search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Respeito à vontade do idoso sobre sua saúde
Tribuna Livre

Respeito à vontade do idoso sobre sua saúde

Respeitar a vontade do paciente idoso quando ele ainda possui domínio mental sobre a própria vida por meio da Diretiva Antecipada de Vontade (DAV) é um recurso que, aos poucos, vem ganhando força e sendo mais adotado no Brasil. Embora não esteja regulamentado por lei, o mecanismo tem recebido um bom entendimento por parte dos juízes.

A DAV fundamentalmente põe o paciente no centro das decisões. Permite que ele defina o que será feito com o seu futuro. No documento, ele expressa as suas vontades, manifestando sobre os cuidados e os tratamentos que deseja, ou não, receber no momento em que estiver incapacitado de dizer o que prefere, de forma livre e autônoma.

Regulamentada no Código de Ética Médica e, consequentemente, aprovada pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) pelo parecer nº 1.995/2012, respalda o profissional da área médica para agir nesse sentido. Dessa forma, qualquer cidadão maior de 18 anos e considerado legalmente capaz para atos da vida civil pode optar pela DAV.

Mas, para o idoso, principalmente nos casos de saúde debilitada, a Diretiva Antecipada de Vontade aparece como um recurso ainda mais importante.

Na prática, o paciente deve conversar com o médico e pontuar tudo o que é importante para ele com relação à sua saúde. E, se por acaso, a sua vontade for diferente da dos familiares, a DAV sempre prevalecerá. É exatamente por isso que o documento é fundamental.

O que a equipe médica tenta fazer para evitar desentendimentos é envolver a família em todo o processo. É fundamental que filhos e demais parentes próximos entendam e respeitem a vontade do familiar.

Pelo CFM, basta que a Diretiva Antecipada de Vontade conste no prontuário médico para ter efeito. Mas, para se resguardarem ainda mais, pacientes têm feito o registro da DAV também em cartório. Sendo assim, o documento passa a ter algum valor legal.

Interessante é que a DAV pode ser refeita em qualquer momento. Ela não é definitiva e o idoso pode mudar de ideia a hora que quiser, redirecionando a sua vontade. É uma conversa que precisa acontecer entre médico e paciente e que exige a existência de uma relação de confiança. O idoso não precisa ser pressionado a nada. É um assunto para ser discutido aos poucos, em cada consulta, até que a tomada de decisão aconteça.

No entanto, quanto mais cedo no curso da doença for possível abordar o assunto, melhor. A recomendação é conversar sobre o que é importante para o paciente em seus momentos de fim de vida, falar abertamente sobre a morte e o morrer e sobre o que ele consideraria aceitável ou não com relação a tratamentos médicos. Outro aspecto fundamental: saber quem é a pessoa que ele gostaria que tomasse decisões em seu lugar, caso fique impossibilitado.

Por outro lado, o idoso deve também falar com familiares e amigos a respeito, sem medo. E isso pode ser feito de forma informal mesmo, sendo até melhor que aconteça assim. É preciso desmistificar as questões que envolvem a morte e o morrer. É uma mudança de comportamento que contribui positivamente para mudar a forma como as pessoas lidam com a certeza do fim da vida. 

Roni Chaim Mukamal é geriatra e diretor de empresas de Medicina Preventiva. 
 

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Tribuna Livre

Medidas adotadas nos EUA que serviriam muito bem ao Brasil

O índice de percepção da corrupção criado pela ONG Transparência Internacional é o principal indicador de corrupção no setor público do mundo. Criado em 1995, o índice é publicado anualmente, em mais …


Exclusivo
Tribuna Livre

Educação especial durante a pandemia aproxima pais e filhos

Que o isolamento social proposto como medida de prevenção à Covid19 tem possibilitado a reorganização e o fortalecimento dos núcleos familiares, isso é fato. O tempo, que antes nos faltava, agora …


Exclusivo
Tribuna Livre

O piloto, a governança e o Tribunal de Contas

Imagine estar em um voo tranquilo, quando de repente as condições mudam drasticamente e o avião ameaça colapsar. O que se espera do piloto naquele momento? Que ele tome decisões assertivas de maneira …


Exclusivo
Tribuna Livre

Preconceito e sofrimento mental em tempos de pandemia

Vivenciar uma quarentena com todo o recolhimento que a mesma nos impõe (isolamento social e familiar), com mudança ou perda do trabalho, paralisação do ir e vir e a crise econômica que já bate às …


Tribuna Livre

Médicos estrangeiros podem ajudar no combate à pandemia

Milhares de médicos formados no exterior aguardam há três anos pelo exame que habilita para o exercício da profissão. O Revalida, exame de revalidação de diplomas de Medicina, aplicado pelo Instituto …


Exclusivo
Tribuna Livre

Telemedicina como solução para a “terceira onda” do coronavírus

O mundo neste momento se uniu em uma pesquisa maciça sobre o novo coronavírus. As medidas de prevenção, estatísticas de óbitos por região, opiniões sobre isolamento são narradas por leigos e …


Exclusivo
Tribuna Livre

Duas pandemias: Covid-19 e obesidade

Desde que a OMS classificou a Covid-19 como uma pandemia, a população vivencia mudanças na vida e na comunicação sobre saúde. Medidas de isolamento social para conter o avanço da doença foram …


Exclusivo
Tribuna Livre

Estudo mostra que autismo cresce no mundo e no Brasil

O mais novo levantamento do Centro de Controle de Doenças e Prevenção (CDC) dos Estados Unidos traz números preocupantes sobre a prevalência do Transtorno do Espectro Autista (TEA) no País, acendendo …


Exclusivo
Tribuna Livre

Mundo não será mais o mesmo depois da pandemia

Viveremos, no pós-pandemia do novo coronavírus, um “new normal”, ou seja, um novo normal. O mundo não será mais o mesmo. As nossas vidas não serão mais as mesmas. Mudanças que o mundo demoraria …


Exclusivo
Tribuna Livre

Tratamento do câncer infantil deve continuar durante pandemia

Tempos difíceis. O vírus, que nos últimos meses transformou a vida das pessoas, chegou para somar num universo de problemas de saúde pré-existentes, entre eles, o câncer, que acomete crianças e …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados