search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Reino Unido anuncia liberação do uso medicinal da maconha

Notícias

Publicidade | Anuncie

Internacional

Reino Unido anuncia liberação do uso medicinal da maconha


O governo britânico anunciou, nesta quinta-feira (26) a legalização da maconha para fins medicinais. A expectativa é que a partir do fim de setembro os médicos já possam receitar para os pacientes remédios baseados na substância.

"Isto ajudará os pacientes com uma necessidade clínica excepcional, mas não é de jeito nenhum um passo para a legalização do uso recreativo", disse o secretário britânico do Interior, Sajid Javid, responsável pelo anúncio.

Caberá agora a agência reguladora do Departamento de Saúde definir quais medicamentos e usos serão autorizados e o que continuará proibido no país, de acordo com o jornal The Guardian.
Assim, não está definido ainda se os pacientes poderão usar a droga ou apenas remédios baseados em cânabis.

O governo da primeira-ministra Theresa May é contrário a legalização das drogas, mas decidiu em maio autorizar o início de um estudo para definir sobre a autorização do uso medicinal da maconha.

O debate no país começou após a divulgação da história de duas crianças que usam o óleo de cânabis para atenuarem o efeito da epilepsia.

Por isso, as famílias de Alfie Dingley 6, e Billy Caldwell, 12, pediram ao governo a liberação do produto.

"Casos recentes envolvendo envolvendo crianças doentes deixaram claro para mim que nossa posição sobre o uso medicinal de produtos de cânabis não era satisfatória", afirmou Javid.

No início de julho, o Escritório Médico britânico (responsável por aconselhar a primeira-ministra na área de saúde) concluiu sua análise das pesquisas já publicadas sobre o assunto.

O estudo concluiu que o uso medicinal da droga poderia trazer benefícios em alguns casos e repassou o caso para o Ministério do Interior, a quem coube a palavra final.

De acordo com o anúncio desta quinta-feira, a maconha passará a ser considerada uma droga de categoria 2 no Regulamento de Uso Indevido de Drogas, o que permitirá que ela seja prescrita pelos médicos quando for necessário, mas manterá seu uso recreativo vetado.

Antes da mudança ela era uma droga de categoria 1, o que significava que não tinha valor terapêutico e não podia ser prescrita ou usada legalmente -podia ser usada apenas para fins de pesquisa, desde que recebesse autorização do governo.

A legalização foi comemorada pela Escola Real de Enfermagem, que mencionou temores de que muitos pacientes estavam sendo obrigados a se automedicar ou medicarem seus filhos com produtos de fornecedores que não são necessariamente seguros.

A mudança na legislação também faz parte dos esforços de Javid, que assumiu o Ministério do Interior em abril, de melhorar a imagem da pasta. Ele abandonou, por exemplo, a política de "ambiente hostil" no cumprimento de leis de imigração no Reino Unido, adotada no período que May esteve na pasta, entre 2010 e 2016.

A medida, porém, não significa um caminho rumo à legalização da maconha para fins recreativos, seguindo a trilha recentemente adotada pelo Canadá, onde a medida entra em vigor em outubro.

O Partido Conservador, da primeira-ministra, tem uma longa trajetória de linha dura em relação ao uso de drogas.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados