Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Torcedor capixaba agredido por uruguaios completa 75 dias internado

Esportes

Esportes

Torcedor capixaba agredido por uruguaios completa 75 dias internado


A luta pela vida continua para o capixaba Roberto Vieira, de 54 anos. Nesta segunda-feira (17), o organizador de excursões completou 75 dias internado no Centro de Terapia Intensiva (CTI), do Hospital Miguel Couto, na zona sul, do Rio de Janeiro. A família dele informou que seu estado de saúde segue sem evolução e ele não reconhece os parentes.

Roberto Vieira (com a camisa 10 do Flamengo) foi agredido na cabeça (Foto: Reprodução / Youtube)
Roberto Vieira (com a camisa 10 do Flamengo) foi agredido na cabeça (Foto: Reprodução / Youtube)
Roberto foi agredido por uruguaios durante uma briga entre torcedores do Flamengo e do Peñarol/URU, no bairro Leme, na zona sul do Rio, no dia 3 de abril, horas antes de os dois times se enfrentarem no Maracanã, pela terceira rodada da fase de grupos da Libertadores.

Imagens de dentro do ônibus da excursão organizada pelo capixaba mostram que ele tentava afastar os torcedores, mas acabou ferido na cabeça.

O aposentado Josias Vieira, de 69 anos, é irmão de Roberto e tem ido ao Rio para acompanhar as notícias do estado de saúde do organizador de excursões. “O médico falou que foi muito grave a pancada na cabeça dele. Temos que aguardar. Ele abre o olho e depois fecha de novo. Teve pouquíssima melhora. Está na mão de Deus, porque é difícil”, disse.

Josias relatou que há dias em que Roberto apresenta um pouco de febre e em outros, não. O aposentado explicou que isso acontece porque o setor onde o irmão está internado faz muito frio. “Estamos na esperança de ele reagir”, afirmou Josias.

Já a parte neurológica não demonstra nenhuma evolução até o momento, informou a família. O aposentado contou que Roberto abre os olhos e escuta quando é chamado por alguém no quarto, porém não consegue reconhecer a pessoa nem interagir com ela.

Josias tem se revezado com outro irmão nas idas ao Rio de Janeiro para acompanhar Roberto no hospital. Embora a unidade onde o capixaba está internado seja pública, os irmãos precisam arcar com despesas de passagem, alimentação e hospedagem – eles não podem ficar no hospital, já que o organizador de excursões está no CTI e não pode ter acompanhante no setor.

Prisões

Três uruguaios suspeitos de terem agredido Roberto seguem presos preventivamente no Rio de Janeiro. A defesa dos torcedores entrou com pedido de habeas corpus, que foi negado por desembargadores do Tribunal de Justiça do Rio.

Na decisão, a relatora do pedido, a desembargadora Suemi Cavalieri, lembrou que Roberto foi atacado pelos três torcedores e outros suspeitos que não foram identificados, que usaram uma garrafa e cadeiras, além de terem dado chutes e socos, para agredir a vítima.

“Além disso, os réus possuem nacionalidade estrangeira, sendo certo que residem no Uruguai, sem qualquer vínculo com o Brasil. Nesse contexto, a custódia cautelar é medida necessária e imprescindível para garantir a aplicação de lei penal”, justificou a desembargadora em sua decisão.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados