Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

"Transferência do novo Coaf foi para despolitizar órgão", diz Guedes

Notícias

Economia

"Transferência do novo Coaf foi para despolitizar órgão", diz Guedes


 (Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil)
(Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil)

O ministro da Economia, Paulo Guedes, negou nesta quarta-feira (21) que a transferência do novo Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) para o Banco Central abra brecha para indicações políticas e defendeu que a intenção, na verdade, foi despolitizar o órgão de inteligência financeira.

Guedes falou a jornalistas ao fim de uma reunião com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), o ministro Bento Albuquerque (Minas e Energia) e líderes de partidos na Câmara.

Na segunda-feira (19), a Folha de S.Paulo mostrou que a medida provisória assinada por Bolsonaro possibilita que ocupantes de cargos comissionados, que não necessariamente são servidores públicos, integrem o quadro técnico-administrativo do órgão, que passa a se chamar Unidade de Inteligência Financeira.

"A decisão do Coaf foi para despolitizar um órgão da República que estava sendo politizado", disse Guedes.

"Não estou dizendo que estavam botando político. A demarcação de territórios numa democracia ocorre o tempo inteiro. Visivelmente o Coaf se transformou num foco de conflito político, de demarcação institucional de território. Como você blinda isso politicamente? Você faz um aperfeiçoamento institucional."

Segundo Guedes, o BC é um lugar natural para o Coaf, principalmente se a medida for acompanhada da autonomia do Banco Central. "Só reforça a ideia de que esse órgão não está ao alcance de influências políticas, seja de quem quiser perseguir um político, seja de quem quiser dar impunidade a um político, seja quem queira perseguir um contribuinte, seja quem queira isentar um contribuinte."

Guedes afirmou ainda não ser razoável que um ministro concentrasse tantos poderes como ele estava concentrando com o Coaf debaixo do Ministério da Economia. Como a Receita Federal também está subordinada à pasta, defendeu, seria possível invadir a privacidade de contribuintes ou mesmo fazer uso político dos dados. "Não é razoável que um ministro tenha tanto poder. Virou um fiscal da privacidade dos outros. Eu faço questão que esse poder não fique aqui concentrado."

Maia também defendeu a transferência do Coaf para o BC e rejeitou que isso abra brecha para nomeações políticas no órgão.

"Isso está errado. O Banco Central já existe. Ninguém nunca viu uma discussão de que algum político tentou nomear alguém no Banco Central. Colocar o Coaf no BC é garantir que não vai ter nomeação política."

O presidente da Câmara disse que vai trabalhar pessoalmente para aprovar a medida provisória do jeito que foi encaminhada ao Congresso pelo presidente Bolsonaro.

"A decisão do ministro Paulo Guedes de colocar sob o BC é justamente essa a medida que limita ou inviabiliza qualquer tentativa de espaço político. E outra coisa, não é uma nomeação política que diz que uma empresa ou instituição vai trabalhar de forma certa ou errada."

Maia afirmou que a transferência também pode ajudar a atrair quadros do mercado para o Coaf. "Ter quadros da sociedade que vêm da experiencia do setor privado também pode ser um caminho importante."

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, decidiu indicar Ricardo Liáo para chefiar o novo Coaf. Liáo, 64, é servidor aposentado do BC e já integrava a cúpula do Coaf desde abril de 2013. Sua ascensão foi planejada pelo Ministério da Economia para transmitir a mensagem de que não haverá quebra nos trabalhos mesmo com as mudanças estruturais feitas no órgão.

Criado em 1998, o Coaf é um órgão de inteligência financeira que investiga operações suspeitas e se tornou pivô neste ano de uma investigação contra o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ).

O Coaf recebe informações de setores que são obrigados por lei a informar transações suspeitas de lavagem de dinheiro, como bancos e corretoras. O conselho analisa amostras desses informes e, se detectar suspeita de crime, encaminha o caso para o Ministério Público.

Durante a crise do mensalão, ofícios do Coaf entregues à CPI dos Correios indicaram, por exemplo, grande volume de saques em espécie por parte da SMPB, empresa de Marcos Valério, o operador que abasteceu o esquema de pagamentos a políticos da base do governo petista.

Mais recentemente, o Coaf identificou movimentações atípicas de Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro.

De acordo com o órgão, Queiroz movimentou R$ 1,2 milhão de janeiro de 2016 ao mesmo mês de 2017 -entraram em sua conta R$ 605 mil e saíram cerca de R$ 600 mil. A quantia foi considerada incompatível com o patrimônio do ex-assessor de Flávio.

ENTENDA O PAPEL DO COAF

O que é?
Criado pela lei dos crimes de lavagem (nº 9.6313/1998), é uma unidade de inteligência financeira ligada agora ao Banco Central. Envia relatórios a autoridades quando identifica indícios de crimes de lavagem de dinheiro e de financiamento do terrorismo ou de outros ilícitos. O Coaf não investiga.

Quem o abastece?
Há setores da economia que são obrigados, por lei, a informar ao Coaf sobre movimentações financeiras suspeitas, como bancos, empresas seguradoras e de previdência privada, joalherias, comércio de bens de luxo ou de alto valor e comércio de imóveis.

Em quais casos esses setores comunicam o Coaf?
Há a comunicação de operações suspeitas e a de operações em espécie acima de determinado valor estabelecido em norma.

Como o órgão repassa esses dados às autoridades que fazem investigação?
Por meio de relatórios de inteligência financeira, compartilhados em um sistema eletrônico próprio, que dá agilidade e preserva o sigilo. Eles não são provas de crimes, apenas indícios que devem ser apurados.

O que já fez o Coaf?
Desde 2011, produziu relatórios que basearam investigações como Lava Jato e Cadeia Velha. Atuação junto a Ministério Público e autoridades policiais resultou, de jan. a nov. de 2018, no bloqueio judicial de R$ 125 milhões.

O que muda com a MP?
O órgão vai para o Banco Central e passa a se chamar UIF (Unidade de Inteligência Financeira), mas mantém as mesmas funções. Também houve mudanças nas regras de nomeação de integrantes: agora, a MP possibilita a escolha de ocupantes de cargos comissionados, que não necessariamente são servidores públicos.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados