search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Valesca de volta ao funk proibidão

Entretenimento

Publicidade | Anuncie

Para Ouvir

Valesca de volta ao funk proibidão


 (Foto: Divulgação/R&D Comunica/Assessoria de Imprensa)
(Foto: Divulgação/R&D Comunica/Assessoria de Imprensa)
Os bailes funks cariocas voltaram com tudo. E a carioca Valesca Popozuda, 40, não quer ficar para trás. Ela retorna ao proibidão, estilo que a consagrou no Gaiola das Popozudas, com seu novo hit, “Meu Ex”, composto por Ludmilla.

“O funk está vivendo esse momento de só proibidão e eu danço conforme a música. Os DJs cresceram com os proibidões, produzindo vários MCs e há meninas cantando proibidão.

Coisas pelas quais, no passado, eu era apedrejada. Mas eu não estava nem aí. Cantava porque gostava e é com o que eu me identifico. Hoje nosso funk está rezando essa missa”, explica ao AT2.

Mas a cantora não quer perder o público conquistado com as músicas no estilo funk pop, como “Beijinho no Ombro”. Tanto que lançou clipe de “Meu Ex” em versão sem palavrões. “Não quero abandonar público nenhum, meu amor! Quero ter todos e muito mais!”, diz, aos risos.

E promete mais aos fãs que curtem sua versão mais desbocada: no início de fevereiro, lança o EP “Valesca de Volta pra Gaiola”, com quatro músicas inéditas picantes.

“Aqui, as pessoas problematizam tudo” - Valesca popozuda cantora

AT2: “Meu Ex” foi escrita por Ludmilla. Como a música chegou até você?
Valesca Popozuda: Vi que ela estava compondo muito e perguntei se ela tinha alguma música que fosse minha cara. Ela perguntou: “Você ainda canta palavrão?” Falei: “Lógico!” Aí ela me mandou a música. Amei e gravei. Quando lancei, os fãs ficaram loucos. Tinha um tempo que eu não lançava algo meio proibido. Ela tem duplo sentido, mas só tem um palavrão.

AT2: Hoje há outras cantoras que fazem funk proibidão, como Ludmilla e MC Rebecca. Abriu espaço para elas?
Valesca Popozuda: De certa forma, o que elas cantam é o que eu falava lá no começo da Gaiola. Só que havia mais críticas. As pessoas tinham que ter a mente aberta. Lá fora é muito comum músicas com temas mais picantes. As pessoas entendem que é entretenimento. Aqui, as pessoas problematizam tudo.

 (Foto: Divulgação/R&D Comunica/Assessoria de Imprensa)
(Foto: Divulgação/R&D Comunica/Assessoria de Imprensa)
AT2: Se depender de você, o proibidão jamais vai morrer?
Valesca Popozuda: Jamais! (Risos) Estou lançando um proibidão, mas amanhã posso vir também com uma música pop. Nada impede.

AT2: Mas tem quem critique...
Valesca Popozuda: Na época da Gaiola, eu não me preocupava. Então, não vai ser agora! Quer ouvir, escuta. Não quer? Está fazendo o quê aqui? Quero mais é que se dane! Estou no palco para levar alegria.

AT2: Confirmou que o vídeo da versão light de “Meu Ex” tem referências do clipe de “Bitch I'm Madonna”, da Madonna. Ela te inspira como mulher?
Valesca Popozuda: Sim, sou fã! Ela é exemplo de mulher, sempre apoiando a luta das mulheres. Também não tem papas na língua!

AT2: A música fala de recaída, tema comum no sertanejo. Funkeiros também sofrem com recaídas?
Valesca Popozuda: (Risos) Quem nunca? Já aconteceu comigo, mas há anos... Hoje, não! Mas muita gente se identifica com a letra. Que bom!

AT2: Então, hoje, aos 40, não rola mais recaída?
Valesca Popozuda: Não... Porque estou namorando. Meus relacionamentos são bem duradouros. E, quando separo, também fico sozinha por um bom tempo. É nesse “sozinha por um bom tempo” que, às vezes, meu atual de hoje pode amanhã ser uma recaída. (Risos) Lógico que isso não vai acontecer agora! Vida que segue! O importante é ser feliz!

AT2: Vale a pena manter contato com o ex?
Valesca Popozuda: Prefiro não manter, até em respeito ao meu relacionamento. Mas, às vezes, tem que ter pelo filho. Mas mal converso com o pai do meu filho.

AT2: Está com o Patrick, que acabou de descobrir que é pai de gêmeas. Como é ganhar mais duas "filhas"?
Valesca Popozuda: É lindo! Nem ele acreditou! Foi fazer o DNA, mas antes, quando olhei a foto, já disse: “É sua cara”! E eu apoiei. Namoro é parceria.

AT2: Entrou no desafio dos 10 anos. Está melhor hoje?
Valesca Popozuda: Me vejo cada vez melhor, igual vinho: quanto mais velho, melhor! (Risos) Eu me amo muito.

AT2: O que vem por aí?
Valesca Popozuda: Para o Carnaval, vou lançar o EP “Valesca de Volta pra Gaiola”. São 4 músicas inéditas, bem picantes. Meu amor, você não tem noção! Não é um forninho, é um caminhão de forninho sendo derrubado! Os fãs vão ficar loucos!

AT2: A parceria com Cleo Pires vai rolar?
Valesca Popozuda: 
Não posso revelar muito. É um projeto musical. A Cleo é uma mulher incrível, estou amando.

Versão light
“Meu Ex”

“Ah, fiz besteira mais uma vez
Tava de bobeira em casa
Beijei a boca do meu ex
Boca, boca do meu ex

Ele me liga, eu não atendo
Ele me perturba, mas eu não rendo
Fica nessa palhaçada, igual “Procurando Nemo”
Ele me troca pelo Flamengo
É só nós bater de frente que já tô me derretendo
Ah, fiz besteira mais uma vez
Tava de bobeira em casa
Beijei a boca do meu ex”


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados