Redes sociais: aliadas ou vilãs?

 (Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)
Muitas pesquisas envolvendo as redes sociais têm analisado as transformações da sociedade sob a interferência dos novos modos de interações e conexões nos espaços digitais.

Enquanto dados mostram que plataformas comunicacionais com ferramentas de fotos e vídeos, como YouTube, Facebook e Instagram, atraem milhares de usuários - com variados propósitos, existem pesquisas que apontam que o uso das redes sociais influencia na insatisfação com a imagem corporal, sobretudo, doa adolescentes, considerando ainda que quanto mais vezes eles acessam as redes ao dia, há mais chances de se sentirem insatisfeitos com o corpo.

Seria, então, as redes sociais uma ameaça para sustentação de graves problemas sociais e de saúde, como a depressão e os suicídios?

Para tal questionamento é válido analisar os usuários das redes sociais digitais a partir da psicologia social sob uma perspectiva de Representações Sociais, considerando tanto a individualização quanto a socialização, proposta pelo psicólogo francês Serge Moscovici.

Ele acredita que o papel das representações partilhadas é o de assegurar que sua existência é possível e explicita que é justamente este estado de coisas que torna a noção de conflito tão essencial, quer se trate de transformações cognitivas, quer se trate de comunicações públicas. Para ele, sem essa noção não se pode compreender nem o dinamismo da sociedade nem a mudança de qualquer uma das partes que a compõem.

Vale lembrar, ainda, a relação tempo x espaço sob a visão de Milton Santos, a fim de compreender as variantes relações e as subjetividades que envolvem os indivíduos inseridos no universo digital. O geógrafo considera que apesar de toda imersão às novas ações que as redes digitais possibilitam na atualidade, existe toda uma materialidade herdada de uma formação cercada de transformações do tempo e do espaço em um vasto mundo de territorialidades.

E hoje, os infoterritórios, portanto, acabam interferindo na construção da identidade e formação da imagem dos atores sociais, os quais estão suscetíveis à algumas ações limitadas ao virtual, de forma volátil, e até com certa ilusão, entre a vida real e o mundo digital.

Diante de um universo cibernético e de exposição, surgem novas buscas por inserção social, reconhecimento, prestígio, e consequentemente diferentes manifestações sociais, culturais e psíquicas.

Em “Modernidade Líquida”, o autor Zygmunt Bauman considera que adolescentes equipados com confessionários eletrônicos portáteis são apenas aprendizes treinando e treinados na arte de viver numa sociedade confessional, por transformar o ato de expor publicamente o privado numa virtude e num dever público.

Não há como negar essa visão de individualismo, fluidez e efemeridade considerada por Bauman, mas é possível também avaliar a condição humana sob uma perspectiva de constante capacidade de se reinventar.

Então, não é simplesmente uma questão de apontar aparatos do mundo moderno – como as redes sociais, em aliados ou vilões, mas encontrar neles possibilidades de romper o paradoxo da história da humanidade, marcada por tantos avanços e sérias regressões, vigentes, ainda, na atual sociedade globalizada.

Lu Lima é jornalista, graduada pela Ufes


últimas dessa coluna


Jogos eletrônicos não são mais sinônimo de sedentarismo

A mãe pergunta à filha como foi o dia de aula, e a menina responde que passou a maior parte do dia disputando jogos eletrônicos. Surpresa, a mãe já se prepara para ligar para a escola e perguntar que …


A influência das mídias sociais sobre as decisões políticas

Estamos observando, no Brasil e em outras partes do mundo, o povo se reunindo através das redes digitais com o objetivo de influenciar as decisões políticas. Será que as principais decisões serão …


O Moscoso não morreu e nem morrerá por causa da violência

O fato ocorrido no dia 15 de janeiro, quando três vidas foram ceifadas de forma brutal, na divisa do bairro Piedade, mesmo em se tratando de um ato isolado, nos causou indignação. Mas foi inaceitável …


A lei e a quebra de contrato na compra de imóveis na planta

Quase no apagar das luzes do ano de 2018, na última sexta-feira, dia 28 de dezembro, foi publicada a Lei Federal nº 13.786, que visa regulamentar a resolução por inadimplemento de contratos de …


Telemedicina traz ganhos, mas não é remédio para todos os males

A divulgação da Resolução nº 2.227/18, do Conselho Federal de Medicina (CFM), que estabelece critérios para prática da telemedicina no Brasil, provocou um grande debate sobre o tema, durante o qual …


Será um desserviço ao País desmantelar aquilo que dá certo

Atualmente, o sistema cooperativista tem sido bastante evidenciado pelo seu constante crescimento e pela sua participação no combate à exclusão social, valorizando o homem pelo que ele é, tornando-o …


A importância do planejamento para se saber aonde quer chegar

Ao receber a resposta de Alice, que diz não saber para onde quer ir, uma vez que estaria perdida, o Gato é enfático: “Para quem não sabe onde quer ir, qualquer caminho serve”. O trecho da história …


Ferida emocional e baixa fé religiosa põem vidas em risco

Revista de circulação nacional diz que acontece um suicídio no mundo a cada 40 segundos. No Brasil, a cada 45 minutos. E em Vitória? Não sabemos, pois a mídia, com a sábia intenção de não incentivar, …


Pacote anticrime de Moro é bom, mas peca em alguns pontos

O ministro Sérgio Moro divulgou as primeiras medidas concebidas para o enfrentamento da criminalidade. Sob o impacto inicial das soluções apontadas, várias análises foram feitas logo após sua …


É direito de alunos terem acesso às informações de seus cursos

Há quase quatro anos, A Tribuna publicou neste mesmo espaço um artigo em que eu falava sobre o Exame de Ordem e o direito à informação. Citei o Projeto de Lei 214/2015, proposto pelo então deputado …