Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Redução de imposto sobre etanol pode criar mil empregos
Economia ES
Rafael Guzzo

Rafael Guzzo


Redução de imposto sobre etanol pode criar mil empregos

Colheita de cana-de-açúcar. Foto: Arquivo/AT
Colheita de cana-de-açúcar. Foto: Arquivo/AT

O preço do álcool combustível, ou seja, o etanol, pode cair e tornar o combustível mais vantajoso no Espírito Santo. E, nas contas de empresários e lideranças do setor sucroalcooleiro, essa redução no valor pode criar mil empregos na produção só no Estado.

A possibilidade vem sendo discutida desde abril, quando o governo do Estado e a Assembleia Legislativa começaram a avaliar a redução do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços, o ICMS, que vai para o cofre público estadual. Tudo feito com base em análise técnica do economista Orlando Caliman, a pedido de quatro organizações capixabas do setor.

Seria um novo estímulo à produção e ao consumo do etanol, o que, segundo o estudo do economista, traz diversas vantagens.

Além da redução do preço nos postos, a mudança aumentaria a produção, criando mais emprego e renda fora da Grande Vitória, sobretudo no campo; e também a arrecadação de impostos pelas prefeituras. 

Permitiria ainda a captação de parte dos investimentos previstos dentro do programa federal RenovaBio (criado inclusive para que o Brasil cumpra suas obrigações ambientais junto ao Acordo de Paris).

Esta não é a primeira vez que o setor sucroalcooleiro capixaba busca convencer o governo a diferenciar a tributação do etanol hidratado em relação à da gasolina. O contexto atual, no entanto, é o mais oportuno para a medida.

O setor vive no Estado um dos seus piores momentos, segundo empresários do ramo. Desde 2000, foram fechadas metade das seis usinas que estavam em operação.

A crise ocorre, primeiramente, devido à política de controle de preços da gasolina implementada pelas gestões petistas em Brasília, que impediram que o mercado do etanol reajustasse o valor do produto, nem mesmo de acordo com seus custos.

E, mais recentemente, o setor sofreu no Estado com um dos piores períodos de estiagem, que durou de 2014 a 2016 e ainda hoje impacta e impede que as usinas e os produtores obtenham resultados normais.

Em nível regional, os estados vizinhos e os demais grandes produtores nacionais de etanol, nos últimos anos, seguem implementando políticas de estímulo – que, no entanto, não foram adotadas no Espírito Santo. Ao ponto do ICMS sobre o etanol ser o mesmo de produtos supérfluos, como cigarros e joias, apesar da produção de açúcar e etanol ser vital para o interior do estado.

E, em nível nacional, há uma grande janela de oportunidades lançada em 2016, que é o RenovaBio, um amplo programa federal que visa, até 2040, dobrar a produção de etanol e outros biocombustíveis no Brasil, com US$ 40 bilhões (R$ 157 bi) de investimentos previstos e a geração de 800 mil empregos diretos.

Tudo isso para que o país consiga atender ao Acordo de Paris. Porém, na visão as organizações capixabas do setor, caso a tributação estadual não mude, o Espírito Santo corre o risco de ficar completamente de fora desse grande movimento de estímulo à indústria nacional.

Novo governo e Assembleia se movimentam

Desde antes de assumir o governo, em 2018, o atual secretário de Estado de Fazenda, Rogelio Amorim, atende as lideranças do setor sucroalcooleiro capixaba para debater a possibilidade de redução do ICMS. Neste ano, para fundamentar tecnicamente essa decisão, o secretário recebeu o estudo concluído em abril pelo economista Orlando Caliman, sob encomenda das organizações do setor no estado.

Em seguida, as organizações iniciaram a apresentação do estudo a deputados estaduais, tendo inclusive recebido o deputado Coronel Quintino em uma reunião, em Itapemirim (ES), onde o deputado se comprometeu a agendar uma audiência pública sobre o assunto, na comissão de agricultura da Assembleia Legislativa, para as próximas semanas. O deputado também buscaria agendar uma reunião com o secretário de Estado de Agricultura, Paulo Foletto.

As quatro organizações que assinam o documento com Orlando Caliman são : 1) a Associação dos Plantadores de Cana do ES; 2) o Sindiquímicos – Sindicato das Indústrias de Produtos Químicos para Fins Industriais, de Produtos Farmacêuticos, Preparação de Óleos Vegatais e Animais, de Sabão e Velas, da Fabricação de Álcool, de Tintas e Vernizes e de Adubos e Corretivos Agrícolas do ES; 3) o Sindilques – Sindicato das Empresas de Transportes de Cargas Líquidas, Inflamáveis, Gasosas, Corrosivas, Químicas e Petroquímicas do ES; e 4) o Sindipostos – Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do ES.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados