Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Ufes faz 65 anos como marca de valor
Tribuna Livre

Ufes faz 65 anos como marca de valor

Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) completa 65 anos de trajetória edificante na educação superior pública brasileira e se constitui em marca de valor para o Estado e o País desde a sua criação, em 5 de maio de 1954.

Nascida para impulsionar e qualificar regionalmente o ensino superior, a Ufes se consolidou como instituição estratégica em diferentes áreas do conhecimento. Solidamente estabelecida em quatro campi universitários – são dois na capital e dois no interior –, hoje oferece 103 cursos de graduação presencial e 10 na modalidade a distância, totalizando 21 mil estudantes, além de 62 cursos de mestrado e 31 de doutorado, com 3.500 estudantes.

Para oferecer educação de qualidade, a Ufes conta com 1.765 professores e 2.069 técnicos-administrativos. Sua atuação multicampi possibilita abrangência regional e desempenho acadêmico reconhecido nacionalmente e internacionalmente.

Sua marca de valor está presente na história contemporânea do Espírito Santo como lugar de excelência na formação de recursos humanos para o mundo do trabalho; no desenvolvimento de ciência, tecnologia e inovação; e na aplicação de projetos e ações educativas e sociais em todos os municípios capixabas.

Entretanto, mesmo com toda a contribuição que as universidades federais, incluindo a Ufes, oferecem ao desenvolvimento nacional e ao conjunto da sociedade brasileira, as instituições públicas de ensino superior passam por acentuados cortes em seus orçamentos, comprometendo a manutenção e a capacidade de investimento.

Esse movimento autoritário e dissociado dos interesses da sociedade compromete de forma avassaladora as atividades acadêmicas, a qualidade do ensino oferecida e o desenvolvimento científico e tecnológico possibilitado.

Os cortes orçamentários anunciados, e sem qualquer consulta à sociedade, materializam intenções explícitas de natureza política que buscam destruir as instituições federais de ensino superior, mesmo que elas se constituam em patrimônio do povo brasileiro.

A sociedade, entretanto, está reagindo, cada vez com mais firmeza, às tentativas de desmonte da educação superior pública.

Mesmo com a sua edificante história de 65 anos, ao longo dos quais oferece formação acadêmica de qualidade para dezenas de gerações, sobretudo para os capixabas, a capacidade orçamentária da Ufes poderá ficar totalmente inviabilizada.

Mesmo com mais cursos de graduação e de pós-graduação, com mais vagas, mais inclusão social, mais produção cultural, mais assistência, mais ciência e tecnologia, a Ufes encontra-se com orçamentos completamente defasados, se comparados com as suas necessidades financeiras.

No ritmo que segue o governo federal, a situação poderá levar à falência da educação superior pública no Brasil. E isto é muito grave para um País que, entre tantas necessidades, precisa fundamentalmente de educação de qualidade.

As comemorações dos 65 anos da Ufes simbolizam o vigor e o amadurecimento de uma instituição que pertence ao povo brasileiro, e em especial aos capixabas, e traduzem a necessidade de buscarmos fortalecer o ensino superior público como direito de todos e dever do Estado, como está consagrado na Constituição brasileira. Porque a Ufes não tem preço. Tem valor.

Reinaldo Centoducatte é reitor da Ufes


últimas dessa coluna


Exclusivo
Tribuna Livre

Que tipo de pensamento estamos nutrindo?

Você pensa sobre o conteúdo do seu pensamento? Da mesma forma que somos cuidadosos ao preparar nosso prato de comida, deveríamos ter o mesmo carinho para cuidar do conteúdo mental, a qualidade dos …


Exclusivo
Tribuna Livre

Inspeção predial: check-up de edificações pode evitar tragédias

O desabamento da área de lazer do condomínio residencial de luxo Grand Parc, em Vitória, completa três anos em julho. Casos como esse podem ser evitados com a observância de cuidados como o atendimen…


Exclusivo
Tribuna Livre

Integração para enfrentar a criminalidade articulada

É sabido por todos, principalmente por aqueles que labutam na área da Segurança Pública, que o crime apresenta várias vertentes e os bandidos utilizam meios cada vez mais articulados para o cometimen…


Exclusivo
Tribuna Livre

Reclamação do cliente pode ser oportunidade para a empresa

A palavra “reclamação” é vista pela maioria das empresas como algo negativo, mas a grande verdade é que a reclamação é uma excelente oportunidade para “enxergarmos” falhas em nossos processos e em …


Exclusivo
Tribuna Livre

O desafio de tratar a dependência química

A dependência química é uma doença complexa, já considerada um dos maiores desafios de saúde pública no País. Diferentes pesquisas mostram o aumento do uso de drogas em todas as classes sociais. A …


Exclusivo
Tribuna Livre

Homenagem a um médico que fez a diferença

Recentemente perdemos um dos grandes personagens capixabas. Estamos nos referindo ao professor Carlos Sandoval Gonçalves, ícone dentre os pesquisadores e professores de Medicina do Brasil, que …


Exclusivo
Tribuna Livre

Educação especial como política pública

Historicamente, a educação especial para pessoas com deficiência é oferecida por instituições privadas, incluídas as especializadas, confessionais e filantrópicas. A partir de 1973, ela foi incorpora…


Exclusivo
Tribuna Livre

O “ser mulher” e a busca pela sobrevivência

Era uma vez uma selva, onde morava uma leoa muito dócil e, ao mesmo tempo, valente. Cuidava de seus filhotes e ia à caça para não lhes faltar alimento. Por instinto, fazia o que preciso fosse para …


Exclusivo
Tribuna Livre

Deixa falar! Deixa viver!

De acordo com o Atlas da Violência 2019, divulgado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), a morte no Brasil tem cor, idade, gênero, classe social e nível de escolaridade. Ou seja, quem …


Exclusivo
Tribuna Livre

Respeito à vontade do idoso sobre sua saúde

Respeitar a vontade do paciente idoso quando ele ainda possui domínio mental sobre a própria vida por meio da Diretiva Antecipada de Vontade (DAV) é um recurso que, aos poucos, vem ganhando força e …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados