Será um desserviço ao País desmantelar aquilo que dá certo

Atualmente, o sistema cooperativista tem sido bastante evidenciado pelo seu constante crescimento e pela sua participação no combate à exclusão social, valorizando o homem pelo que ele é, tornando-o empreendedor e protagonista de sua produtividade, garantindo-o voz e vez perante as tomadas de decisões.

De acordo com levantamento de 2017 da Organização das Cooperativas Brasileiras do Espírito Santo (OCB/ES), por exemplo, o Cooperativismo conta com quase 350 mil cooperados.

Esses estão reunidos em 125 Cooperativas registradas no Sistema OCB/ES, em nove ramos da economia (agropecuária, consumo, crédito, educacional, habitacional, produção, trabalho, transporte e saúde), empregando quase 10 mil colaboradores diretos.

Ainda segundo os dados, o segmento cooperativista faturou R$ 5,3 bilhões naquele ano. Esse montante só é possível através da qualidade dos serviços e produtos oferecidos. Para se ter uma ideia, 46% do leite e derivados comercializados no Espírito Santo são de cooperativas capixabas.

Segundo o ranking das 200 maiores empresas do Estado, realizado pelo Sistema Findes, 20 são cooperativas. Esses números foram possíveis através do apoio do Serviço Nacional de Aprendizagem Cooperativista (Sescoop), um dos braços do Sistema S.

Quem nunca ouviu esta frase: “Conhecimento ninguém rouba da gente”? Pois então, também em 2017, quase 90 mil cooperados, dirigentes e funcionários de cooperativas foram beneficiados pelo Sescoop com capacitações, visitas “in loco”, pareceres técnicos e contábeis e consultorias empresariais.

Esses serviços foram fundamentais para que esses números fossem alcançados. Propiciando desenvolvimento social e econômica, resultado da correta aplicação dos recursos.

Por isso, o fortalecimento da instituição garante oportunidades, mantém serviços consultivos e técnicos especializados, esclarecendo dúvidas e fazendo sugestões quanto à estrutura social, método gerencial e/ou operacional, questões jurídicas, de modo a permitir às sociedades cooperativas registradas receberem orientações que auxiliem no seu crescimento. Essa evolução só é possível através da qualidade dos serviços e produtos oferecidos.

Mais motivos? O cooperativismo financeiro é o segundo maior aplicador de recursos no setor agropecuário capixaba e primeiro do Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (Funcafé).

E mais, 75% dos atendimentos prestados na rede pública de saúde são de cooperativas de especialidades médicas.

Essa modalidade é uma alternativa ao desemprego. De acordo com o IBGE, o Brasil chegou a ter 14 milhões de desempregados em 2017, e os números ainda são preocupantes. O cooperativismo é um modelo socioeconômico que pressupõe unir esforços comuns de um grupo em prol do benefício geral.

Os governos estão certos em rever programas que não funcionam, mas esse não é o caso das atividades do Sistema S (Senai, Sesi, Sesc, Sebrae, entre outros). É um desserviço e prejuízo ao futuro do nosso país desmantelar o que vem dando certo.

Defendemos a manutenção e o aprimoramento dos “S” pelos grandes resultados que apresentam no Brasil. Cooperativismo, indústria, comércio, agricultura e micro e pequenas, segmentos que mais empregam e produzem riquezas, atestam essa evolução e o benefício gerado aos brasileiros e a nossa economia.

Carlos André Santos de Oliveira é superintendente do Sistema OCB/ES


últimas dessa coluna


Cosmopolitismo e a ideia de mundo comum

O cosmopolitismo se funda na crença de que o mundo constitui uma grande pólis e que os seres humanos compartilham características essenciais que os unem, ou deveriam uni-los, em uma ordem global, que …


Mediação e arbitragem: boas práticas para o desenvolvimento

Em março, comemoramos o primeiro ano da Câmara de Conciliação, Mediação e Arbitragem Findes/Cindes. Um espaço alternativo para a solução de questões jurídicas e acesso à Justiça com mais celeridade, …


A liberdade e os Princípios de Bangalore de Conduta Judicial

Nós, brasileiros, temos um baixo apreço por uma distinção fundamental. Falemos sobre o conceito de liberdade e a ideia de direitos e deveres. Se tenho um direito, do outro lado existe um dever. …


Porque odiamos

A excitação raivosa faz sangrar os dias. O veneno verbal destempera com fel o sabor da vida. A indelicadeza onipresente esgarça com garras afiadas os véus do pudor, os laços da lealdade e as tramas …


A primeira fake news da República

Espalhar notícias falsas é uma maneira relativamente barata de se fazer uma guerra informacional para arruinar reputações ou celebrar virtudes aparentes. Os instrumentos de comunicação super-rápida …


Capixaba relata emoção da Paixão de Cristo em Nova Jerusalém

"A Paixão de Cristo", em Nova Jerusalém, Pernambuco, atrai multidão, que se emociona diante do grande espetáculo de fé. A encenação ocorre em um espaço que é considerado o maior Teatro ao ar livre do …


A prevenção que salva vidas

“Uma pessoa inteligente resolve um problema. Um sábio o previne.” Essa frase, atribuída ao físico alemão Albert Einstein (1874-1955) poderia ser adaptada para quaisquer tipos de atividades preventiva…


A militarização da segurança pública no Rio de Janeiro

A morte do músico Evaldo Rosa dos Santos, quando sua família seguia para um chá de bebê em um veículo que foi alvejado com 80 tiros disparados por membros do Exército, vitimando também seu sogro e um …


O problema do alcoolismo após a cirurgia bariátrica

Vivemos num mundo que vangloria a ditadura do ser magro, corpo definido dentre outros. Ao mesmo tempo vivemos na época do fast food, comida cheia de calorias que leva a obesidade. Buscam-se dietas …


Outro lado da reforma da Previdência é possível

A atual proposta de Reforma da Previdência, se aprovada, gerará economia. Contudo, causará também um imensurável impacto social negativo, pois afetará principalmente os mais pobres que, durante toda …