Será um desserviço ao País desmantelar aquilo que dá certo

Atualmente, o sistema cooperativista tem sido bastante evidenciado pelo seu constante crescimento e pela sua participação no combate à exclusão social, valorizando o homem pelo que ele é, tornando-o empreendedor e protagonista de sua produtividade, garantindo-o voz e vez perante as tomadas de decisões.

De acordo com levantamento de 2017 da Organização das Cooperativas Brasileiras do Espírito Santo (OCB/ES), por exemplo, o Cooperativismo conta com quase 350 mil cooperados.

Esses estão reunidos em 125 Cooperativas registradas no Sistema OCB/ES, em nove ramos da economia (agropecuária, consumo, crédito, educacional, habitacional, produção, trabalho, transporte e saúde), empregando quase 10 mil colaboradores diretos.

Ainda segundo os dados, o segmento cooperativista faturou R$ 5,3 bilhões naquele ano. Esse montante só é possível através da qualidade dos serviços e produtos oferecidos. Para se ter uma ideia, 46% do leite e derivados comercializados no Espírito Santo são de cooperativas capixabas.

Segundo o ranking das 200 maiores empresas do Estado, realizado pelo Sistema Findes, 20 são cooperativas. Esses números foram possíveis através do apoio do Serviço Nacional de Aprendizagem Cooperativista (Sescoop), um dos braços do Sistema S.

Quem nunca ouviu esta frase: “Conhecimento ninguém rouba da gente”? Pois então, também em 2017, quase 90 mil cooperados, dirigentes e funcionários de cooperativas foram beneficiados pelo Sescoop com capacitações, visitas “in loco”, pareceres técnicos e contábeis e consultorias empresariais.

Esses serviços foram fundamentais para que esses números fossem alcançados. Propiciando desenvolvimento social e econômica, resultado da correta aplicação dos recursos.

Por isso, o fortalecimento da instituição garante oportunidades, mantém serviços consultivos e técnicos especializados, esclarecendo dúvidas e fazendo sugestões quanto à estrutura social, método gerencial e/ou operacional, questões jurídicas, de modo a permitir às sociedades cooperativas registradas receberem orientações que auxiliem no seu crescimento. Essa evolução só é possível através da qualidade dos serviços e produtos oferecidos.

Mais motivos? O cooperativismo financeiro é o segundo maior aplicador de recursos no setor agropecuário capixaba e primeiro do Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (Funcafé).

E mais, 75% dos atendimentos prestados na rede pública de saúde são de cooperativas de especialidades médicas.

Essa modalidade é uma alternativa ao desemprego. De acordo com o IBGE, o Brasil chegou a ter 14 milhões de desempregados em 2017, e os números ainda são preocupantes. O cooperativismo é um modelo socioeconômico que pressupõe unir esforços comuns de um grupo em prol do benefício geral.

Os governos estão certos em rever programas que não funcionam, mas esse não é o caso das atividades do Sistema S (Senai, Sesi, Sesc, Sebrae, entre outros). É um desserviço e prejuízo ao futuro do nosso país desmantelar o que vem dando certo.

Defendemos a manutenção e o aprimoramento dos “S” pelos grandes resultados que apresentam no Brasil. Cooperativismo, indústria, comércio, agricultura e micro e pequenas, segmentos que mais empregam e produzem riquezas, atestam essa evolução e o benefício gerado aos brasileiros e a nossa economia.

Carlos André Santos de Oliveira é superintendente do Sistema OCB/ES


últimas dessa coluna


A influência das mídias sociais sobre as decisões políticas

Estamos observando, no Brasil e em outras partes do mundo, o povo se reunindo através das redes digitais com o objetivo de influenciar as decisões políticas. Será que as principais decisões serão …


O Moscoso não morreu e nem morrerá por causa da violência

O fato ocorrido no dia 15 de janeiro, quando três vidas foram ceifadas de forma brutal, na divisa do bairro Piedade, mesmo em se tratando de um ato isolado, nos causou indignação. Mas foi inaceitável …


A lei e a quebra de contrato na compra de imóveis na planta

Quase no apagar das luzes do ano de 2018, na última sexta-feira, dia 28 de dezembro, foi publicada a Lei Federal nº 13.786, que visa regulamentar a resolução por inadimplemento de contratos de …


Telemedicina traz ganhos, mas não é remédio para todos os males

A divulgação da Resolução nº 2.227/18, do Conselho Federal de Medicina (CFM), que estabelece critérios para prática da telemedicina no Brasil, provocou um grande debate sobre o tema, durante o qual …


A importância do planejamento para se saber aonde quer chegar

Ao receber a resposta de Alice, que diz não saber para onde quer ir, uma vez que estaria perdida, o Gato é enfático: “Para quem não sabe onde quer ir, qualquer caminho serve”. O trecho da história …


Ferida emocional e baixa fé religiosa põem vidas em risco

Revista de circulação nacional diz que acontece um suicídio no mundo a cada 40 segundos. No Brasil, a cada 45 minutos. E em Vitória? Não sabemos, pois a mídia, com a sábia intenção de não incentivar, …


Pacote anticrime de Moro é bom, mas peca em alguns pontos

O ministro Sérgio Moro divulgou as primeiras medidas concebidas para o enfrentamento da criminalidade. Sob o impacto inicial das soluções apontadas, várias análises foram feitas logo após sua …


É direito de alunos terem acesso às informações de seus cursos

Há quase quatro anos, A Tribuna publicou neste mesmo espaço um artigo em que eu falava sobre o Exame de Ordem e o direito à informação. Citei o Projeto de Lei 214/2015, proposto pelo então deputado …


Tecnologia nos distancia do amor e nos aproxima da violência

Celular… Essa maquininha veio com a promessa de aproximar as pessoas, mas está fazendo exatamente o contrário. Cada dia aumenta mais a distância entre os corações humanos. É na convivência com as …


A histórica igrejinha do Rosário da Prainha em Vila Velha

Durante o processo de expansão marítima de Portugal por vários reinados, foi determinado não somente a expansão da religião católica, com os símbolos religiosos, com prevalência da Cruz relativa a …