Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Scheidt sofre punição, mas se mantém no Top 10 de evento-teste para Tóquio-2020

Esportes

Esportes

Scheidt sofre punição, mas se mantém no Top 10 de evento-teste para Tóquio-2020


O segundo dia do Read Steady Tokyo, evento-teste da vela para os Jogos de Tóquio-2020, foi difícil para Robert Scheidt. Neste domingo, em Enoshima, no Japão, o bicampeão olímpico sofreu uma punição na única regata disputada e, ao perder posições, terminou em 17°. Mesmo assim, o brasileiro se manteve no Top 10 da classificação geral.

"Claro que estou lutando para evoluir constantemente e me manter no top 10 será uma comprovação disso e uma motivação extra. Mas é muito importante aproveitar essa semana com a cabeça em 2020, aprendendo quais são os melhores caminhos quanto à preparação para os Jogos de Tóquio", declarou.

Scheidt ocupa a décima posição na classificação geral, com 14 pontos perdidos. Nesta segunda-feira, o brasileiro, já classificado à Olimpíada de 2020 na classe Laser, volta ao mar com a expectativa de mais duas provas.

"O dia foi de muito calor e pouco vento. Eu estava bem na única regata do dia até ser penalizado. Levei uma bandeira amarela pela regra 42, por bombear a vela (pelo regulamento, é a manobra, não permitida, utilizada para ganhar mais velocidade no barco). Seguimos em frente e amanhã tem mais", afirmou.

O domingo foi difícil para o velejador por conta das condições climáticas, ao contrário do sábado, primeiro dia da competição, em que o brasileiro, em suas primeiras regatas, cruzou a linha de chegada na oitava e sexta posições. "A temperatura também é alta aqui em Enoshima, o que exige muito do preparo físico", explicou o atleta de 46 anos.

Robert Scheidt é o único brasileiro entre os 35 barcos da Classe Laser que disputam o evento-teste em Enoshima. Ele garantiu índice para a Olimpíada de Tóquio ao terminar em 12º lugar no último Mundial da Laser, realizado no mês passado, em Sakaiminato, também no Japão. Com isso, está prestes a se tornar o recordista brasileiro em participações em Jogos Olímpicos, com sete na bagagem. No entanto, ainda precisa esperar a convocação final para a delegação brasileira. 

De acordo com o critério estabelecido pelo Conselho Técnico da Vela (CTV) e ratificado pela Confederação Brasileira de Vela (CBVela), Scheidt só perde a vaga se outro atleta do Brasil subir ao pódio no Mundial da Laser em 2020.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados