Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Senado pode criar CPI para investigar situação de museus no país

Notícias

Política

Senado pode criar CPI para investigar situação de museus no país


Senador Cristovam Buarque é o autor da proposta (Foto: Agência Senado)
Senador Cristovam Buarque é o autor da proposta (Foto: Agência Senado)
O Senado pode criar uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para investigar a situação dos museus brasileiros. O pedido, apresentado pelo senador Cristovam Buarque (PPS-DF), já conta com número suficiente de assinaturas de parlamentares para que o colegiado seja instalado.

A criação da CPI foi proposta após o incêndio que destruiu o Museu Nacional, no Rio de Janeiro, que estava deteriorado e sofria com redução dos repasses do governo para manutenção.

Caso seja instalada, a CPI deve contar com um orçamento inicial de R$ 100 mil para quatro meses de funcionamento, valor mais alto do que os R$ 98 mil repassados para o Museu Nacional nos primeiros oito meses deste ano.

Como justificativa para a criação, Buarque afirma que o incêndio não ocorreu por conta do acaso e é resultante de negligências acumuladas ao longo do tempo.

"Não é o primeiro que queima nos últimos dez anos. É um e, depois, outro. Não é o primeiro que se degrada, seja pelo incêndio, seja por inundações. Nós precisamos apurar o que está acontecendo de fato nesse abandono à cultura brasileira", afirma o senador.

Para que uma CPI seja criada no Senado, são exigidas assinaturas de 27 dos 81 parlamentares. O pedido de Buarque tem 28 apoiamentos.

O colegiado só é criado após o presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), ler o pedido em plenário e dar prazo para que senadores retirem ou incluam assinaturas. A instalação é feita depois que os líderes partidários indicarem membros para a CPI.

Como o Congresso está parado por conta da campanha eleitoral, novas sessões só serão realizadas em outubro, depois do primeiro turno.

AGÊNCIA REGULADORA

O presidente Michel Temer (MDB) assina nesta segunda-feira (10) duas Medidas Provisórias que têm como objetivo mostrar uma resposta do governo federal à maior tragédia que atingiu o patrimônio histórico do Brasil.

Em cerimônia marcada para o fim da tarde desta segunda, Temer edita um texto a fim de estimular doações privadas para projetos de interesses públicos. No outro, que também será assinado pelo presidente, será criada uma agência para a gestão museus que hoje estão subordinados pelos ministérios da Cultura e da Educação.

A Abram (Agência Brasileira de Museus) deverá assumir as funções hoje atribuídas ao Ibram (Instituto Brasileiro de Museus).

Desde o incêndio, o governo Temer tem sido criticado pela falta de recursos para a manutenção do Museu Nacional. Apesar da proposta de reconstrução do edifício, o principal prejuízo é a destruição do acervo do museu, que tinha 200 anos e é irrecuperável.

Mais antigo do país, o Museu Nacional é subordinado à UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e enfrenta dificuldades geradas pelo corte no orçamento para a sua manutenção.

A instituição funcionava em um palacete imperial e foi fundada por dom João 6º em 1818. Seu acervo, com mais de 20 milhões de itens, tinha perfil acadêmico e científico, com coleções focadas em paleontologia, antropologia e etnologia biológica. Menos de 1%, porém, estava exposto.

Nas medidas que serão assinadas nesta segunda por Temer, o governo estuda ainda tirar da UFRJ a gestão do Museu Nacional, o que provocou reação da universidade nos últimos dias.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados