Viver em paz é aceitar que sou humano

Michelli Possmozer, jornalista e mestre em Ciências Sociais. (Foto: Divulgação)
Michelli Possmozer, jornalista e mestre em Ciências Sociais. (Foto: Divulgação)
Nesta época de excessos, uma das principais metas do ser humano é alcançar uma vida equilibrada. Grande parte das pessoas deseja: acordar cedo diariamente, correr, malhar, dançar, ser bem-sucedido no trabalho, ser boa mãe ou bom pai, sair com os amigos, acompanhar as notícias diárias, fazer ioga, ter uma alimentação saudável, cozinhar a própria comida, consumir orgânicos e, ainda, postar tudo nas redes sociais.

Mas, quem consegue ser/fazer tudo isso? Esse excesso de positividade, como disse o filósofo Byung-Chul Han, autor do livro A Sociedade do Cansaço, está matando nossa sanidade mental.

O filósofo Mário Sérgio Cortella, no livro Viver em paz para morrer em paz, afirma que ter equilíbrio “É ir aos extremos e não se perder (...). É ser capaz de vivenciar os múltiplos territórios da vida sem neles se ancorar”. Lembrei-me da frase de Nietzsche “torna-te quem tu és”, pois se o homem é capaz de se tornar convicto do que constitui o seu eu, pode pertencer a vários grupos e ter diversos hábitos sem que eles o pertençam e o tenham. E, como também disse Cortella, “equilíbrio não está em vivenciar tudo e qualquer coisa, mas em saber fazer escolhas”. O desafio, então, é saber escolher em meio a tantas possibilidades e ofertas.

Neste mundo em transição, que passamos de tradições e conversas face a face para uma modernidade líquida, como diagnosticou Bauman, o que temos para o amanhã? Que tipo de futuro se espera para uma sociedade que não lê e que adquire seus valores e conhecimento por meio de vídeos de youtubers e de coachings de vida, que pregam uma vida sem obstáculos e plenamente feliz em 10 passos? Não seria essa busca insana que alavancou o consumo de antidepressivos, o qual aumentou em 74% no Brasil, segundo pesquisa divulgada pela OMS no ano passado?

Outro ponto de reflexão é sobre como nos constituímos em sociedade. Segundo Cortella, “Eu sou aquilo que eu faço, relaciono, convivo com outros.” Acredito que uma grande amiga, Jeanne Bilich, acrescentaria outro verbo à frase: “eu sou aquilo que faço, leio, relaciono, convivo com os outros” e, pensando na atualidade, poderíamos cambiar para “eu sou aquilo que vejo no Youtube, relaciono nas redes sociais, convivo no mundo virtual”? Que tipo de conteúdo pode nos preencher na virtualidade? Que tipo de pessoa nos tornaremos se nos deixarmos ser absorvidos nessa sociedade Black Mirror?

Uma sociedade na qual o que importa é ter likes e milhares de visualizações no Youtube e não, de fato, ser importante para alguém. Aliás, para se chegar ao verdadeiro sentido de ser importante, como disse o Cortella, aquela pessoa que a gente “leva para dentro”, são necessários encontros, estabelecer vínculos de amizade, trocar experiências, dedicar tempo ao outro que um dia irá te fazer falta.

Para finalizar, um último aprendizado: aceitar que “a felicidade contínua é uma impossibilidade”, assim como o é a perfeição, o prazer interminável, o acordar bem todos os dias, o estar sempre disposto, o ser sempre amável, o ser sempre paciente, o ser sempre equilibrado, além de tantos outros estados que nos cobramos diariamente. Afinal, como disse Nietzsche, “tudo posso ser, minha alma errante e meu espírito livre me dizem somente uma certeza: sou humano, demasiadamente humano.”

Michelli Possmozer, jornalista e mestre em Ciências Sociais.


últimas dessa coluna


A influência das mídias sociais sobre as decisões políticas

Estamos observando, no Brasil e em outras partes do mundo, o povo se reunindo através das redes digitais com o objetivo de influenciar as decisões políticas. Será que as principais decisões serão …


O Moscoso não morreu e nem morrerá por causa da violência

O fato ocorrido no dia 15 de janeiro, quando três vidas foram ceifadas de forma brutal, na divisa do bairro Piedade, mesmo em se tratando de um ato isolado, nos causou indignação. Mas foi inaceitável …


A lei e a quebra de contrato na compra de imóveis na planta

Quase no apagar das luzes do ano de 2018, na última sexta-feira, dia 28 de dezembro, foi publicada a Lei Federal nº 13.786, que visa regulamentar a resolução por inadimplemento de contratos de …


Telemedicina traz ganhos, mas não é remédio para todos os males

A divulgação da Resolução nº 2.227/18, do Conselho Federal de Medicina (CFM), que estabelece critérios para prática da telemedicina no Brasil, provocou um grande debate sobre o tema, durante o qual …


Será um desserviço ao País desmantelar aquilo que dá certo

Atualmente, o sistema cooperativista tem sido bastante evidenciado pelo seu constante crescimento e pela sua participação no combate à exclusão social, valorizando o homem pelo que ele é, tornando-o …


A importância do planejamento para se saber aonde quer chegar

Ao receber a resposta de Alice, que diz não saber para onde quer ir, uma vez que estaria perdida, o Gato é enfático: “Para quem não sabe onde quer ir, qualquer caminho serve”. O trecho da história …


Ferida emocional e baixa fé religiosa põem vidas em risco

Revista de circulação nacional diz que acontece um suicídio no mundo a cada 40 segundos. No Brasil, a cada 45 minutos. E em Vitória? Não sabemos, pois a mídia, com a sábia intenção de não incentivar, …


Pacote anticrime de Moro é bom, mas peca em alguns pontos

O ministro Sérgio Moro divulgou as primeiras medidas concebidas para o enfrentamento da criminalidade. Sob o impacto inicial das soluções apontadas, várias análises foram feitas logo após sua …


É direito de alunos terem acesso às informações de seus cursos

Há quase quatro anos, A Tribuna publicou neste mesmo espaço um artigo em que eu falava sobre o Exame de Ordem e o direito à informação. Citei o Projeto de Lei 214/2015, proposto pelo então deputado …


Tecnologia nos distancia do amor e nos aproxima da violência

Celular… Essa maquininha veio com a promessa de aproximar as pessoas, mas está fazendo exatamente o contrário. Cada dia aumenta mais a distância entre os corações humanos. É na convivência com as …