Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Você está preparado para ser pai dos seus pais?
AT em Família

Você está preparado para ser pai dos seus pais?

Por Luciana Pimentel

 (Foto: Luciana Pimentel/AT)
(Foto: Luciana Pimentel/AT)

 (Foto: )
(Foto: )
Qual é a principal lembrança que as pessoas têm da infância? Brincar no parque, andar de bicicleta sem rodinhas pela primeira vez, aprender a jogar bola. É um privilégio ter os pais presentes, educando e protegendo seus filhos contra todo mal.

Com o avançar dos anos, são os filhos que passam a cuidar dos pais. A idade chega para todos e as limitações também, e é nessa hora que o amor e a gratidão falam mais alto e os papéis se invertem.

Professor de Psicologia, Francisco de Assis Lima Filho explicou que existe uma alta probabilidade de os filhos se tornarem cuidadores dos pais, já que as pessoas estão vivendo muito mais do que viviam antigamente.

“Em 1900, um casal de meia-idade tinha apenas 10% de chance de ter pelo menos um dos pais vivos. A partir de 1976, essa porcentagem aumentou para 47% e hoje é maior ainda. O problema é que ainda estamos em uma cultura onde a maioria das pessoas espera assumir o cuidado dos filhos, mas não espera ter que cuidar dos pais”, pontuou o especialista.

Manter a autonomia do idoso nesse processo é um grande desafio. A terapeuta de família Cássia Rodrigues destacou que para dar equilíbrio a essa inversão de papéis, os filhos precisam ser mais maduros que os pais. E é muito importante respeitar as vontades do idoso.

“Quando ele está apenas com limitações físicas, e não psíquicas, precisa ter as suas vontades respeitadas, se sentir útil. Isso é respeito”.

Para Cássia, o mais importante é o filho se colocar no lugar dos pais. “O filho precisa lembrar que daqui uns anos é ele quem estará nesse papel”, salientou a especialista.

A psicóloga da Medconsulta Dilma Ribeiro Cursino frisou que os filhos podem e devem ajudar, mas precisam deixar o idoso escolher o que é melhor para ele.

“Ele pode e deve ser ouvido. Não é saudável privá-lo de sua liberdade nem limitar sua autonomia. Cuide-se para não infantilizá-lo ou incapacitá-lo ainda mais. Olhe seus pais com carinho e amor”, lembrou.

 (Foto: Reprodução/Jornal A Tribuna)
(Foto: Reprodução/Jornal A Tribuna)


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados