Segurança pública e eleições

Marcus Firme dos Reis é presidente do Sindicato dos Policiais Federais do Espírito Santo (Sinpef-ES). (Foto: Divulgação)
Marcus Firme dos Reis é presidente do Sindicato dos Policiais Federais do Espírito Santo (Sinpef-ES). (Foto: Divulgação)
Os números da segurança pública no Brasil podem ser considerados de um país em guerra. De acordo com os últimos dados do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, divulgados no 12º Anuário de Segurança Pública, foram mais 63,8 mil mortes violentas em 2017, o maior número de homicídios da história.

O país superou o patamar de 30 mortes por 100 mil habitantes, com uma taxa de homicídios 30 vezes maior que a registrada na Europa.

O número de mortes é equivalente ao episódio da bomba nuclear que devastou a cidade de Nagasaki, em 1945, no Japão. Entre os policiais Civis e Militares, foram 367 vítimas de homicídio em 2017. Somente em 2018, no Rio de Janeiro, já foram mais de 70 policiais assassinados. São profissionais perdendo a vida exercendo a sua função de proteger a sociedade.

É um cenário que traz o medo generalizado para a sociedade, impacta diretamente a economia e o crescimento do país e nos tira um direito básico garantido pela Constituição: a segurança pública. Mas, continuamos com um orçamento mínimo nessa área. A previsão orçamentária do Ministério de Segurança Pública, criado em 2018, é de R$ 2,7 bilhões para este ano.

Em 2017, a União gastou R$ 9,7 bilhões com segurança pública. Apesar de um aumento de 6,9% em relação a 2016, a participação dessas despesas no total gasto no país é de 2,5%. Já os estados gastaram R$ 69,8 bilhões, um crescimento de 0,2%, e os municípios reduziram em 2% os gastos, com R$ 5,1 bilhões. Nos países membros da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), a participação desses gastos é de 4,5%.

Em ano de eleição, a população precisa compreender ainda mais a importância de seu papel. É preciso que todos entendam que, junto com saúde e educação, segurança pública está entre os pilares do desenvolvimento. Não adianta termos um sem o outro.

Os novos rostos que irão ocupar os cargos precisam estar dispostos a adotar medidas que amenizem a violência, propondo políticas públicas para a área que não sejam planos emergenciais lançados em momentos de crise e que mudam a cada governo. É preciso que nos apresentem, de fato, uma Política Nacional de Segurança.

Avalie todos os seus possíveis candidatos, inclusive verificando se já tiveram relação com a corrupção. Analise o seu posicionamento em relação aos assuntos de grande impacto para a sociedade, como a segurança pública.

A pauta dos nossos representantes não deve ficar limitada a temas como legalização da maconha, redução da maioridade penal e posse de armas de fogo. É preciso discutir a segurança pública como um todo. Discutir seriamente as estruturas das polícias e o modelo ineficiente de investigação praticado no país. Só assim, conseguiremos fazer mudanças que realmente tragam de fato eficiência para a repressão e a elucidação dos crimes praticados.

As soluções existem, o que precisamos é vontade e determinação dos futuros governantes e parlamentares para tratar a segurança pública como prioridade nacional, fazendo as mudanças necessárias para podermos ter um país mais seguro.

Marcus Firme dos Reis é presidente do Sindicato dos Policiais Federais do Espírito Santo (Sinpef-ES)


últimas dessa coluna


Eleição presidencial: de volta ao terror

Ao longo da campanha eleitoral para Presidente da República do ano de 2002, quando o então candidato Luiz Inácio Lula da Silva estava à frente nas pesquisas eleitorais, o PSDB, estando no Poder, …


Você sabe quando e como utilizar um pronto-socorro?

Não é de hoje que assistimos pela televisão, internet ou até mesmo vivenciamos de alguma maneira a superlotação das unidades de urgência e emergência, comumente conhecidas como pronto-socorro. …


Vacinar ou não vacinar? Eis a questão

A reumatologia é mesmo uma especialidade que nos obriga a conhecer não só sobre doenças e medicamentos, mas também sobre exercício físico, nutrição, psicologia e imunização. Haja cérebro pra guardar …


Terceira idade: desafios e cuidados

Com o avanço da idade, é comum surgirem alterações no estilo de vida. Em razão desse processo, vem o comprometimento de funções e atividades que antes pareciam ser de simples execução. A partir …


A internet e a fragilidade das campanhas eleitorais

É consensual entre os analistas que a atual disputa eleitoral para a Presidência da República é a mais incerta desde a redemocratização do Brasil, nos anos 1980. Apesar da sensação difusa de …


Resolver só a corrupção, não resolve o Brasil

Em tempos de cenário eleitoral, Operação Lava a Jato, lideranças políticas apreendidas, democracia sendo questionada e vazio extremo de lideranças, urge a necessidade de parar, analisar e discernir. …


Nota fiscal eletrônica: avanço que exige novos hábitos

O Código Tributário Nacional define as obrigações acessórias como o conjunto de informações, declarações e prestações exigidas do contribuintes e de interesse do Fisco para fins de arrecadação e …


Diálogo com os presidenciáveis

Considerando o período eleitoral, o Sindiex iniciou um diálogo com os presidenciáveis, objetivando conhecer os seus projetos de governo, e percebemos que já são velhos conhecidos: ajuste fiscal, …


O cuidado fora dos hospitais e o foco no paciente

A palavra desospitalização pode até assustar, mas nada mais é do que tirar, na medida do possível, os pacientes de dentro dos hospitais, garantindo a eles o melhor cuidado, com as terapias necessária…


A luta contra a poluição do pó preto

Eliminar a poeira que foge ao Complexo de Tubarão e se dissemina pelas cidades da Grande Vitória tem sido uma demanda forte dos moradores, da sociedade civil e da imprensa capixaba. A tarefa é …