search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Saúde esterilizada vira doença
Doutor João Responde

Saúde esterilizada vira doença

Doutor João Evangelista, médico e colunista de A Tribuna (Foto: Arquivo/AT)
Doutor João Evangelista, médico e colunista de A Tribuna (Foto: Arquivo/AT)
Ninguém questiona a imprescindível necessidade da higiene, do uso de medicamentos, do emprego de vacinações, entre outros cuidados que visam preservar a saúde.

Antigamente, a preocupação do ser humano com a higidez vinha de fora do organismo. Bactérias, vírus e outros parasitas eram considerados os principais agentes adoecedores.

Mudanças nos padrões de higiene trouxeram melhorias no saneamento, na água potável e na recolha de lixo, diminuindo o índice de muitas doenças infecciosas.

Contudo, estas medidas também reduziram a exposição às substâncias microbianas úteis, que auxiliam o corpo a modular seu sistema imunológico.

A medicina tem feito avanços consideráveis. Pasteurização, esterilização, embalagens assépticas, limpeza e fiscalização em todas as etapas do processo produtivo têm permitido uma alimentação mais segura. Isso vem gerando menor quantidade de intoxicações, infecções alimentares e internações hospitalares.

A batalha contra agentes externos tem sido vitoriosa. Entretanto, o aumento de enfermidades respiratórias e autoimunes vem crescendo consideravelmente, revelando que esses dois fatores estão associados.

Excessivos cuidados com a higiene diminuem os estímulos imunológicos e, por conseguinte, baixam a resistência orgânica.

A crescente incidência de doenças alérgicas e autoimunes parece estar relacionada com o estilo de vida atual, em que o exaustivo combate de microrganismos suprime o desenvolvimento natural do sistema imunológico.

Acredita-se que a vida moderna, com sua obsessiva higiene, vacinas, alimentos pasteurizados e esterilizados, não permitiria a educação correta do sistema imune, que ficaria sujeito a cometer erros.

Outrora, a convivência com micro-organismos pouco agressivos, presentes naturalmente no ambiente, auxiliava na modulação das respostas imunes do corpo, já que esse contato nas primeiras fases de desenvolvimento evitam respostas imunológicas exageradas a substâncias estranhas, ao longo da vida.

A exposição a micro-organismos patógenos durante a infância estimula o sistema imune e protege o indivíduo contra o desenvolvimento de alergias. Uma resposta imunológica desregulada pode provocar rinites, dermatites, asma, etc.

Acredita-se que o crescimento dos casos de doenças alérgicas se deva ao aumento da higiene e consequente diminuição do número de doenças infecciosas nos países industrializados.

Vários fatores podem ter contribuído para a alteração da exposição microbiológica, como o uso de antibióticos, menor tempo de amamentação, emprego de antissépticos e detergentes, disponibilidade de água e comida limpas e a migração da vida rural para a vida urbana.

O uso de antibióticos nos primeiros anos de vida pode influenciar a colonização bacteriana intestinal, eliminando também bactérias úteis ao organismo.

As alterações induzidas por antibióticos no trato digestivo podem afetar o modo como o sistema imunológico responde aos alérgenos.

Seja qual for à realidade sobre atopia e exposição microbiana, uma higiene direcionada deve ser aplicada. Tal conduta é baseada na intervenção seletiva de quando e onde os riscos de infecção são maiores, procurando proteger quando há maximização dos efeitos nocivos, porém se expondo a micróbios de efeitos benéficos em nosso ambiente humano e natural.

Higiene excessiva prejudica o organismo, sendo necessário se atentar para a prática da higiene direcionada. Isso deve ser feito sem comprometer a proteção contra agentes prejudiciais à saúde. Remédio não é jujuba. Farmácia não é supermercado. Uso não é abuso. Excesso não é prudência. Obsessão não é saúde.

Flor criada em estufa tem medo da natureza.


últimas dessa coluna


Exclusivo
Doutor João Responde

Tranquilizante causa dependência

Algumas pessoas que têm dificuldade para enfrentar as vicissitudes da vida procuram um médico, solicitam receita de um calmante e depois não conseguem mais viver sem ele. Quando a caixa termina, …


Exclusivo
Doutor João Responde

Reações a medicamentos

É muito frequente o uso do vocábulo remédio como sinônimo de medicamento. No entanto, eles não significam a mesma coisa. Remédio é qualquer tipo de cuidado utilizado para tratar doenças, aliviando …


Exclusivo
Doutor João Responde

O desconfortável soluço

O incômodo soluço surge em situações e momentos mais impróprios. Trata-se de uma contração vigorosa e involuntária do diafragma, músculo responsável pela inspiração e que separa o tórax do abdômen. …


Exclusivo
Doutor João Responde

Limitações da telemedicina

A medicina se alimenta de informação. Ausência de dados compromete o diagnóstico e o tratamento. O médico pode utilizar um ambiente virtual para centralizar as informações do paciente, facilitando o …


Exclusivo
Doutor João Responde

Vulnerabilidade a medicamentos

Enquanto o corpo envelhece, o espírito amadurece, pois ninguém é demasiadamente idoso para que não possa nutrir esperança. Vulnerabilidade a medicamentos fragiliza a saúde do paciente geriátrico. …


Exclusivo
Doutor João Responde

Pneumonia silenciosa

Pneumonia é um tipo de inflamação que afeta os pulmões, geralmente relacionada a uma infecção. De modo geral, o quadro começa com alguma gripe que não é bem tratada, fazendo com que a imunidade do …


Exclusivo
Doutor João Responde

As perigosas mutações virais

Buscando harmonizar-se como um todo, ignorando o egoísmo humano, a natureza se recicla. Equivocadamente, o Homo sapiens tenta mudá-la, em vez de se ajustar a ela. A natureza costuma ser lânguida, mas …


Exclusivo
Doutor João Responde

Medicina baseada em evidência

“Medicina é como amor: nem nunca, nem sempre”. No passado, o médico nem sempre tinha acesso à pesquisa mais recente. Muitas vezes, ele decidia como tratar um paciente, usando apenas sua própria …


Exclusivo
Doutor João Responde

Consolo da falsa ciência

Em tempos de pandemia, alguns medicamentos têm reivindicado status científico, embora careçam de provas ou plausibilidade. A fronteira entre ciência e pseudociência tem implicações religiosas, …


Exclusivo
Doutor João Responde

Predadora célula cancerosa

Para manter-se vivo, o corpo precisa lutar contra tudo aquilo que desequilibra suas funções, inclusive contra si mesmo. Munido de uma poderosa arma antigênica, o organismo protege a vida que mantém …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados