Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Um bilhão de pessoas no mundo têm alergia ao sol
AT em Família

Um bilhão de pessoas no mundo têm alergia ao sol

Por Luciana Pimentel

 (Foto: Acervo pessoal)
(Foto: Acervo pessoal)
Bolinhas vermelhas, intensa coceira e a impressão de que sofreu uma queimadura. Esses são alguns indicativos da alergia ao sol, que hoje atinge mais de 1 bilhão de pessoas em todo o mundo. E por ser facilmente confundida com uma alergia comum –a roupas ou sabonete, por exemplo – muitas pessoas nem sabem que têm a doença e acabam não se cuidando.

Membro da Academia Brasileira de Dermatologia (ABD) e da Sociedade Brasileira de Laser(SBL), a médica Patrícia Friço explicou que os locais onde a alergia mais aparece são peito, braços e pernas e esses sintomas podem surgir até 12 horas após a exposição ao sol.

“A alergia ao sol pode se manifestar em pessoas de qualquer idade. Porém, devido à genética da pele, ela é mais comum em pessoas de pele clara, com uma maior incidência em mulheres. Idosos e crianças não são os mais suscetíveis, mas por terem peles mais finas e sensíveis, podem ser afetados”, lembrou.

Patrícia Friço destacou que os sintomas da alergia ao sol costumam desaparecer sozinhos, então algumas pessoas não se preocupam em ir a um especialista e verificar a condição. Mas alertou queao menor sinal desses sintomas, é importante procurar um médico para avaliar se o caso é grave ou não.

 (Arte: Léo Rangel)
(Arte: Léo Rangel)
“O diagnóstico é feito através da análise clínica da pele, mas quando não fica totalmente esclarecido, alguns testes podem ser solicitados, como o teste de luz ultravioleta (UV), teste para identificar manchas causadas pela luz solar, exames de sangue e análise de amostras da pele”, ressaltou.

A dermatologista salientou ainda que, se não for tratada, a alergia ao sol evolui e pode ocasionar prurido e lesões na pele do paciente, manchas e o desenvolvimento de lesões ainda mais intensas com o passar do tempo, além de deixar manchas e cicatrizes na pele.

Na maioria dos casos, de acordo com Patrícia Friço, o melhor tratamento para a alergia ao sol é a prevenção. Para isso, é importante que o paciente não se exponha à luz solar entre 10 e 16 horas e evite permanecer muito tempo no sol.

“Usar óculos escuros e roupas protetoras, preferencialmente que contenham bloqueadores de raios UV em sua composição, e protetor solar são fundamentais. Em casos mais graves da alergia, alguns remédios podem ser prescritos, além de fototerapia”, indicou a especialista.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados