search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Vamos dar as mãos
Painel da Folha de São Paulo

Vamos dar as mãos

A exemplo do acordado na Câmara dos Deputados, o governo deverá encaminhar nos próximos dias projeto de lei para a abertura de crédito suplementar de cerca de R$ 4,5 bilhões para irrigar ministérios e atender à demanda de senadores com entregas em suas bases eleitorais.

O pedido foi encaminhado pelo presidente da Casa, Davi Alcolumbre (DEM-AP), que teria alertado o Palácio do Planalto não ser possível tocar tantas matérias polêmicas ao mesmo tempo sem oferecer contrapartida.

Olha a fila - Caberá ao Senado, nas próximas semanas, avalizar a indicação do novo procurador-geral, Augusto Aras, aprovar a reforma da Previdência e analisar o nome de Eduardo Bolsonaro, filho do presidente, para comandar a embaixada do Brasil nos EUA.

Fecha a conta - O combinado é que o crédito extra seja liberado antes de a indicação do filho 03 chegar ao parlamento.

E passa a régua - Senadores têm especial interesse em direcionar verbas de programas como Minha Casa Minha Vida e Luz para Todos. A ideia é reunir recursos dispersos em emendas e aumentar o volume disponível para programas como estes, permitindo que os parlamentares indiquem prioridades. O pedido por cargos também não se esgotou.

Cara a cara - Após conversas que o indicado à PGR, Augusto Aras, teve no fim de semana com Davi Alcolumbre (DEM-AP) e Simone Tebet (MDB-MS), ficou a impressão de que a relatoria de sua nomeação no Senado está entre dois Eduardos: ou Eduardo Braga (MDB-AM) ou Eduardo Gomes (MDB-TO).

No papel - Com as queixas por Bolsonaro ter apontado nome de fora da lista tríplice para a PGR, auxiliares do presidente defendem que o tema seja agora discutido em lei, para deixar claro quais são os limites do presidente na escolha.

Mudando de assunto - Políticos alinhados à pauta conservadora acreditam que, após a censura na Bienal, o prefeito do Rio, Marcelo Crivella (PRB), ressuscitou para a opinião pública e pode angariar apoio com vistas à eleição de 2020.

Mudando de assunto 2 - Com a gestão mal avaliada, Crivella volta-se ao conforto da pauta de costumes, apontam seus adversários. De quebra, ele expõe alinhamento às ideias de Bolsonaro, ferrenho crítico de políticas de identidade de gênero, e que ainda não definiu candidato na eleição do Rio.

Passa mais tarde - Atrasou de novo o início do prometido pente-fino nas contas do INSS, que tinha como objetivo reduzir fraudes e poupar recursos no momento em que é aprovada a reforma da Previdência. A Dataprev havia se comprometido em entregar em agosto um sistema de auditoria, adiou para setembro e agora informa que o aparato só ficará pronto no fim de novembro.

Passa mais tarde 2 - Com isso, os cerca de R$ 2,5 bilhões que o governo estimava economizar neste ano com a devassa devem ficar para 2020. Isso porque os suspeitos têm 30 dias para se defender antes que o corte do benefício seja feito. Na melhor das hipóteses, em janeiro.

Me ajuda a te ajudar - O atraso provocou troca de acusações em reunião de representantes da Dataprev, INSS, CGU (Controladoria Geral da União) e peritos na última semana. Sem o pente-fino, a categoria também não receberá o bônus de desempenho prometido (e já reservado), de R$ 223 milhões.

Homônimos - Informações que chegaram à chefia da Polícia Federal em Brasília dão conta de que o Helio Negão que é alvo de investigação da Superintendência do órgão no Rio é na verdade um homem que já morreu, e não o deputado homônimo, amigo de Bolsonaro.

Dois em um - Para a cúpula, os responsáveis pelo inquérito do caso sabem disso, fato que reforça a desconfiança da direção da corporação de que a investigação só foi aberta para desgastar Ricardo Saadi, agora ex-superintendente da PF carioca.

Meu guri - Cresce na chamada ala ideológica do governo a defesa do nome do chefe da Abin, Alexandre Ramagem Rodrigues, que é delegado da PF, para comandar a corporação no lugar de Maurício Valeixo, caso a troca se confirme. Ramagem atuou na segurança de Jair Bolsonaro na campanha de 2018.

TIROTEIO

"Com estas revelações, a operação já merece ser rebatizada: Lama Jato. E os membros da quadrilha, todos processados."

Do senador Jaques Wagner (PT-BA), sobre conversas que põem em xeque tese de que ex-presidente Lula agiu para evitar prisão em 2016.

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Painel da Folha de São Paulo

Força

Representantes dos três principais movimentos da sociedade civil criados em defesa da democracia, Juntos, Basta e Somos 70%, participaram ontem de uma mesma reunião pela primeira vez. No encontro, …


Exclusivo
Painel da Folha de São Paulo

Ele não

Os critérios para definir quem pode participar dos movimentos da sociedade civil criados em defesa da democracia estão gerando debates dentro dos grupos. Ainda que se disponham a congregar pessoas de …


Exclusivo
Painel da Folha de São Paulo

Clássico

Depois de protestos terminarem em confronto no fim de semana, o secretário-executivo da Polícia Militar de São Paulo, coronel Álvaro Camilo, quer usar a mesma metodologia de organização dos jogos de …


Exclusivo
Painel da Folha de São Paulo

Tabuleiro

Apesar da disposição demonstrada pelo STF de tentar impor limites a Jair Bolsonaro, integrantes da classe política e do Judiciário avaliam que as principais investigações em andamento ainda dependem …


Exclusivo
Painel da Folha de São Paulo

Mesmo lado

Líderes e presidentes de partidos da centro-direita dizem, nos bastidores, ser um excesso o pedido de apreensão do celular de Jair Bolsonaro no inquérito que apura as denúncias de Sergio Moro. …


Exclusivo
Painel da Folha de São Paulo

Sinais

A suspeita de vazamentos de inquéritos sigilosos da Polícia Federal para o entorno do Presidente não se restringe ao caso de Flávio Bolsonaro. Relatório da investigação de candidaturas de laranjas em …


Exclusivo
Painel da Folha de São Paulo

Corrente

A disseminação reiterada de informações falsas, muitas delas com ataques a autoridades, e as ameaças do presidente da República de desdenhar de ordens judiciais fizeram ministros do Supremo se unir …


Exclusivo
Painel da Folha de São Paulo

Trajetória

Alvo da Polícia Federal, a primeira-dama do Rio, Helena Witzel, tem parca experiência como advogada. Um contrato de R$ 540 mil do escritório dela com uma empresa investigada na Lava a Jato do Rio é …


Exclusivo
Painel da Folha de São Paulo

Sinuca

Pivô da crise entre Sergio Moro e Jair Bolsonaro, a Polícia Federal se encontra em uma situação delicada. Com a responsabilidade de apurar as acusações do ex-ministro da Justiça, a PF se vê em risco …


Exclusivo
Painel da Folha de São Paulo

Dupla dinâmica

Os ataques de Jair Bolsonaro ao STF têm na mira principalmente dois ministros, Alexandre de Moraes e Celso de Mello, que o Presidente elegeu como inimigos próprios. Ontem, Bolsonaro compartilhou um …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados