search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Vigilante explica como criou o hit "Caneta Azul"

Entretenimento

Entretenimento

Vigilante explica como criou o hit "Caneta Azul"


“Caneta azul, azul caneta/ caneta azul tá marcada com minhas 'letra'”. Os versos cantados por um homem simples e de baixa estatura têm rodado o mundo através da internet e “grudado” na cabeça de muita gente, incluindo, famosos como Anitta, Wesley Safadão e Pablo do Arrocha, que chegaram a cantar a música em seus shows.

Mas quem é o senhor que aparece no vídeo, que só no YouTube ultrapassa a marca de 20 milhões de acessos? É o vigilante maranhense Manoel Gomes, 49 anos.

“Várias pessoas me filmaram cantando e foram passando o vídeo para frente. Meus vídeos estão sendo compartilhados em vários países, estou estourado no mundo todo”, diz ele, aos risos, ao AT2.

Dono do hit
Dono do hit

Autor da canção, que já ganhou versões em inglês e japonês, ele conta como a composição nasceu. “Eu ia para o colégio e perdi a caneta azul. Lá no colégio, eu perdia uma, perdia outra, aí ninguém me deu a caneta que 'tava' meu registro nela. Eu não achei e, no outro dia, fiz a música”.

O hit, registrado em cartório por Manoel, deve ganhar nova versão em ritmo de bachata, produzida por Laércio da Costa, que já trabalhou com Tiririca, e está no repertório dos três shows que o maranhense faz domingo (17) no Estado.

“Eu cantava na roça desde os 15 anos”

Conte sua história...
Nasci e fui criado em Balsas, no Maranhão, e moro lá até hoje. Trabalho como vigilante há um mês. Antes de “Caneta Azul” estourar, eu cantava mais nos fins de semana. Agora, fui liberado pela empresa para fazer shows pelo Brasil.

Sempre foi cantor?

Eu cantava na roça desde os 15 anos. Antes de “Caneta Azul”, já fazia shows no Maranhão. Os povoados me chamavam pra cantar.

Antes de ser vigilante, o que fazia?

Trabalhava na roça e morava com meu pai. Plantava feijão e mais um monte de coisas para me sustentar.

Depois, quando ele faleceu, fui trabalhar no canavial, fazendo controle de praga. Tem 12 anos que trabalho na mesma empresa, e há um mês sou vigilante.

Foi uma vida difícil?

Digo que a dificuldade é grande para quem mexe com roça. Era uma vida sofrida, trabalhando com enxada, plantando macaxeira, maxixe, quiabo e feijão para sobreviver.

Está solteiro?

Sim, e não tenho filhos.

Imaginava que “Caneta Azul” faria tanto sucesso?

Sempre sonhei com isso para minha carreira e nunca desisti. Comecei a compor aos 15 anos, enquanto trabalhava na roça. Escrevia as músicas no caderno. Hoje, tenho mais de 21 mil músicas.

A música ficou conhecida muito rápido, não?

Não imaginava que seria assim, rápido. Muita gente já me acompanhava aqui na minha cidade. Tenho um disco gravado e, por aqui, o pessoal já pedia muito.

Seu vídeo tem 20 milhões de visualizações no YouTube, mas ficou mesmo estourado através do WhatsApp. Usa muito o aplicativo?

Agora não muito, porque não tenho tempo.

“Caneta Azul” já está mudando sua vida para melhor?

Sim. Tem muita gente ligando e me contratando para shows. Inclusive, empresários de outros países, como Portugal e Estados Unidos. Mas não tem nada fechado ainda, estamos alinhando.

Antes de fazer sucesso, qual era seu cachê?

Na minha cidade, já cheguei a ganhar 3 mil reais para cantar. Era convidado para aniversário da cidade. O povo gosta de mim. Mas já toquei por 200 reais também…

A fama não te assusta?

Não. Era o que pedia a Deus e fico muito feliz que estou conseguindo. É um prazer tirar foto com o público, abraçar as pessoas. Eu gosto!

Só canta músicas autorais nos seus shows?

Sim. Além de “Caneta Azul”, canto “Vou Deixar de Ser Besta”, que é um xote, e “Ela Não Deixa”.

Vai mesmo trabalhar com Laércio da Costa, que já produziu o Tiririca?

Ainda não tem nada certo. Estamos conversando.

E pretende lançar outra versão para “Caneta Azul”?

Sim. Penso em regravar, independente do Laércio ou não. É uma música nova. Se der para fazer isso por uma grande gravadora, eu faço. Se não der, vou gravar mesmo assim.

Qual é o seu sonho hoje?

É crescer ainda mais na carreira. Quero gravar um CD e um DVD, fazer clipe e participar de shows de grandes bandas. Quero gravar show com Léo Magalhães.

Qual a pegada que você quer que esse disco tenha?

Misturado. Faço música romântica, brega, forró...

SERVIÇO

Onde ele vai cantar

Serra

Domingo (17), às 14h, no Sunset TMJ, na Chácara Recanto dos Pássaros, em Jacaraípe. Clas.: Livre. Ing. (1º lote/meia): Pista a R$ 20 e Open Bar a R$ 100. Venda: Prenda Multi Shop, Magnata Multimarca (Feu Rosa, Country Ville (Laranjeiras) e Cantão Lanches (Planalto Serrano). Inf.: 99648-0825.

Vila Velha

Domingo, a partir do meio-dia, no Território, na Barra do Jucu. Clas.: Livre. Ing.: R$ 10. Venda: Território. Inf.: 99865-8585.
Guarapari

Domingo, a partir das 19h, no Rei da Noite. em Jardim Boa Vista, Guarapari. Clas.: 18. Ing.: R$ 20 (1º lote). Venda: Bem Bolado (Centro), Triplo X (Muquiçaba) e 99989-3441.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados