Tecnologia nos distancia do amor e nos aproxima da violência

Celular… Essa maquininha veio com a promessa de aproximar as pessoas, mas está fazendo exatamente o contrário. Cada dia aumenta mais a distância entre os corações humanos. É na convivência com as pessoas que a gente aprende a amar, cresce e evolui. Se não existe a convivência, o amor não se desenvolve e o que sobra é essa violência que assusta todo mundo e parece já estar sem controle.

Por mais que os governos se esforcem para aumentar o policiamento, isso não vai resolver, porque a violência está nascendo é no coração das pessoas.

Para mudar a situação, será preciso promover uma grande reforma nos corações humanos. Será preciso restabelecer a convivência entre seres da mesma espécie para que o amor floresça e derrote a violência.

Não é a sociedade que muda, são os indivíduos. A mudança terá que vir de dentro para fora. Cada um de nós deve se conscientizar de que precisamos voltar a conviver como antes. É preciso olhar as pessoas nos olhos, ter mais tempo para as coisas essenciais da vida.

Tais como: visitar um amigo que não vemos há tempos, ouvir as pessoas sem pressa, acariciar o filho que está perdendo para as agendas sociais, dar mais atenção aos pais que já estão partindo, compreender mais o companheiro ou a companheira que fala em discutir a relação quando, na verdade, está suplicando por um pouquinho de amor.

O mundo está faminto de amor. A depressão, que aumenta sem parar, é a prova mais contundente da miséria espiritual em que o ser humano está mergulhado.

E a tecnologia tem muita responsabilidade nisso porque não está cumprindo o propósito inicial de diminuir a distância entre os seres humanos.

O que vemos hoje são pessoas isoladas, cada vez mais ansiosas, impacientes, raivosas, cada uma no seu quadradinho, querendo saber tudo do mundo e nada a respeito delas mesmas.

Conheço pais que sabem de cor as sandices do presidente dos Estados Unidos, mas não sabem qual é o sonho do filho que mora no quarto ao lado.

A violência cresce na proporção da nossa negligência com o que realmente importa nesta vida, que é o amor. Quanto mais praticarmos o amor, mais estaremos contribuindo para a derrocada da violência.

Com os olhos grudados no celular, indiferentes ao que acontece em nossa casa, na nossa família, estaremos fazendo exatamente o contrário: contribuindo para que a distância entre os corações humanos aumente, fazendo explodir os índices da violência.

Experimente passar um dia sem ligar o celular e vai se surpreender com a sua qualidade de vida.

Eu deixei de usar celular há 14 anos e minha vida mudou. Hoje amo melhor as pessoas, ouço-as com atenção, estou 100% em todas as ações. Vivo o aqui e o agora, larguei o passado no passado e não me preocupo nem um pouco com o futuro – sei que ele será o resultado das minhas ações agora no presente.

Conforme amamos, somos amados – é assim na lei da vida. Se você quer viver num mundo mais humano, precisa começar a construí-lo agora, de forma real, não virtual. Ou você assume a responsabilidade sobre o seu destino ou continuará assistindo à degradação da espécie humana, até que a violência bata na sua porta.

Cada um de nós é responsável pelo que acontece hoje no planeta, não adianta transferir essa responsabilidade para o poder público. Restabelecer a convivência entre os seres humanos é tática de sobrevivência, representa a nossa própria salvação.

Jane Mary é jornalista, consultora de marketing, autora do livro Tudo é perfeito do jeito que é


últimas dessa coluna


Cosmopolitismo e a ideia de mundo comum

O cosmopolitismo se funda na crença de que o mundo constitui uma grande pólis e que os seres humanos compartilham características essenciais que os unem, ou deveriam uni-los, em uma ordem global, que …


Mediação e arbitragem: boas práticas para o desenvolvimento

Em março, comemoramos o primeiro ano da Câmara de Conciliação, Mediação e Arbitragem Findes/Cindes. Um espaço alternativo para a solução de questões jurídicas e acesso à Justiça com mais celeridade, …


A liberdade e os Princípios de Bangalore de Conduta Judicial

Nós, brasileiros, temos um baixo apreço por uma distinção fundamental. Falemos sobre o conceito de liberdade e a ideia de direitos e deveres. Se tenho um direito, do outro lado existe um dever. …


Porque odiamos

A excitação raivosa faz sangrar os dias. O veneno verbal destempera com fel o sabor da vida. A indelicadeza onipresente esgarça com garras afiadas os véus do pudor, os laços da lealdade e as tramas …


A primeira fake news da República

Espalhar notícias falsas é uma maneira relativamente barata de se fazer uma guerra informacional para arruinar reputações ou celebrar virtudes aparentes. Os instrumentos de comunicação super-rápida …


Capixaba relata emoção da Paixão de Cristo em Nova Jerusalém

"A Paixão de Cristo", em Nova Jerusalém, Pernambuco, atrai multidão, que se emociona diante do grande espetáculo de fé. A encenação ocorre em um espaço que é considerado o maior Teatro ao ar livre do …


A prevenção que salva vidas

“Uma pessoa inteligente resolve um problema. Um sábio o previne.” Essa frase, atribuída ao físico alemão Albert Einstein (1874-1955) poderia ser adaptada para quaisquer tipos de atividades preventiva…


A militarização da segurança pública no Rio de Janeiro

A morte do músico Evaldo Rosa dos Santos, quando sua família seguia para um chá de bebê em um veículo que foi alvejado com 80 tiros disparados por membros do Exército, vitimando também seu sogro e um …


O problema do alcoolismo após a cirurgia bariátrica

Vivemos num mundo que vangloria a ditadura do ser magro, corpo definido dentre outros. Ao mesmo tempo vivemos na época do fast food, comida cheia de calorias que leva a obesidade. Buscam-se dietas …


Outro lado da reforma da Previdência é possível

A atual proposta de Reforma da Previdência, se aprovada, gerará economia. Contudo, causará também um imensurável impacto social negativo, pois afetará principalmente os mais pobres que, durante toda …