Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Suspeita de sarampo provoca vacinação em massa no Noroeste do Estado

Notícias

Saúde

Suspeita de sarampo provoca vacinação em massa no Noroeste do Estado


Vacina contra o sarampo é aplicada na rede pública (Foto: Arquivo / A Tribuna)
Vacina contra o sarampo é aplicada na rede pública (Foto: Arquivo / A Tribuna)

Uma vacinação de bloqueio do sarampo aconteceu durante toda a semana passada no município de Colatina, no Noroeste do Estado. O motivo da mobilização foi a visita de um turista de São Paulo, que apresentou sinais da doença após voltar para a cidade de origem no último mês.

De acordo com Danielle Grillo, coordenadora do Programa Estadual de Imunizações da Secretaria de Saúde do Espírito Santo (Sesa), o homem não demonstrou nenhum sinal da doença enquanto esteve na cidade. Ao retornar para São Paulo, apresentou manchas vermelhas na pele, sintoma indicativo da doença. Ao notar o ocorrido, a Secretaria de Saúde de São Paulo entrou em contato para que se desse início à vacinação de bloqueio na cidade capixaba.

A vacinação foi realizada em moradores de cinco quarteirões em Colatina. A localização deu-se pela proximidade com o local em que o doente teria ficado hospedado. A medida foi tomada em larga escala por conta do alto fator infeccioso da doença.

Ainda segundo Danielle, a pessoa acometida pela doença pode passar até seis dias infectada sem apresentar qualquer traço da doença.

Monitoramento no Estado

Segundo a Sesa, o monitoramento em relação ao sarampo é intenso no Estado e também no país. No ano passado, o Espírito Santo registrou 67 casos suspeitos da doença e em 2019, já foram reportados 24 suspeitas de sarampo. Apesar disso, todas os casos foram descartados laboratorialmente.

"Apesar de aparecem vários casos suspeitos da doença, há muitos anos não registramos sequer um caso de sarampo no nosso Estado", contou a coordenadora. Ainda segundo ela, a maior preocupação em questões de imunização é o público infantil, grupo mais vulnerável à doença. "A maior parte das pessoas infectadas tem menos de um ano e é desnutrida", completou.

A vacina tríplice viral, administrada para combater o sarampo, deve ser aplicada a pessoas de 01 a 49 anos de idade. A partir de 05 a 29 anos, devem ser administradas duas doses e pessoas de 30 a 49 anos devem receber uma dose. O último caso de sarampo registrado no Espírito Santo ocorreu no ano de 1999.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados