Fabiana Tostes

Fabiana Tostes


Tesoura chega aos deputados

Após o decreto que suspendeu os convênios, deixando alguns prefeitos com o pires na mão, a tesoura afiada do governo Casagrande chega ao Orçamento e à Assembleia.

Não no repasse de recurso à Casa, que continua como o previsto, com reajuste de 2,5% mais as perdas inflacionárias – Orçamento da Ales será de R$ 380,6 milhões. Mas, corta o que tem poder de mexer com os ânimos e posturas dos deputados: a indicação de emendas parlamentares para suas bases, que cai de R$ 1,5 milhão para R$ 1 milhão.

Embora na coletiva de imprensa de apresentação da peça orçamentária os secretários de Planejamento e da Fazenda, Álvaro Duboc e Rogélio Pegoretti, tenham sinalizado que a redução foi acordada com os deputados, alguns procurados pela coluna apresentaram surpresa e reação negativa. Hoje eles se reúnem às 9h para ler o Orçamento e têm até 6ª para incluírem as emendas. A peça vai para a Comissão de Finanças hoje e a previsão é de votação no plenário na 2ª feira.

Corte no investimento

Embora houvesse uma expectativa de que os investimentos ficassem de fora dos cortes, o novo Orçamento apresenta redução de R$ 87,7 milhões em investimento e de R$ 121 milhões em operações de crédito, com relação à peça de Hartung.

Já o corte em gastos com pessoal é de R$ 212,8 milhões e o com custeio, de R$ 71,6 milhões.

Reunião e adequação

O secretário de Planejamento, Álvaro Duboc, se reúne hoje com todo o secretariado para discutir um racionamento das despesas tendo em vista o novo Orçamento e a necessária adequação. As prioridades de investimento de cada secretaria devem ser firmadas no Planejamento Estratégico do governo, previsto para acontecer entre abril e maio.

Iriny isolada

O ano legislativo nem começou, mas a deputada eleita Iriny Lopes (PT) já está isolada. Ela não participou de nenhuma reunião com os deputados novatos e, segundo um deles, nem chegou a ser convidada. Nesta legislatura o PT tem dois deputados, mas na próxima Iriny estará sozinha.

Aqui? Não!

O diretório municipal do PV se reuniu na semana passada e barrou a entrada do secretário de Meio Ambiente de Vitória, Luiz Emanuel Zouain (PPS), na sigla.

O secretário, que tem boa relação com PV nacional e estadual, procura abrigo já de olho em 2020, já que o PPS está inchado – são quatro vereadores na Casa. Porém, o PV de Vitória, que tem um vereador, considera o nome de Luiz Emanuel forte, o que tiraria a chance de eleger outros do partido.

Secretarias, comissões e comissionados em jogo

O grupo dos deputados novatos faz hoje mais um encontro e o apoio à reeleição de Erick Musso à presidência da Assembleia será colocado na mesa. Eles também reforçam que querem igualdade na divisão dos postos de comando, das comissões e dos cargos comissionados ligados à Mesa Diretora. “Sabemos que há deputados com 20 comissionados indicados. Queremos o mesmo tratamento”, disse um dos eleitos. Os novatos também querem a 1ª e a 2ª secretarias e o comando de oito das 16 comissões.

Galeria

Meio a meio

Na divisão das comissões permanentes da Assembleia, quatro são tidas como as mais importantes, são elas: Justiça, Finanças, Segurança e Cidadania. Os novatos querem presidir ao menos duas das quatro.

Nem um, nem outro

Não estão previstas exonerações no corte de R$ 212,8 milhões de pessoal, mas também não há reajuste.

De olho nas cadeias

Casagrande fez ontem a primeira reunião para a formação de um grupo de trabalho que vai pensar em alternativas para a questão prisional, tida como uma bomba-relógio pelo governo. O grupo conta com representantes da OAB e MP, entre outros.

Repasse menor

O Orçamento cortou R$ 10 milhões do previsto para o Cais das Artes.