search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Surdez pode causar isolamento
Doutor João Responde

Surdez pode causar isolamento

A perda da audição causa um pesado infortúnio. Ela representa a ausência de um estímulo vital, o som da voz, que veicula a linguagem, agita os pensamentos e nos mantém conectados aos outros.

A comunicação humana é um bem de valor inestimável. Ouvir é o sentido que mais nos coloca dentro do mundo.

Costuma-se não perceber a importância da audição em nossas vidas, a não ser quando começa a faltar a nós próprios. A surdez, por ser um defeito invisível, não recebe da sociedade a mesma atenção que é dada aos portadores de outras deficiências.

O deficiente auditivo tende a se separar de outras pessoas, trazendo para si as consequências do isolamento.

A dificuldade maior ou menor que ele tem para ouvir e se comunicar depende do grau de surdez, que pode ser leve, moderada, severa e profunda.

Nas hipoacusias leves, o indivíduo informa que escuta bem, mas não entende o que certas pessoas falam. Mas, não basta somente ouvir. Para haver uma boa comunicação, temos que ouvir e compreender.

Nas perdas auditivas moderadas para severas, os sons podem ficar distorcidos e, na conversação, as palavras se tornam abafadas e custosas para entender, principalmente quando as pessoas estão conversando em locais com ruído ambiental.

Nos graus profundos de surdez, resta apenas um resíduo de audição. O deficiente ouve apenas sons intensos ou percebe somente vibrações.

Existem várias situações que podem causar surdez. O bloqueio no mecanismo que conduz o som desde o canal auditivo até o estribo gera perda auditiva por condução.

Acúmulo de cera no ouvido, perfuração do tímpano, infecção no ouvido médio, lesão e fixação dos ossos martelo, bigorna e estribo, e endurecimento da cóclea, são alguns exemplos.

A surdez neurosensorial é aquela provocada por alterações no mecanismo de percepção do som desde o ouvido interno até o cérebro. Ruídos intensos costumam causar esse tipo de perda auditiva.
Intensidades de som acima de 80 decibéis podem causar perdas auditivas induzidas pelo ruído.

As lesões no ouvido interno ocorrem após exposições simples ou prolongadas ao ruído.

Além de certos medicamentos e infecções bacterianas e virais, a idade avançada também compromete a audição. Denominada presbiacusia, é uma ocorrência quase habitual nos idosos.

A deficiência auditiva abrange cerca de 30 por cento nas pessoas acima de 65 anos. Esse tipo de surdez provavelmente resulta de uma combinação de vulnerabilidade genética e doenças ou distúrbios metabólicos, como diabetes, por exemplo.

É um processo degenerativo de células sensoriais do ouvido interno e fibras nervosas que se conectam com o cérebro.

Define-se surdez congênita quando a pessoa nasce surda, tendo causas genética ou embrionária.

Entre os fatores intrauterinos mais frequentes estão à rubéola, sífilis, toxoplasmose e herpes genital.

O isolamento e a fuga dos confrontos com o mundo exterior talvez tenha, de algum modo, favorecido o talento e a genialidade musical de Ludwig van Beethoven.

Sublimando a surdez, esse artista vivia internamente o seu mundo feito de imagens sonoras, o levando a um nível de puro pensamento que, em se escutando suas obras, se pode presumir.

Tudo leva a crer que, graças a esta inevitável solidão, Beethoven alcançou gradualmente uma linguagem musical cheia de emoções, abstraída de seu isolamento, que, provavelmente, nunca teria conseguido em condições físicas normais.

Sua surdez acabou sendo uma das principais colaboradoras de sua genial obra. A música mais perfeita da história foi composta por um homem surdo.

Calaram-se para Beethoven os sons da terra a fim de que, no meio do silêncio, ele pudesse captar as harmonias do céu.

 


últimas dessa coluna


Exclusivo
Doutor João Responde

Baço, um órgão pouco lembrado

A designação desse órgão abdominal originou-se pelo fato dele ser embaçado, não se deixando ser atravessado pela luz. O baço sempre constituiu um desafio à curiosidade dos investigadores que …


Exclusivo
Doutor João Responde

Nossa memória imunológica

Quase ninguém se recorda da última vez em que ficou doente por conta de uma infecção microbiana, mas o sistema imune lembra bem desse momento da vida, assim como de vários outros anteriores. …


Exclusivo
Doutor João Responde

Esses malditos vírus

Nada garante a saúde permanente do ser humano. Por mais que a vida seja protegida, nada assegura a manutenção da tranquilidade do amanhã. Por esse motivo, a ciência toma conclusões como verdades …


Exclusivo
Doutor João Responde

Maconha não é droga inofensiva

Quando aquele jovem apareceu no consultório, eu já sabia boa parte da história que ele iria me contar. Preocupada, sua mãe havia ligado antes, me passando algumas informações a seu respeito. …


Exclusivo
Doutor João Responde

Minha vesícula encheu de pedras

Semanas após ter sido encaminhada para extrair a vesícula biliar, a paciente retornou ao meu consultório. Satisfeita, ela afirmou: “Minha cirurgia foi um sucesso, doutor”. Nada lembrava a …


Exclusivo
Doutor João Responde

Estou magro, mas sou gordo

Doze meses após se consultar comigo, o paciente reapareceu. Lembro-me quando ele chegou pela primeira vez. Lá estava, diante de mim, um adiposo jovem, carregando lipídios, complexos e desânimo. …


Exclusivo
Doutor João Responde

Idoso não deve morar sozinho

Amparado pelas filhas, um senhor de idade avançada entrou na minha sala e, com certa dificuldade, sentou-se na cadeira. Eu perguntei: O que posso fazer pelo senhor? Como ele se manteve silencios…


Exclusivo
Doutor João Responde

Ainda bem que envelhecer não dói

Agora que meu espírito amadureceu, meu corpo começou a envelhecer, lastimou um grisalho senhor. É verdade. A vida é curta, os sonhos são fugazes, as crises são duradouras, as decisões são difíceis, …


Exclusivo
Doutor João Responde

Como não enjoar navegando no mar

Minha pergunta é bastante objetiva, expôs um paciente ao entrar no meu consultório: Existe algo que eu possa fazer para evitar o vexame de correr em direção à amurada da embarcação e “deitar cargas …


Exclusivo
Doutor João Responde

Doença como forma de protesto

Quando aquele casal entrou no consultório, eu não imaginava que os sintomas, descritos por ambos, revelavam uma linguagem cifrada para um se queixar do outro. Mal iniciei a consulta do marido, a …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados