Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Respeito à vontade do idoso sobre sua saúde
Tribuna Livre

Respeito à vontade do idoso sobre sua saúde

Respeitar a vontade do paciente idoso quando ele ainda possui domínio mental sobre a própria vida por meio da Diretiva Antecipada de Vontade (DAV) é um recurso que, aos poucos, vem ganhando força e sendo mais adotado no Brasil. Embora não esteja regulamentado por lei, o mecanismo tem recebido um bom entendimento por parte dos juízes.

A DAV fundamentalmente põe o paciente no centro das decisões. Permite que ele defina o que será feito com o seu futuro. No documento, ele expressa as suas vontades, manifestando sobre os cuidados e os tratamentos que deseja, ou não, receber no momento em que estiver incapacitado de dizer o que prefere, de forma livre e autônoma.

Regulamentada no Código de Ética Médica e, consequentemente, aprovada pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) pelo parecer nº 1.995/2012, respalda o profissional da área médica para agir nesse sentido. Dessa forma, qualquer cidadão maior de 18 anos e considerado legalmente capaz para atos da vida civil pode optar pela DAV.

Mas, para o idoso, principalmente nos casos de saúde debilitada, a Diretiva Antecipada de Vontade aparece como um recurso ainda mais importante.

Na prática, o paciente deve conversar com o médico e pontuar tudo o que é importante para ele com relação à sua saúde. E, se por acaso, a sua vontade for diferente da dos familiares, a DAV sempre prevalecerá. É exatamente por isso que o documento é fundamental.

O que a equipe médica tenta fazer para evitar desentendimentos é envolver a família em todo o processo. É fundamental que filhos e demais parentes próximos entendam e respeitem a vontade do familiar.

Pelo CFM, basta que a Diretiva Antecipada de Vontade conste no prontuário médico para ter efeito. Mas, para se resguardarem ainda mais, pacientes têm feito o registro da DAV também em cartório. Sendo assim, o documento passa a ter algum valor legal.

Interessante é que a DAV pode ser refeita em qualquer momento. Ela não é definitiva e o idoso pode mudar de ideia a hora que quiser, redirecionando a sua vontade. É uma conversa que precisa acontecer entre médico e paciente e que exige a existência de uma relação de confiança. O idoso não precisa ser pressionado a nada. É um assunto para ser discutido aos poucos, em cada consulta, até que a tomada de decisão aconteça.

No entanto, quanto mais cedo no curso da doença for possível abordar o assunto, melhor. A recomendação é conversar sobre o que é importante para o paciente em seus momentos de fim de vida, falar abertamente sobre a morte e o morrer e sobre o que ele consideraria aceitável ou não com relação a tratamentos médicos. Outro aspecto fundamental: saber quem é a pessoa que ele gostaria que tomasse decisões em seu lugar, caso fique impossibilitado.

Por outro lado, o idoso deve também falar com familiares e amigos a respeito, sem medo. E isso pode ser feito de forma informal mesmo, sendo até melhor que aconteça assim. É preciso desmistificar as questões que envolvem a morte e o morrer. É uma mudança de comportamento que contribui positivamente para mudar a forma como as pessoas lidam com a certeza do fim da vida. 

Roni Chaim Mukamal é geriatra e diretor de empresas de Medicina Preventiva. 
 

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora

últimas dessa coluna


Exclusivo
Tribuna Livre

Inspeção predial: check-up de edificações pode evitar tragédias

O desabamento da área de lazer do condomínio residencial de luxo Grand Parc, em Vitória, completa três anos em julho. Casos como esse podem ser evitados com a observância de cuidados como o atendimen…


Exclusivo
Tribuna Livre

Integração para enfrentar a criminalidade articulada

É sabido por todos, principalmente por aqueles que labutam na área da Segurança Pública, que o crime apresenta várias vertentes e os bandidos utilizam meios cada vez mais articulados para o cometimen…


Exclusivo
Tribuna Livre

Reclamação do cliente pode ser oportunidade para a empresa

A palavra “reclamação” é vista pela maioria das empresas como algo negativo, mas a grande verdade é que a reclamação é uma excelente oportunidade para “enxergarmos” falhas em nossos processos e em …


Exclusivo
Tribuna Livre

O desafio de tratar a dependência química

A dependência química é uma doença complexa, já considerada um dos maiores desafios de saúde pública no País. Diferentes pesquisas mostram o aumento do uso de drogas em todas as classes sociais. A …


Exclusivo
Tribuna Livre

Homenagem a um médico que fez a diferença

Recentemente perdemos um dos grandes personagens capixabas. Estamos nos referindo ao professor Carlos Sandoval Gonçalves, ícone dentre os pesquisadores e professores de Medicina do Brasil, que …


Exclusivo
Tribuna Livre

Educação especial como política pública

Historicamente, a educação especial para pessoas com deficiência é oferecida por instituições privadas, incluídas as especializadas, confessionais e filantrópicas. A partir de 1973, ela foi incorpora…


Exclusivo
Tribuna Livre

O “ser mulher” e a busca pela sobrevivência

Era uma vez uma selva, onde morava uma leoa muito dócil e, ao mesmo tempo, valente. Cuidava de seus filhotes e ia à caça para não lhes faltar alimento. Por instinto, fazia o que preciso fosse para …


Exclusivo
Tribuna Livre

Deixa falar! Deixa viver!

De acordo com o Atlas da Violência 2019, divulgado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), a morte no Brasil tem cor, idade, gênero, classe social e nível de escolaridade. Ou seja, quem …


Exclusivo
Tribuna Livre

Qual a sua toga?

A revolução francesa legou àquele país uma cultura política refratária ao Poder Judiciário. Ainda hoje, os salários dos seus juízes são baixos e a jurisdição constitucional é feita por órgão político …


Exclusivo
Tribuna Livre

Inovação. Por onde eu começo?

Inovação é a palavra do momento, sobretudo, no mundo dos negócios. Para quem quer iniciar um processo inovador, seja ele pessoal ou empresarial, um bom começo é buscar compreender o que é a inovação …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados