search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Quanto vale um ídolo?
Papo do Dias
Flávio Dias

Flávio Dias


Quanto vale um ídolo?

Pedro brilhou praticamente sozinho contra o Bahia  (Foto: Mailson Santana/Fluminense)
Pedro brilhou praticamente sozinho contra o Bahia (Foto: Mailson Santana/Fluminense)
Num futebol brasileiro em que os jogadores vão embora ainda tão jovens, normalmente antes de terem grandes conquistas pelos clubes daqui, é raro ter um ídolo. Digo ídolo mesmo, aquele cara que tem qualidade, mas também tem liderança, carisma, leva torcida aos estádios, vende camisas e faz o torcedor se sentir representado.

O Fluminense teve dois recentemente. Fred e Conca. O primeiro viveu o auge da carreira com a camisa tricolor. Caiu, levantou, comprou brigas, vestiu a camisa e, claro, fez gols (muitos!) e conquistou títulos e admiração. Saiu de um jeito até hoje mal explicado, mas ainda tem o carinho da torcida tricolor (mesmo daqueles que fingem que não).

Conca foi o xodó da torcida. Um carisma diferente. Calado, tímido, mas de uma entrega tamanha que disputou todos os jogos do título brasileiro de 2010. Saiu e voltou, e já não era o mesmo. E jogou tudo fora ao vestir a camisa do rival, numa passagem apagadíssima que não acrescentou em nada à sua carreira. Conca só foi ídolo no Fluminense. Não é mais.

Hoje, o clube tem um grande ídolo em potencial. Pedro, ou Dom Pedro! Prata da casa, carismático e, desde janeiro deste ano, decisivo. Aos 21 anos, já é o principal jogador do time. É educado, fala bem e faz questão de reverenciar a torcida a cada gol. Um pacote completo para o departamento de marketing de qualquer clube deitar e rolar. Menos o do Fluminense, pelo jeito.

A cada atuação, a cada jogo, a impressão é de que o clube está doido para vendê-lo. E a crise financeira é sempre a desculpa pronta. E nunca resolvida. Por causa dela, já foram vendidos Kenedy, Gerson, Marlon, Wendel, Richarlison... E o clube segue quebrado. Imagina o time de hoje com esses “reforços”.

Dizem que Borussia, Atlético de Madrid, Bordeaux e outros europeus já sondaram a situação do camisa 9. O Fluminense só tem 50% dos direitos dele. Será difícil segurar.

Mas quanto vale um jogador que pode voltar a fazer a torcida feliz, que pode até aumentar o número de torcedores (consumidores) do clube. E ainda te dar retorno dentro de campo?

À torcida tricolor, só resta iniciar logo a campanha #FicaDomPedro.

***

Zé do Fogão

Zé Ricardo chega ao Botafogo (Foto: Vitor Silva/SS Press/Botafogo)
Zé Ricardo chega ao Botafogo (Foto: Vitor Silva/SS Press/Botafogo)
Ídolo é o que não falta na rica história do Botafogo. De Garrinha, Nilton Santos, Zagallo, Jairzinho e tantos outros monstros do futebol mundial.

Que eles inspirem o clube a voltar a pensar grande. Não basta o Zé Ricardo como novidade. É preciso buscar reforços de verdade.

Já disse outras vezes e repito: acho Zé Ricardo um bom treinador, mas nada excepcional. Aceitar o Botafogo de hoje é um risco à curta carreira dele. Mas que possa trabalhar em paz por lá.

***

Fritura em São Januário

Jorginho já balança (Foto: Carlos Gregório Jr/Vasco.com.br)
Jorginho já balança (Foto: Carlos Gregório Jr/Vasco.com.br)
Alguém duvida que Jorginho cai caso o Vasco não goleie a LDU e se classifique na Copa Sul-Americana?


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados