Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Setembro Amarelo e a prevenção de morte de negros
Tribuna Livre

Setembro Amarelo e a prevenção de morte de negros

Setembro Amarelo é uma campanha brasileira de prevenção ao suicídio, iniciada em 2015. É uma iniciativa do Centro de Valorização da Vida. Segundo o Ministério da Saúde, a cada dez jovens de 10 a 29 anos que cometem suicídio, seis são negros. O risco na faixa etária de 10 a 29 anos foi 45% maior entre jovens que se declaram pretos e pardos do que entre brancos no ano de 2016.

A diferença é ainda mais relevante entre os jovens e adolescentes negros do sexo masculino: a chance de suicídio é 50% maior neste grupo do que entre brancos na mesma faixa etária. A cartilha “Óbitos por Suicídio entre Adolescentes e Jovens Negros”, lançada pelo Ministério da Saúde, mostra, por exemplo, que entre 2012 e 2016, o número de casos com pessoas brancas permaneceu estável, enquanto o das negras aumentou 12%.

Falar sobre racismo e pensar a população negra é de extrema importância. Não se trata de vitimismo, muito menos de “frescura”, como tem sido dito. O alto índice de suicídio entre jovens na população negra mostra que esses casos estão ligados ao racismo estrutural do nosso do dia a dia.

O racismo estrutural é aquele enraizado na sociedade desde a chegada dos primeiros negros no país. Observando os dados, vemos a vulnerabilidade dessas pessoas frente às questões com alto nível de sofrimento psicológico.

A população negra é maior em relação à população branca do país, mas também sabemos que é a mais pobre e com salários, na grande maioria, menores. Morar em regiões mais pobres e ainda com alto índice de violência são fatores que afetam a saúde mental.

Quem não viu ou nunca viu crianças e jovens em suas escolas  “estudando” agachados ou se protegendo deitados no chão até com um professor cantando, para que abafasse sons de tiros? Violência, pobreza e alta marginalização contra essas pessoas são questões que as privam de possibilidades de melhorias e de vislumbrar dias melhores. Esses podem ser gatilhos para questões de saúde mental.

Quando falamos que não é vitimismo, estamos tratando de racismo. Muitas pessoas questionam por que olhamos para o jovem negro. Na verdade, o cuidado é com a saúde mental da população negra. 

Qual seria o motivo desse jovem não ser levado a sério? Ele tem alguma diferença para que não seja levado a sério ao falar sobre saúde mental? Não é um direito também querer prezar e pedir auxílio?

Falar sobre a saúde mental desse jovem é de extrema importância, pois as maiores causas de suicídio ligados à população negra são, por exemplo, rejeição, maus tratos, violência, abuso, sensação de não pertencimento e isolamento social.

Não invalidar a dor da população negra é urgente. Precisamos validar e acolher essas pessoas. Infelizmente, por conta de um discurso, pensamento e Academias colonizadas, acabamos negligenciando sua integralidade como ser. 

Por isso, devemos estar atentos a todos os jovens que falam sobe isso e não achar que é “frescura” ou “mimimi”. Depressão, ansiedade e suicídio não são brincadeira.

Quando alguém fala sobre isso, ouça e aconselhe a procurar um psiquiatra ou psicólogo. Mostre empatia ao que ele sente. Não invalide a dor.

Lívia Marques é psicóloga clínica, MBA em Gestão de Pessoas, especializada em Terapia Cognitiva Comportamental.

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Tribuna Livre

A tecnologia é capaz de unir as famílias?

A geração dos nativos digitais já vem com o know how tecnológico como item de fábrica. Muitos estudos indicam que até a agilidade que as crianças de hoje possuem nos dedos é maior do que nós jamais …


Exclusivo
Tribuna Livre

A eficiência policial através dos números

Muito se discute, quase sempre de maneira extremamente superficial, a eficiência das forças públicas de segurança em nosso País. O debate traz a reboque questões de formação, qualificação e desvios …


Exclusivo
Tribuna Livre

O professor, o seu papel e as mudanças nos dias atuais

A docência é mais que uma profissão, é uma vocação: é um sacerdócio. O profissional da educação sabe que sua missão vai além de “educar a criança no caminho em que deve andar...”, mas de contribuir …


Exclusivo
Tribuna Livre

Elogio é uma carícia que se faz na alma

Elogie uma pessoa com absoluta sinceridade e perceba o que acontece diante de você. Imediatamente ela muda o ritmo da respiração e solta um sorriso, acompanhado de um leve suspiro. Esse é um claro …


Exclusivo
Tribuna Livre

Considerações sobre a Lava a Jato

Ultimamente temos presenciado um Brasil marcado por uma radical polarização. As duas últimas eleições presidenciais serviram para acirrar ainda mais a divisão do país, deixando clara a existência de …


Exclusivo
Tribuna Livre

Partidos políticos: máquinas de triturar mulheres

Nas eleições presidenciais do ano passado. Dentre 13 candidatos, havia apenas uma mulher na disputa direta pela Presidência da Republica, a ex-deputada federal Marina Silva (Rede), que saiu da …


Exclusivo
Tribuna Livre

Uma lei para conter abusos

Será que realmente é necessário existir um dispositivo legal obrigando o servidor público a atender um cidadão? Ora, não é o servidor público um trabalhador cuja a sua existência e função principal …


Exclusivo
Tribuna Livre

Mercantilização do ensino e trabalho docente

Este é um momento propício para se abordar a expansão desordenada do ensino superior privado brasileiro e suas implicações nas políticas curriculares, bem como no cotidiano do trabalho docente. …


Exclusivo
Tribuna Livre

O novo papel da escola no universo dos nativos digitais

Vivemos o boom da evolução tecnológica. Possibilidades se apresentam e novos caminhos são trilhados. As facilidades se mostram e se conectam em apenas um clique, principalmente nos últimos 20 anos. …


Exclusivo
Tribuna Livre

Universidade 2020 e a batuta feminina

Prezados leitores, lembro-me que na infância ajudando meu pai em sua mercearia, um dos frequentadores do vício da bebida teve um ataque cardíaco fulminante. Dias depois apareceu no estabelecimento a …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados