláticos para se ter acesso a um galpão de aves em Santa Maria de Jetibá. “Já faz parte da rotina deles”, diz.

ÁGUAS TURVAS Moradores da Ilha do Boi, Vitória, reclamam que a draga que retira areia da baía para engordamento de praias, além do barulho, turva as águas.

HISTÓRIA DE GUAÇUÍ José Eugênio Vieira, diretor do Sebrae-ES, tem quatro livros prontos para editar. Um deles aborda a história de Guaçuí, principalmente nos últimos 100 anos.

FILOSOFIA NA PANDEMIA “Perdemos a perspectiva do sorriso sob a máscara”.

MATÉRIAS RELACIONADAS