Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Violar prerrogativas é amedrontar a sociedade
Tribuna Livre

Violar prerrogativas é amedrontar a sociedade

O advogado mineiro Sobral Pinto foi definitivo: “A advocacia não é uma profissão de covardes”. E não é mesmo. Enfrentar o Leviatã cada vez mais inchado e poderoso, somadas às angústias dos condenados, dos excluídos e dos que se arrastam nos corredores forenses “como um cão”, na dolorosa expressão do personagem Joseph K., exige do advogado a virtude rara da coragem e a misericordiosa compreensão dos dramas humanos.

E isso tudo sozinho. Sim, os advogados são solitários. A apoteótica sustentação oral nas mais altas cortes e as defesas nos Tribunais de Júri são momentos raros, episódicos mesmo. Na luta diária, cada profissional geralmente está isolado em seu escritório, nos gabinetes, nas serventias e nas unidades judiciárias. Enfrenta dragões ou moinhos de vento, mas retorna muito rapidamente para o silêncio e para a discrição de suas obrigações nada retumbantes.

Mas não estamos e não podemos estar sozinhos quando o assunto é a defesa da liberdade da nossa atuação profissional. Essa é uma prerrogativa da qual nunca vamos abrir mão. Até porque quando um colega é ferido em seu direito de exercer sua atividade, todos nós advogados nos sentimos feridos também.

Violar as prerrogativas da advocacia é amedrontar a sociedade, não propriamente o advogado. Por isso que estamos falando de algo inaceitável - seja no exercício diário, seja no cumprimento da missão constitucional. Esses gestos virulentos melindram a sociedade, o condenado, atinge a todos nós.

Essas reflexões são relevantes e também interessam ao País. Mais de 70 advogados foram assassinados no Brasil desde o ano de 2016, um número alarmante e que precisa ser enfrentado com atenção. Ao mínimo sinal de risco, ao menor aceno de perigo, o advogado deve buscar a Ordem dos Advogados do Brasil para solicitar proteção, considerando que as estatísticas costumam aumentar à custa do silêncio.

Aqui no Espírito Santo, a defesa das prerrogativas profissionais é prioridade para a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), que mantém o Plantão de Prerrogativas 24 horas e o serviço de Peticionamento Eletrônico, podendo ser acessado pelo site ou pelo aplicativo.

Estranho que os advogados são assassinados por falarem pelo outro, mas morrem como se o outro fosse ele mesmo. Essa profunda e necessária fidúcia mantida entre o advogado e seu cliente deságua até nessas trágicas confusões, quando o assassino prefere matar o corajoso profissional por ver nele, enfim, a exteriorização das razões do adversário.

Há certa nobreza nessa confusão, embora deletérios os seus resultados. Mas a verdade é que a coragem do advogado os têm vitimados, mas não os acovardados, porque é irresistível exercer a profissão mais nobre de todas, assim como é irresistível sublimar o medo e avançar para águas mais profundas, assumindo causas cada vez mais complexas e densas, cada vez mais perigosas, portanto.

Cabe a cada um de nós usar nossa atividade pessoal e profissional na luta incessante em defesa da democracia, da liberdade de expressão, na garantia dos princípios constitucionais, principalmente em tempos em que vemos tanta intolerância e debates extremistas.

(*) Raphael Câmara é advogado, presidente da Comissão de Infância e Juventude da OAB-ES

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora

últimas dessa coluna


Exclusivo
Tribuna Livre

A trajetória da coxinha

Linguistas ensinam que a existência de muitos idiomas em um espaço territorial pequeno é característica de áreas ocupadas há muito tempo. Já a existência de um único idioma em uma área territorial …


Exclusivo
Tribuna Livre

Metamorfose profissional e o mercado corporativo

O mercado corporativo está passando por mudanças bruscas nos últimos anos. Com o avanço da tecnologia, as empresas estão se reinventando e procurando novos caminhos e soluções ligadas à transformação …


Exclusivo
Tribuna Livre

Reflexões sobre a Arte atual

As pinturas rupestres ou pré-históricas, reveladas ao público no séc. XIX, foram de início apontadas pelos darwinistas como fraudes dos criacionistas (aqueles que acreditam que animais e plantas …


Exclusivo
Tribuna Livre

A relação entre urbanismo e segurança pública

O que o urbanismo tem a ver com a segurança pública? Para muitas pessoas não existe uma relação entre o urbanismo e a segurança pública, mas veremos que ao contrário do que pensa a maioria das …


Exclusivo
Tribuna Livre

O segredo da pré-campanha está no almoço de domingo

No domingo, como bom genro, decidi fazer um churrasco de agrado à minha sogra. Próximo a nossa casa existe um açougue, entretanto, pego o carro e faço questão de atravessar a cidade para comprar os …


Exclusivo
Tribuna Livre

Educação com segurança

Na semana passada tivemos, aqui nos EUA, a volta às aulas. Após quase três meses de férias, que coincidem com o período do verão americano, todos os alunos retomaram suas rotinas de estudo. Não …


Exclusivo
Tribuna Livre

Educação com segurança

Na semana passada tivemos, aqui nos EUA, a volta às aulas. Após quase três meses de férias, que coincidem com o período do verão americano, todos os alunos retomaram suas rotinas de estudo. Não foi …


Exclusivo
Tribuna Livre

A odiosa Devassa e os impostos nos tempos modernos

Durante o Século XVIII, o Brasil-Colônia arcava com elevada carga tributa, que lhe impunha o nosso insaciável colonizador, a Coroa portuguesa. A aludida tributação recaía sobre tudo o que era …


Exclusivo
Tribuna Livre

A PMES e a Guerrilha do Caparaó

O movimento conhecido com “a Guerrilha do Caparaó” é citado por vários autores, como a primeira tentativa insurgência armada contra o regime militar feita por ex-militares cassados e alguns civis, …


Exclusivo
Tribuna Livre

Drama na educação superior pública

A lógica perversa imposta pelo governo às universidades públicas está visível para toda a sociedade. A situação financeira dramática da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) é acompanhada com …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados