Sobre paternidade e machismo

As expressões “machismo” e “feminismo” são, não poucas vezes, confundidas como se fossem antagônicas, antitéticas. Mas não são. O machismo é uma construção cultural que entroniza a figura masculina como central na sociedade.

Trata-se de um modo de viver em que preponderam a palavra, o interesse e a autoridade do homem, a começar, é claro, pela estrutura patriarcal familiar. Por sua vez, o feminismo não é o movimento contrário, que visa à supremacia da mulher, mas significa o conjunto de ideias e ações que tem por objetivo a igualdade entre os gêneros, o tratamento isonômico entre mulheres e homens. Logo, o feminismo defende a paridade de consideração e a equidade de oportunidade entre os gêneros.

Esclarecida tal diferença básica, é preciso reconhecer que existem vertentes derivadas do feminismo que têm em vista a sobreposição das mulheres em relação aos homens, conhecidas como ultrafeminismo ou feminismo radical. Se o machismo é absolutamente condenável, decerto o radicalismo oposto também não é digno de elogio. Pois bem.

Nas últimas décadas, as mulheres alcançaram patamares razoáveis de inserção no mercado de trabalho e nas posições de poder. Entretanto, os homens ainda detêm as condições socioeconômicas mais favoráveis – basta analisar, p.ex., as diferenças salariais entre homens e mulheres, além dos níveis de violência daqueles em relação a estas. Verifica-se, então, que a real isonomia, propósito maior do feminismo, ainda é uma meta distante.

Há muitas teorias que apontam o caminho para a igualdade. Uma das mais aceitas é a que defende o plantio dessa semente nas jovens gerações, de modo que novos frutos sejam colhidos dentro de alguns anos. Significa dizer que a forma como as crianças de hoje são criadas é capaz de tornar a sociedade de amanhã mais inclusiva e menos discriminatória. Os primeiros passos dessa caminhada são a conscientização e a assunção das responsabilidades inerentes à paternidade. Ser pai não pode ser meramente contribuir para a reprodução da espécie. Ser pai não pode ser apenas “colocar dinheiro” em casa. Ser pai não poder ser representar uma figura austera e emocionalmente distante da família.

Nós, homens, pela conformação machista da sociedade, que condiciona nossos pensamentos e atitudes, ainda que não queiramos, em muitos momentos, sentimos receio de “baixar a guarda”, de nos aproximarmos afetivamente dos filhos e de assumirmos tarefas tradicionalmente cumpridas pelas mulheres.

A paternidade ativa, que compreende e pratica a divisão consensual das atribuições de cuidados com a casa e com os filhos, contribui para que as crianças, meninas e meninos, cresçam com o exemplo de que pai e mãe podem, de igual maneira, trabalhar, zelar pela casa, envolver-se diretamente com a educação e a criação dos filhos, tudo na medida do que for combinado. Corresponsabilidade!

O pai não ajuda nas tarefas da mãe, mas divide tarefas com ela. Porque ambos possuem as mesmas capacidades e responsabilidades. Assim, a figura masculina abre mão de sua centralidade na família e, tão logo, na sociedade (vai doer um pouco, eu sei, mas é necessário), cedendo espaço à figura feminina e igualando-se a esta na partilha dos cuidados familiares e domésticos. As meninas e os meninos oriundos desse modelo familiar certamente crescerão percebendo-se com mais equidade e desenharão, no porvir, um contexto social menos excludente e mais igualitário.

Carlos Fonseca é magistrado e escritor


últimas dessa coluna


Jogos eletrônicos não são mais sinônimo de sedentarismo

A mãe pergunta à filha como foi o dia de aula, e a menina responde que passou a maior parte do dia disputando jogos eletrônicos. Surpresa, a mãe já se prepara para ligar para a escola e perguntar que …


A influência das mídias sociais sobre as decisões políticas

Estamos observando, no Brasil e em outras partes do mundo, o povo se reunindo através das redes digitais com o objetivo de influenciar as decisões políticas. Será que as principais decisões serão …


O Moscoso não morreu e nem morrerá por causa da violência

O fato ocorrido no dia 15 de janeiro, quando três vidas foram ceifadas de forma brutal, na divisa do bairro Piedade, mesmo em se tratando de um ato isolado, nos causou indignação. Mas foi inaceitável …


A lei e a quebra de contrato na compra de imóveis na planta

Quase no apagar das luzes do ano de 2018, na última sexta-feira, dia 28 de dezembro, foi publicada a Lei Federal nº 13.786, que visa regulamentar a resolução por inadimplemento de contratos de …


Telemedicina traz ganhos, mas não é remédio para todos os males

A divulgação da Resolução nº 2.227/18, do Conselho Federal de Medicina (CFM), que estabelece critérios para prática da telemedicina no Brasil, provocou um grande debate sobre o tema, durante o qual …


Será um desserviço ao País desmantelar aquilo que dá certo

Atualmente, o sistema cooperativista tem sido bastante evidenciado pelo seu constante crescimento e pela sua participação no combate à exclusão social, valorizando o homem pelo que ele é, tornando-o …


A importância do planejamento para se saber aonde quer chegar

Ao receber a resposta de Alice, que diz não saber para onde quer ir, uma vez que estaria perdida, o Gato é enfático: “Para quem não sabe onde quer ir, qualquer caminho serve”. O trecho da história …


Ferida emocional e baixa fé religiosa põem vidas em risco

Revista de circulação nacional diz que acontece um suicídio no mundo a cada 40 segundos. No Brasil, a cada 45 minutos. E em Vitória? Não sabemos, pois a mídia, com a sábia intenção de não incentivar, …


Pacote anticrime de Moro é bom, mas peca em alguns pontos

O ministro Sérgio Moro divulgou as primeiras medidas concebidas para o enfrentamento da criminalidade. Sob o impacto inicial das soluções apontadas, várias análises foram feitas logo após sua …


É direito de alunos terem acesso às informações de seus cursos

Há quase quatro anos, A Tribuna publicou neste mesmo espaço um artigo em que eu falava sobre o Exame de Ordem e o direito à informação. Citei o Projeto de Lei 214/2015, proposto pelo então deputado …