Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Veterinária diz que Marina Ruy Barbosa não pediu para adotar gato de novela

Entretenimento

Famosos

Veterinária diz que Marina Ruy Barbosa não pediu para adotar gato de novela


Marina Ruy Barbosa, 23, não ficará com um dos gatos que vivem León na novela das nove da Globo, "O Sétimo Guardião".

O autor da trama, Aguinaldo Silva, havia feito uma brincadeira em seu Twitter insinuando que a atriz adotaria o felino Lucky, mas segundo a veterinária que cuida do animal foi apenas uma brincadeira.

"Às vezes, é apenas uma piada dele [Aguinaldo]. [...] Ninguém nunca chegou para mim e disse que o gato ficaria com Marina", disse Patricia Rober em entrevista à reporagem. "Nem ela pediu para ficar com o gato. Nunca se levantou essa hipótese."

Rober disse ainda que a foto divulgada, em que Marina aparece com o gato, foi tirada por ela mesma com o intuito de ser uma lembrança dos bastidores da novela. "Pedi a foto para guardar", afirma Rober. A atriz publicou a foto, que foi replicada por Aguinaldo com a brincadeira.

"Quem falou que a Luz terminou a novela sozinha? Foi a Marina quem ganhou o grande prêmio: levou o Lucky para casa! Lucky, se vocês não sabem, é o nome artístico do ator que fez o León... e este, sim, é um verdadeiro gato", diz a legenda.

Segundo ela, o ideal seria realmente não separar o gato Lucky dos demais que aparecem na novela -quatro gatos (Lucky, Pépe, Nix e Peg) participaram de um revezamento de cenas para a trama. Todos eles vivem juntos e com a veterinária, em sua casa.

Da raça Bombay, que chegam a custar US$ 700 (R$ 2.700) no exterior, eles foram escolhidos por serem ágeis, espertos e, principalmente, por terem o pelo curto, uma das características necessárias para a aplicação dos efeitos especiais.

"Pensando nos animais, e não nos humanos, separar eles não é o ideal. Não é porque eles gravam que não têm sentimentos. É igual a um gatinho de casa", diz.

Rober acrescentou que Marina não foi a única a se apegar aos felinos. Ela diz que "no começo das gravações achávamos que precisaríamos de 50 gatos, porque todos queriam um, mas sempre levei na brincadeira".

"No começo é sempre assim, todo mundo fala que quer. Depois vai se acostumando. Mas até o pessoal da figuração me perguntava", disse.

Procurada, a Globo não se manifestou até a publicação deste texto.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados