Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Ucrânia barra entrada de homens russos em idade de combate

Notícias

Internacional

Ucrânia barra entrada de homens russos em idade de combate


A Ucrânia anunciou nesta sexta-feira (30) que vai barrar a entrada de homens russos em idade de combate, de 16 a 60 anos, em seu território, em mais um capítulo da tensão entre os países após a captura de barcos ucranianos pela Rússia.

Militares russos abriram fogo contra e capturaram no domingo (25) três embarcações da Ucrânia que tentavam entrar no mar de Azov pelo estreito de Kertch, perto da península da Crimeia, que a Rússia anexou da Ucrânia em 2014. Os 24 marinheiros dos barcos foram detidos.

Na segunda-feira (26), o parlamento ucraniano aprovou, a pedido do presidente Petro Poroshenko, a imposição de lei marcial no país por 30 dias nas regiões do país consideradas mais vulneráveis a ataques russos.

A hostilidade entre Rússia e Ucrânia vem aumentando desde a anexação da Crimeia; Moscou também vem apoiando rebeldes separatistas no leste do país vizinho, onde o conflito já matou ao menos 10 mil pessoas desde 2014.

Poroshenko disse que a proibição da entrada de homens russos é para "prevenir a formação de exércitos particulares pela Federação Russa".

Segundo o serviço de fronteiras da Ucrânia, haverá exceções humanitárias à proibição. No entanto, autoridades disseram que pode haver anúncio de mais restrições a cidadãos russos que moram no país.

Maria Zakharova, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores russo, disse que o país não vai impor medidas similares para barrar ucranianos e afirmou que a medida da Ucrânia prejudica cidadãos comuns.

Nesta quinta-feira (29), o presidente americano, Donald Trump, cancelou reunião que teria com o presidente russo, Vladimir Putin, durante a reunião da cúpula do G20 em Buenos Aires devido ao incidente com as embarcações ucranianas.

A captura dos barcos vem levando a críticas ao governo russo e a pedidos de que sejam adotadas mais sanções contra o país. Nesta quinta, a primeira-ministra britânica, Theresa May, disse que apoiaria "sanções apropriadas" e pediu que a Rússia libere os barcos e os marinheiros.

Os EUA e a União Europeia impõem sanções à Rússia desde 2014, após a anexação da Crimeia.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados