search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Vila Velha, capital histórica do Espírito Santo
Tribuna Livre

Vila Velha, capital histórica do Espírito Santo

Kleber Galvêas  (Foto: Tribuna Livre)
Kleber Galvêas (Foto: Tribuna Livre)
Há 484 anos, a história começa a ser escrita nesta parte do Brasil. Primeiro por portugueses, depois, também, por índios, africanos, espanhóis e viajantes estrangeiros. Mais tarde chegaram, para colaborar, os italianos, alemães, árabes, judeus, orientais.... Assim, juntos, construímos o Espírito Santo.

É longa a história da colonização do solo espírito-santense, que principia em Vila Velha, com a chegada de Vasco Fernandes Coutinho e companheiros, no dia 23 de maio de 1535. Batizada originalmente como Vila do Espírito Santo, nossa Vila emprestou seu nome ao Estado e adotou oficialmente o apelido que lhe foi dado após a fundação da Vila de Nossa Senhora da Vitória (nome dado em homenagem a Nossa Senhora, protetora dos vitoriosos cristãos na batalha de Lepanto, Grécia – 1571, que deteve a expansão islâmica no Mediterrâneo).

Entre os 60 homens que aqui chegaram com Vasco Coutinho, o mais proeminente foi D. Jorge de Menezes, fidalgo e navegador famoso.

Foi ele quem descobriu a Nova-Guiné/Papua, segunda maior ilha do mundo. Herói de guerra, que havia perdido a mão direita em batalha, foi nomeado Senhor de Ternate, ilha do arquipélago das Molucas (Indonésia), a maior produtora de cravo-da-índia no séc. XVI. O porto e a posição estratégica de Ternate fizeram dela o principal entreposto para as especiarias ditas “das Índias”. O comércio enriqueceu o seu sultão, que se tornou o mais poderoso de toda a Indonésia.

D. Jorge de Menezes, espírito ganancioso, prepotente e belicoso, logo criou atrito com os nativos das Molucas.

Desterrou o sultão de Ternate, com toda a família, para a longínqua Goa, província portuguesa na Índia. Tendo os chefes tribais das diversas ilhas do arquipélago mostrado descontentamento com o seu procedimento, convidou-os a uma reunião em sua fortaleza, e todos foram mortos.

Como consequência desse ato insano, portugueses passaram a ser vistos com total desconfiança na Ásia.

O prejuízo para a expansão do Império Português irritou profundamente D. João III. O Rei mandou prender o fidalgo que, levado à corte, foi condenado ao degredo perpétuo no Brasil. O maior castigo que poderia ser aplicado a um nobre, naquele tempo, uma vez que a pena de morte era vedada à nobreza.

D. Jorge, após 15 anos em Vila Velha, recebeu o governo de Vasco Coutinho que fora a Portugal buscar recursos para desenvolver a Capitania. O desatino do famoso explorador guerreiro contra os índios provocou forte reação, que culminou com o seu assassinato.

Com a morte de D. Jorge, D. Simão Castelo Branco, também fidalgo português degredado, assumiu a direção da Capitania, enquanto Vasco Coutinho permanecia em Portugal.

Tentando vingar a morte do patrício, ele investiu contra os índios. Seu governo durou apenas dois meses. Foi morto pelos nativos e, assim, a Capitania ficou em grande desordem até o retorno do Donatário da Europa, segundo depoimento de vários navegantes que por aqui passaram durante esse período.

Os dois fidalgos, criminosos degredados, emprestam seus nomes a duas longas e importantes ruas, que partindo da Praia da Costa atravessam o Sítio Histórico da Prainha de Vila Velha. Enquanto a rua do herói Vasco Coutinho é pequena, estreita e acanhada, se resumindo à Prainha. Ironias da nossa história contemporânea.

Kleber Galvêas é pintor e escritor

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Tribuna Livre

Impressão boa é a que fica!

Costumo dizer que os mais velhos devem aprender um pouco mais sobre tecnologia com os mais novos e esses desaprenderem um pouco mais com aqueles, especialmente em tempos em que esse equilíbrio se …


Exclusivo
Tribuna Livre

Nós negros precisamos de 365 dias de consciência humana

Nos dias de hoje, no território brasileiro concentra-se a maior população africana fora da própria África. Dados recentes do IBGE revelam que a população brasileira de negros e pardos soma quase 115 …


Exclusivo
Tribuna Livre

Vida saudável é questão de organização pessoal!

O que saúde tem a ver com organização? Bom, para começar, dificilmente uma pessoa sem agenda organizada encontra tempo para a prática de exercícios físicos. Além disso, pessoas desorganizadas …


Exclusivo
Tribuna Livre

Líder tem de ter "sentimento de dono"

Sabe quem é o melhor líder? Aquele que possui o que chamamos de “sentimento de dono”. Você sabe o que isto significa na prática? É o executivo que cuida da empresa na qual trabalha como se fosse …


Exclusivo
Tribuna Livre

Arte e censura

Muito se discute atualmente sobre a censura a exposições de arte e outras formas de expressão artística. Faz-se necessária uma reflexão sobre a essência do papel da arte, já que a arte é a ruptura …


Exclusivo
Tribuna Livre

O crime compensa?

A análise sobre o crime passa por vários pontos e o tema proposto me veio à mente durante uma conversa com um policial muito experiente, aliás um policial das antigas, da época do bigode grosso e do …


Exclusivo
Tribuna Livre

Quem tem medo de robô

Em recente entrevista, o presidente da OAB Nacional, Felipe Santa Cruz, apresentou previsão de que “em cinco anos este mercado não vai conseguir absorver todo mundo”. A matéria citou, ainda, …


Exclusivo
Tribuna Livre

Acreditar é preciso

Foi em um domingo pela manhã quando folheando as páginas do jornal, senti meu coração se enchendo de tristeza com tantas manchetes de violência, atentados e agressões de todas as formas. E lendo …


Exclusivo
Tribuna Livre

A competência tem limite

A convivência entre os poderes constituídos tem se tornado cada vez mais tormentosa, havendo constante invasão de um pelo outro, normalmente no que se refere as esferas de prerrogativas de poder …


Exclusivo
Tribuna Livre

A chegada do verão e as lesões dos atletas de fim de ano

Vem chegando o verão... E, na estação mais badalada do ano, muita gente é obrigada a dar uma pausa na programação para “ficar de molho”. Isso mesmo! É comum aumentar a ocorrência de lesões nessa …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados