search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

A esfinge contemporânea
Tribuna Livre

A esfinge contemporânea

Por:  Luiz Antônio de Souza Silva.

 

"Regras relacionadas ao trabalhador passaram a ser vistas como atraso"

Ninguém sabe quem está na direção e nem para onde estamos indo, porém, vamos incumbindo de nos devorarmos uns aos outros antes que consigamos decifrar nossa esfomeada esfinge.
Como a globalização rompeu limites das fronteiras, tornando o mundo cada vez mais interdependente, a esfinge tem dado pistas de que não resolveremos o quebra-cabeça descartando peças, mas encontrando maneira correta de encaixá-las, embora, ardilosamente, firme o descarte de grande parte delas a fim de que se possa, simplesmente, continuar seguindo.
Quanto maior o número de descartados, que permanecem à espreita, na lenta e grande fila, em condição de excedência (afora a prioridade absoluta dos robôs, na condição de excelência), mais combustível haverá para manutenção do ciclo, oportunizando a disseminação inimputável dos pilares em que se assenta esse ultramoderno assédio global.
Nesse ambiente, as regras que verdadeiramente valem são as que mais contribuem para a austeridade, rompendo com paradigma de direitos criados e consolidados em épocas cujas esfinges não eram tão concentradas e obcecadas em torno de um pensamento único, tornando-a, atualmente, extremamente poderosa no que tange à imposição de suas normas.
Desta forma, sem respeitar nação, pátria ou bandeira, utilizando-se do amplo e diversificado laboratório global de experiências, elas vão forçando à aproximação de parâmetro de padronização baseado, evidentemente, em exemplos externos em que o trabalhador mais se aproxime de mera peça para lubrificação da rígida e inflexível engrenagem econômica.
O mais impressionante é a avassaladora forma como as históricas regras que se relacionam ao trabalhador passaram, ultimamente, a ser disseminadas e recebidas como sinônimo de insuportável atraso, grave empecilho para o desenvolvimento, submetendo-o a ambiente de total insegurança, instabilizando-o completamente ao sabor das crises.
Aliás, cuja rotina, obviamente, ganha enorme apoio com a propagação e assimilação de que o crescimento advirá de uma seletividade quase desumana, alimentada pelo consequente escanteio de enorme massa humana, ante a impossibilidade de nos recriarmos, diariamente, como os glorificados artefatos progressivamente fabricados para uma competitividade cada vez mais artificial e um ambiente mais selvagemente real.
Logo, em contexto global próprio ao reino da instabilidade, com as economias nacionais refutando, sempre mais, mínimos resquícios de autonomia, uma possível diminuição pontual do número de desempregados, após a chamada “reforma trabalhista”, além de não proporcionar mínima garantia quanto a novas flexibilizações de sólidas conquistas, também não encobre a desfaçatez como a modernidade vem aniquilando postos de trabalho.
Como fato, o impressionante número de catorze milhões de desempregados, no país, dois milhões, aliás, em apenas um ano e já na vigência de igualmente inovador “programa de proteção ao emprego”.
Com o significativo detalhe de que a decidida maneira como a “economia disruptiva” se lança contra normas relativas a direitos e garantias da classe trabalhadora, ganhou grande incentivo a seguir sua inflexível trajetória, já que conseguiu chegar ao ponto de alterar, em uma só oportunidade, várias partes da outrora “vaca sagrada”, como muitos críticos se referiam à CLT, consolidando, desta maneira, a transição para a era do “robô sagrado”, em um mundo evoluidamente desvairado.
Luiz Antônio de Souza Silva é promotor de Justiça e escritor

A seção Tribuna Livre é publicada diariamente no jornal A Tribuna. Colaborações para a coluna devem ser enviadas para opiniao@redetribuna.com.br.

 


últimas dessa coluna


Exclusivo
Tribuna Livre

Peste, indiferença e luta

Quando a peste resolve sair de seu recôndito esconderijo e assombrar a humanidade, o desespero e a indiferença vêm na bagagem. Desespero porque, por mais pestes e guerras que já tenham havido na …


Exclusivo
Tribuna Livre

Racismo no Brasil não gera a mesma repercussão que nos EUA

Os casos no Brasil ligados a crimes de racismo não geram a mesma repercussão que há nos Estados Unidos e para isso há razões muito específicas que justificam a banalização da violência racial no …


Exclusivo
Tribuna Livre

Quem paga pensão tem o direito de saber como valores são gastos

Alicerçando-se nos princípios constitucionais da proteção integral da criança e do adolescente e da dignidade da pessoa humana, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) modificou entendimento até então …


Exclusivo
Tribuna Livre

Profissões em alta na pandemia influenciam mercado de estágio

A pandemia do coronavírus desestruturou o mercado de trabalho. Além do aumento do desemprego, que subiu para 12,6% no trimestre encerrado em abril deste ano, segundo dados do Instituto Brasileiro de …


Exclusivo
Tribuna Livre

Renda mínima universal no mundo onde não existe almoço grátis

De repente nos deparamos com emergência de saúde pública internacional, com graves consequências em nosso meio, ocasionando, dentre outras medidas visando minorá-las, a instituição de um auxílio …


Exclusivo
Tribuna Livre

Nos 50 anos do Tri, temos pouco futebol e muita maracutaia

Nesta semana comemoramos o aniversário de 50 anos do Tri. A Copa do Mundo do México, realizada em 1970, foi emblemática! O futebol brasileiro da época era inigualável, fazendo com que nossa seleção …


Exclusivo
Tribuna Livre

Segurança alimentar durante a pandemia é obrigação de todos

A pandemia imposta pela Covid-19 tem nos remetido ao passado, revisitando nossas lembranças de quando nossos pais repetiam diuturnamente para lavarmos as mãos, antes das refeições, de proteger a boca …


Exclusivo
Tribuna Livre

Sebastião Salgado e sua capacidade de nos inspirar

O fotógrafo Sebastião Salgado, ao lançar a Carta Aberta ao Governo Brasileiro, subscrita por personalidades nacionais e internacionais, traduziu a preocupação planetária frente ao risco da entrada do …


Exclusivo
Tribuna Livre

Pandemia do coronavírus transforma o São João

Celebradas no Brasil desde, pelo menos, o século XVII, as festas juninas constituem a segunda maior comemoração realizada pelos brasileiros, ficando atrás apenas do Carnaval. De acordo com os …


Exclusivo
Tribuna Livre

Imposto e dívida pública exigem cautela antes de agir

Ao refletir sobre as práticas políticas de seu tempo, David Hume (1711-1776), já alertava sobre os perigos de hipotecar os rendimentos públicos, confiando que gerações futuras pagarão os encargos …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados