search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Simbiose X Liberdade
Regina Navarro Lins
Regina Navarro Lins

Regina Navarro Lins


Simbiose X Liberdade

Na fusão com a mãe no útero, experimentamos a sensação de plenitude, bruscamente interrompida com o nascimento. A partir daí, o anseio amoroso parece ser o de recuperar a harmonia perdida. A criança, então, dirige intensamente para a mãe sua busca de aconchego.

Alguém que me “complete”

No Ocidente aprendemos que, na vida adulta, somente através do convívio amoroso com outra pessoa nos sentiremos completos. Quem, além do ser amado, pode suprir nossas carências e nos tornar inteiros? Aí é que entra o amor romântico, que promete o encontro de almas e a fusão dos amantes, acenando com a possibilidade de transformar dois em um só, da mesma forma que na fusão original com a mãe.

As necessidades da infância

O único problema é que tudo não passa de uma ilusão. Na realidade, ninguém completa ninguém. Mas, ignorando isso, reeditamos inconscientemente com o parceiro nossas necessidades infantis. O outro se torna tão indispensável para nossa sobrevivência emocional, que a possessividade e o cerceamento da liberdade sobrecarregam a relação. Por mais encantamento e exaltação que o amor romântico cause num primeiro momento, ele se torna opressivo por se opor à nossa individualidade.

Grande conflito

O grande conflito no amor hoje se situa entre o desejo de simbiose – ficar fechado na relação com o outro – e o desejo de liberdade. E este último parece predominar.


Alfred Kinsey

Ao observar o ser humano como objeto da ciência, Kinsey foi rigoroso. Seu primeiro projeto era ouvir 100 mil pessoas num estudo de 20 anos de duração. Fez a proposta à universidade em que trabalhava e com o dinheiro da Fundação Rockefeller criou o Instituto de Pesquisas Sexuais.

Espiões

O “Comportamento Sexual do Homem” reuniu 1.800 entrevistas e chegou às livrarias em 1948. Kinsey teve a má sorte de estar escancarando os hábitos da América num momento em que uma das mais nefastas figuras da história dos EUA estava em plena atividade. Trata-se do senador MaCarthy, um político fanático que, aproveitando o confronto entre as ideologias no pós-guerra, reunira 60 mil voluntários para espionar atividades relacionadas a sexo, comunismo e outras, por ele, consideradas suspeitas.

Vício e virtude

“O vício e a virtude se revezam incessantemente, marcando, cada um por sua vez, um século, uma década ou um curto período até os anos 1960, a partir dos quais a emancipação sexual das mulheres e o irresistível avanço de uma aspiração à felicidade imediata anunciam amplas mudanças, até mesmo uma revolução”, conclui o historiador Robert Muchembled.

Ciúme é prova de amor?

Há pessoas que se sentem lisonjeadas com qualquer manifestação de ciúme do outro e alimentam essa atitude por confundi-la com prova de amor. É comum se acreditar que sem ciúme não existe amor. Essa é mais uma daquelas afirmações que as pessoas repetem, sem nem saber bem por quê. Por ciúme se aceitam os mais variados tipos de violência contra o outro, sempre justificados em nome do amor, claro. Entretanto, penso que qualquer atitude ciumenta é um desrespeito à liberdade do outro.

Ideal masculino

No Ocidente, onde os rituais de iniciação não são claramente definidos, a masculinidade necessita ser provada durante toda a vida de um homem, sempre havendo o risco de se ver diminuído ao nível de condição feminina. Para corresponder ao ideal masculino da nossa cultura, o homem tem que rejeitar uma parte de si mesmo, lutando para não se entregar à passividade e à fraqueza.

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Regina Navarro Lins

Perigosa atração

Na História encontramos muitos exemplos de mulheres fatais. A primeira e a mais competente de que se tem notícia parece ter sido mesmo Eva. Ao tentar Adão, teria provocado a desgraça, não só para …


Exclusivo
Regina Navarro Lins

Por que há mulheres que suportam a violência doméstica?

Não há necessidade do uso da força para subjugar o outro; meios sutis, repetitivos, velados, ambíguos podem ser empregados com igual eficácia. Atos ou palavras desse tipo são muitas vezes mais …


Exclusivo
Regina Navarro Lins

O corpo

O corpo O culto do corpo da Antiguidade (4000 a.C. a 476 d.C) cede lugar, na Idade Média (séculos V ao XV), a uma derrocada do corpo na vida social. Para gregos e romanos, o nu masculino era …


Exclusivo
Regina Navarro Lins

O amor em cada época se apresenta de uma forma

É comum se pensar no amor como se ele nunca mudasse. Mas a forma que amamos é construída socialmente, e em cada época e lugar se apresenta de um jeito. Crenças, valores e expectativas determinam a …


Exclusivo
Regina Navarro Lins

Briga de casal

Devido ao descompasso entre o que se esperava da vida a dois e a realidade, as frustrações vão se acumulando e, de forma inconsciente, gerando ódio. Mas até chegar a esse ponto, o casal se esforça …


Exclusivo
Regina Navarro Lins

Medo de amar

Os romanos desenvolveram a ideia de prudência, de lutar contra o amor, visando evitar o sofrimento do amor. Para o poeta-filósofo Lucrecio, o amor sexual apaixonado devia ser cuidadosamente evitado: …


Exclusivo
Regina Navarro Lins

Conhece alguém que nunca viveu uma grande paixão?

Você conhece alguém que nunca se apaixonou? É raro. Nós todos aprendemos, desde cedo, a desejar viver uma paixão. Mas é um sentimento tão forte e invasivo, que pode levar a pessoa a ignorar suas …


Exclusivo
Regina Navarro Lins

Obcecados pelo amor

Nunca houve na História um período em que tanta gente considerasse o amor tão importante, nem pensasse tanto em amor, nem usasse tantas palavras para expressá-lo, como no século XX. As pessoas estão …


Exclusivo
Regina Navarro Lins

Os segredos do sexo

Um manual escrito em 1720, com “os segredos do sexo”, banido na época, foi a leilão no Reino Unido. O autor, desconhecido, usava o pseudônimo de Aristóteles e oferecia várias recomendações aos …


Exclusivo
Regina Navarro Lins

O aprendizado no sexo

Desde que trabalhos de grande repercussão como os de Alfred Kinsey e Masters & Johnson foram publicados, na metade do século XX, o sexo passou a ser discutido cada vez mais abertamente. O …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados