Segurança pública e eleições

Marcus Firme dos Reis é presidente do Sindicato dos Policiais Federais do Espírito Santo (Sinpef-ES). (Foto: Divulgação)
Marcus Firme dos Reis é presidente do Sindicato dos Policiais Federais do Espírito Santo (Sinpef-ES). (Foto: Divulgação)
Os números da segurança pública no Brasil podem ser considerados de um país em guerra. De acordo com os últimos dados do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, divulgados no 12º Anuário de Segurança Pública, foram mais 63,8 mil mortes violentas em 2017, o maior número de homicídios da história.

O país superou o patamar de 30 mortes por 100 mil habitantes, com uma taxa de homicídios 30 vezes maior que a registrada na Europa.

O número de mortes é equivalente ao episódio da bomba nuclear que devastou a cidade de Nagasaki, em 1945, no Japão. Entre os policiais Civis e Militares, foram 367 vítimas de homicídio em 2017. Somente em 2018, no Rio de Janeiro, já foram mais de 70 policiais assassinados. São profissionais perdendo a vida exercendo a sua função de proteger a sociedade.

É um cenário que traz o medo generalizado para a sociedade, impacta diretamente a economia e o crescimento do país e nos tira um direito básico garantido pela Constituição: a segurança pública. Mas, continuamos com um orçamento mínimo nessa área. A previsão orçamentária do Ministério de Segurança Pública, criado em 2018, é de R$ 2,7 bilhões para este ano.

Em 2017, a União gastou R$ 9,7 bilhões com segurança pública. Apesar de um aumento de 6,9% em relação a 2016, a participação dessas despesas no total gasto no país é de 2,5%. Já os estados gastaram R$ 69,8 bilhões, um crescimento de 0,2%, e os municípios reduziram em 2% os gastos, com R$ 5,1 bilhões. Nos países membros da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), a participação desses gastos é de 4,5%.

Em ano de eleição, a população precisa compreender ainda mais a importância de seu papel. É preciso que todos entendam que, junto com saúde e educação, segurança pública está entre os pilares do desenvolvimento. Não adianta termos um sem o outro.

Os novos rostos que irão ocupar os cargos precisam estar dispostos a adotar medidas que amenizem a violência, propondo políticas públicas para a área que não sejam planos emergenciais lançados em momentos de crise e que mudam a cada governo. É preciso que nos apresentem, de fato, uma Política Nacional de Segurança.

Avalie todos os seus possíveis candidatos, inclusive verificando se já tiveram relação com a corrupção. Analise o seu posicionamento em relação aos assuntos de grande impacto para a sociedade, como a segurança pública.

A pauta dos nossos representantes não deve ficar limitada a temas como legalização da maconha, redução da maioridade penal e posse de armas de fogo. É preciso discutir a segurança pública como um todo. Discutir seriamente as estruturas das polícias e o modelo ineficiente de investigação praticado no país. Só assim, conseguiremos fazer mudanças que realmente tragam de fato eficiência para a repressão e a elucidação dos crimes praticados.

As soluções existem, o que precisamos é vontade e determinação dos futuros governantes e parlamentares para tratar a segurança pública como prioridade nacional, fazendo as mudanças necessárias para podermos ter um país mais seguro.

Marcus Firme dos Reis é presidente do Sindicato dos Policiais Federais do Espírito Santo (Sinpef-ES)


últimas dessa coluna


A exoneração da pensão alimentícia entre ex-cônjuges

A pensão alimentícia é uma obrigação de pagar que surge a uma pessoa em favor de outra como fruto de acordo ou decisão judicial. Com o advento do Código de Processo Civil de 2015, o tema voltou a ser …


Sua identidade é sua vida

Cada um de nós tem identidade diferente. Mesmo gêmeos univitelinos são diferentes. Mas, quem sou eu? Sócrates nos recomendava a conhecermo-nos a nós mesmos. E por não nos conhecermos, pensamos, …


A bonequinha do rádio

Durante o centenário da independência do Brasil, em 1922, muitos festejos foram promovidos país afora. Um dos eventos de maior impacto foi a primeira radiodifusão sonora no Brasil, no Rio de Janeiro. …


Imprensa e algoritmos na era da pós-verdade

A imprensa vem sendo submetida a um linchamento nas redes sociais. Robôs e pessoas que agem como tal estão entrincheirados para atacar o divergente, o controverso, o plural. Tristes tempos, mas temos …


Quartel de Maruípe: 80 anos de história

A PMES foi criada pelo Conselho de Governo, em 12.12.1831, como Companhia ou Corpo de Permanentes, e substituída em 6.04.1835, pela Guarda de Polícia Provincial. O seu primeiro quartel foi do Forte …


Uma tragédia anunciada

Não teve quem não se indignou ao assistir a tragédia no Museu Nacional do Rio de Janeiro que destruiu 90% do seu acervo. Enquanto as labaredas consumiam os 200 anos de pesquisa, uma coisa se passava …


Um novo modelo fiscal para o fluxo de mercadorias

Através de um acordo de cooperação técnica firmado entre o Ministério da Ciência e Tecnologia, a Receita Federal e os Estados da União por intermédio de suas Secretarias de Fazenda, formalizou-se o …


O médico diante da morte

O papel do médico é debelar doenças, essas simpatizantes da morte. Presente onde existe vida, o morrer também assusta o profissional de saúde. Enquanto a luz brilha no paciente, o médico labuta …


Fim da burocracia

Aquela “dor de cabeça”, que muita gente tem ao ter que carregar aquele montante de documentos ao se dirigir à algum órgão público, chegou ao fim, pelo menos em relação a algumas exigências específica…


Mobilidade na Grande Vitória e o setor da construção

O governador eleito, Renato Casagrande, dedicou grande parte de sua campanha na promessa da retomada dos investimentos na mobilidade metropolitana. Para o setor da construção e o ciclo que dele …