search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Willian lamenta racismo contra brasileiros na Ucrânia e cobra entidades

Esportes

Esportes

Willian lamenta racismo contra brasileiros na Ucrânia e cobra entidades


O meia-atacante Willian lamentou nesta segunda-feira (11) o episódio racista do qual foram vítimas os compatriotas Taison e Dentinho na Ucrânia. O jogador da seleção brasileira, que atuou em solo ucraniano durante seis anos, cobrou punições das entidades ligadas ao futebol.

"É mais um episódio triste, que acontece no futebol. Nós, jogadores, o que está ao nosso alcance a gente procura fazer para que isso acabe. Mas a responsabilidade maior é das entidades, das federações. Eles têm que se pronunciar nessas situações. Teve essa situação ontem e a federação ucraniana não se pronunciou", disse Willian, em Abu Dabi, antes de mais uma série de dois amistosos da seleção brasileira.

O episódio de racismo aconteceu no domingo (10), quando os dois brasileiros defendiam o Shakhtar Donetsk no clássico local contra o Dínamo de Kiev, pelo Campeonato Ucraniano. Taison e Dentinho deixaram o gramado chorando depois das ofensas racistas vindas da arquibancada, no jogo disputado na cidade de Kharkiv. Até agora somente a liga que organiza o campeonato se pronunciou sobre o caso ao afirmar que vai abrir investigação sobre o episódio.

William jogou por 6 anos na Ucrânia, onde no domingo (10) os brasileiros Taison e Dentinho deixaram o gramado chorando depois das ofensas racistas vindas da arquibancada. (Foto: Rafael Ribeiro/CBF)
William jogou por 6 anos na Ucrânia, onde no domingo (10) os brasileiros Taison e Dentinho deixaram o gramado chorando depois das ofensas racistas vindas da arquibancada. (Foto: Rafael Ribeiro/CBF)


Willian, que defendeu o próprio Shakhtar, lembrou que passou por situação parecida quando chegou ao clube ucraniano, em 2007. "Quando eu saí do Corinthians e fui para a Ucrânia, com 18 para 19 anos, passei por isso uma vez, não me lembro o jogo. É claro que a gente fica triste pela situação, isso já faz uns dez, nove anos. A gente espera que isso possa mudar, vemos isso acontecendo em dias como hoje, não só no futebol, mas em outras áreas também", declarou o jogador do Chelsea.

Willian foi o primeiro jogador da seleção a conceder entrevista coletiva em Abu Dabi, nos Emirados Árabes Unidos. Na sexta-feira, o adversário do primeiro amistoso será a Argentina, em Riad, na Arábia Saudita. E, na terça da próxima semana, o rival será a Coreia do Sul, em Abu Dabi.

Questionado sobre o clássico com a Argentina, Willian fez elogios a Lionel Messi, que deverá estar em campo na sexta. "Messi é um grande jogador, incomparável, o melhor jogador do mundo", destacou o meia-atacante. "A atenção nele é sempre especial, sabemos o que tem que fazer, principalmente contra o Messi, que é encurtar espaços. Não vamos fazer marcação individual, mas o jogador que estiver no setor tem que tirar o espaço dele", comentou.

Para este tradicional confronto, o Brasil não terá Neymar, que ficou de fora da lista de convocados do técnico Tite. "Neymar sempre é uma referência para a gente, para o futebol brasileiro, é um grande jogador, todo mundo sabe da qualidade dele. A seleção também tem jogadores para suprir a ausência dele, jogadores de qualidade. A força do grupo é o que mais conta", ponderou Willian.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados