Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Suicídio: coragem ou covardia?
Doutor João Responde

Suicídio: coragem ou covardia?

Em algum momento na vida, todos já flertamos com a morte. Se não desejamos nos matar, ao menos cogitamos morrer para escapar do sofrimento, para chamar a atenção ou para entrar na história. O ser humano tem sombras que o compõem.

Todavia, continuar vivo e melhorar as condições existenciais sempre falam mais alto. Dentro da lógica, o suicídio soa como um ato desatinado.
Esse impactante fenômeno configura um assassinato, em que vítima e agressor são a mesma pessoa.

O fato de estar consciente de que vai efetuar um ato suicida não elimina o estado de confusão mental que o indivíduo experimenta momentos antes da ação. O suicida não sabe se quer morrer ou viver, se quer dormir ou ficar acordado. Ele deseja fugir da dor.

O suicídio ocorreria num instante em que a pessoa se encontra fragmentada, com os mecanismos de defesa do ego abalados e, por isso, livre para atacar a si mesma.

Existem casos em que o indivíduo demonstra evidente intenção de morrer, optando por um método eficiente. Em outras ocorrências, a vontade de morrer é tênue, apesar de voluntária, e o método escolhido é pouco prejudicial. Na primeira situação, trata-se de um suicídio propriamente dito.

No segundo caso, a pessoa só está pedindo socorro, implorando para ser resgatada. Quem comete suicídio não quer matar a vida, mas o sofrimento dentro dela.

Ricos, pobres, sábios, estúpidos, cultos, néscios, todos são susceptíveis de cometerem suicídio. Basta lembrar a frequência da solidão, sentimento associado com depressão emocional.

Tristeza, isolamento e perda do prazer em coisas que davam satisfação anteriormente são manifestações de baixa autoestima, esse perigoso estopim suicida.

Quando o desespero beira o insuportável, o sofrimento se torna um fardo pesado e angustiante, a dor parece incomunicável e ninguém parece escutar ou compreender a tristeza sentida, a vida perde o sentido. O mundo ao redor fica insosso.

Nesse momento o suicida em potencial corteja com a possibilidade de fechar os olhos e acordar num mundo diferente, no qual suas necessidades sejam saciadas, ignorando que a morte não é um passaporte garantido para uma nova vida.

Ainda bem que, na maioria das pessoas, esses impulsos se reorganizam. Suas experiências cotidianas passam a fazer sentido novamente e elas conseguem restabelecer a autoconfiança, buscando uma saída, procurando apoio, encontrando compreensão. O desejo autodestrutivo acaba se diluindo, fazendo o indivíduo seguir adiante.

Imperscrutável, o suicídio não tem explicações lógicas. Motivo de vergonha ou de condenação, sinônimo de loucura, ele agride, estarrece e silencia.

Por trás dessa violência autodirigida existe uma combinação de fatores biológicos, emocionais, socioculturais, filosóficos e religiosos, que podem culminar numa manifestação exacerbada contra si mesmo.

Perda de emprego, fracasso amoroso, morte de ente querido, são os motivos mais comuns, diagnosticados através da biópsia psicológica da vítima.
Indivíduos com alteração no metabolismo da serotonina apresentam maior risco de suicídio que os demais.

Quanto maior a intencionalidade suicida e mais letal o método usado, menor a função cerebral da serotonina, esse neurotransmissor que inibe o comportamento violento, agressivo e impulsivo.
Argumenta-se que muita gente se vê em situações de grande desespero ou solidão existencial e, mesmo assim, não comete suicídio. Na verdade, não existe uma personalidade suicida, mas uma vulnerabilidade emocional. Suicídio é um ato de linguagem e comunicação.

Muitas vezes o sofrimento torna-se tão penoso que nos priva até da coragem de acabar com ele, afastando-nos do suicídio.


últimas dessa coluna


Exclusivo
Doutor João Responde

Rachaduras nos pés

A saúde dos pés implica condição fundamental para o movimento e o equilíbrio do corpo humano. Os pés, além de manter o corpo em posição bípede, peculiaridade sobre a qual o homem desenvolve sua …


Exclusivo
Doutor João Responde

Dê um tempo para um osso quebrado

“Em quanto tempo minha fratura estará consolidada?” Certamente esta é uma pergunta muito comum na ortopedia, mas que não pode ser respondida de uma única maneira. Fraturas em crianças têm …


Exclusivo
Doutor João Responde

Causas de inchaço nas pernas

Quando falamos de “edema”, a primeira coisa que devemos levar em conta é que essa inchação não se trata de diagnóstico, mas de um sinal, uma alteração fisiológica que implica a presença de fluidos …


Exclusivo
Doutor João Responde

Importância da dor para a preservação da vida humana

Saúde e doença saem de um tronco único, visto que têm uma só e mesma base: a dor de crescer. Dor é uma experiência sensorial desagradável associada com lesão tecidual real ou potencial, refletindo a …


Exclusivo
Doutor João Responde

Doenças exantemáticas

Dezembro de 1978. Após frutificante período de faculdade, eu terminava o curso de Medicina. Durante as festividades de formatura, amanheci febril e com o corpo todo pintado de vermelho. Como …


Exclusivo
Doutor João Responde

Herpes-zóster, esse filho da catapora

Varicela é uma virose que afeta a criança e o adolescente, cujo nome foi criado para assustá-los na hora do médico informar que se trata da conhecida catapora. No primeiro dia de infecção, o vírus se …


Exclusivo
Doutor João Responde

Envelhecer é um privilégio

Velho não é sinônimo de imprestável. Ao contrário, alcançar os últimos degraus da idade pode trazer consigo um grande acúmulo de sabedoria. O que seria do mundo presente se não houvesse as lembranças …


Exclusivo
Doutor João Responde

Boqueira, essa incômoda feridinha

Queilite angular, chamada popularmente de boqueira, é um pequeno machucado doloroso que ocorre no canto da boca. Trata-se de uma dermatose comum, caracterizada por fissura e inflamação no ângulo dos …


Exclusivo
Doutor João Responde

Arroto: um sintoma mal-educado?

Para os árabes, arrotar depois da refeição é sinal de que o convidado apreciou o prato. Em nosso País, isso caracteriza falta de educação. Para o corpo, eructar é a maneira que o estômago encontra …


Exclusivo
Doutor João Responde

A prazerosa fome do apetite

O mais saboroso alimento depende da fome. O mais prazeroso prato depende do apetite. Dizem que beleza não se põe em mesa. Concordo, mas confesso que ela abre o apetite. Quando sentimos vontade …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados