Strongyloides Stercoralis

Infância é uma época susceptível de contrair verminoses. Em função disso, a criança vive cercada de cuidados e orientações. Para albergar parasitos nem é preciso descuidar da higiene.

Basta pegar numa maçaneta e colocar as mãos nos lábios, e o verme, que ali habita, viajará para o intestino do novo hospedeiro.

Alheio ao dano que o estrangeiro possa causar em suas defesas imunológicas, a pequena vítima apenas torce para que o vermífugo não tenha gosto ruim.

Vermes são sempre lembrados como causadores de inflamações, obstruções, hipovitaminoses e desnutrição.

Pacientes acometidos por verminoses, na maioria das vezes, respondem aos tratamentos disponíveis. A exceção fica por conta do Strongyloides stercoralis, nematoide oportunista capaz de complicar o precário equilíbrio do indivíduo imunodeprimido.

Este helminto habita no intestino delgado dos indivíduos infectados, não produzindo danos relevantes nos pacientes com sistema imunológico sadio.

A infecção humana ocorre quando há penetração na pele por larvas de Strongyloides stercoralis, geralmente por contato direto com o solo contaminado por fezes humanas.

Andar descalço é um dos fatores de risco mais importantes para se contaminar.

Além da invasão da pele, a parasitose também pode ser adquirida pela via oral, através da ingestão de água contaminada ou quando a pessoa ingere alimentos preparados por mãos infectadas, não adequadamente lavadas após uma evacuação.

Após a penetração na pele, as larvas migram para os pulmões, sendo inconscientemente engolidas pela vítima ao chegarem próximos à faringe, caindo no sistema gastrointestinal.

Quando alcançam o intestino delgado, elas amadurecem e evoluem exclusivamente para a forma de fêmeas adultas, produzindo ovos e liberando novas larvas dentro dos intestinos.

Estas larvas são excretadas com as fezes, reiniciando o ciclo de transmissão do verme.

As larvas lançadas ao ambiente junto com as fezes podem contaminar outras pessoas ou evoluir para vida adulta no meio ambiente, tornando-se, dessa vez, macho ou fêmea.

O Strongyloides stercoralis é o único helminto capaz de completar seu ciclo de vida dentro do hospedeiro. Nem todas as larvas nascidas no intestino serão excretadas nas fezes.

Algumas delas conseguem penetrar na mucosa do cólon ou na pele da região perianal e retornar à circulação sanguínea, partindo em direção aos pulmões.

A estrongiloidíase disseminada é aquela que o verme consegue acometer órgãos além do intestino, como o sistema nervoso central, coração, trato urinário, glândulas, etc.

A maioria dos pacientes infectados pelo Strongyloides stercoralis não apresenta sintomas relevantes. Em alguns casos, a única pista para a verminose é um aumento do número de eosinófilos detectados no hemograma.

Quando existem sintomas, os mais comuns são dor abdominal, náuseas, vômitos, diarreia e perda do apetite.

Lesões na pele no local da penetração das larvas também é um achado comum. São pequenas inflamações que coçam bastante.

Em alguns casos, as lesões têm forma de serpente, evidenciando o caminho de migração da larva sob a pele.

Sintomas respiratórios também podem surgir durante a fase de migração das larvas pelos pulmões. Tosse, garganta irritada, falta de ar, febre e até expectoração sanguinolenta, são alguns dos sintomas possíveis.

Os quadros severos costumam ocorrer em pacientes com sistema imunológico debilitado. Nestas situações, o parasito pode favorecer a ocorrência de infecções generalizadas por bactérias naturais que habitam no intestino, tornando a mortalidade alta.

Saúde é o quartel onde reside o sistema imunológico, esse guardião que se nutre de higiene.

João Evangelista Teixeira Lima é gastroenterologista e clínico geral


últimas dessa coluna


“Abracadabra, que a doença seja debelada”

Escutar, examinar, solicitar exames, diagnosticar, explicar e tratar. Eu exerço esses ofícios há 40 anos. Procuro caprichar na informação, pois comunicação não é o que se fala, mas o que o outro …


Nem sempre dominamos o nosso corpo

Quando criança, eu costumava prestar atenção em minha respiração. O resultado era sempre uma sensação de cansaço, causado pelo trabalho dos músculos acostumados a respirar por conta própria. O …


O tempo nem sempre é um aliado

Um indivíduo apaixonado clama pela permanência do tempo. Uma pessoa deprimida suplica pela passagem do tempo. Dentro da medicina, o tempo é usado para curar, como acontece, por exemplo, durante um …


A dor que não pertence ao corpo

“A dor do outro é sempre menor que a nossa”. Nem sempre isso é verdade. Existe dor que não mais nos pertence, mas ainda nos aflige. Ela costuma residir num membro fantasma. Quando removido ou …


Álcool não aduba felicidade

Após atravessar o aparelho digestivo e cair na corrente sanguínea, o álcool atinge o cérebro. Ao transformar o córtex cerebral em salão de festa, ele deixa o bebedor desinibido e falante. Sentindo-se …


Suicídio: coragem ou covardia?

Em algum momento na vida, todos já flertamos com a morte. Se não desejamos nos matar, ao menos cogitamos morrer para escapar do sofrimento, para chamar a atenção ou para entrar na história. O ser …


É preciso atenção com as ínguas

Íngua é o aumento dos gânglios linfáticos, aparecendo como consequência de alguma inflamação na região acometida, podendo ou não vir acompanhada de dor. Quando expostos a bactérias ou vírus, a …


Os efeitos colaterais da paixão

Amo mais que a ti, ao meu amor por ti”, diz o poeta. Não seria esta declaração de amor, na verdade, uma confissão de paixão? Estar apaixonado é adoecer por alguém. Apesar da inebriante sensação …


O ninho da alma

Quando eu era acadêmico de Medicina, durante uma aula de Anatomia, segurando um cérebro na mão, meu professor perguntou se alguém sabia onde ficava a casa da alma. Como ninguém respondeu, ele …


Hérnia hiatal nem sempre é doença

O diafragma é um músculo responsável pela respiração humana. Ele está localizado na transição do tórax com o abdômen, separando essas duas cavidades corporais. Nessa estrutura muscular existe um …