search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Qual é o preço da dor das vítimas da tragédia de Brumadinho?
Tribuna Livre

Qual é o preço da dor das vítimas da tragédia de Brumadinho?

A dor das pessoas lesadas pelo rompimento da barragem em Brumadinho, obviamente, não possui preço. Inexistem valores e medidas capazes de compensarem ou amenizarem os nefastos efeitos desse trágico acontecimento sobre a vida das pessoas e o meio ambiente.

Aqui vale a máxima kantiana: quando uma coisa possui preço, pode ser substituída por algo equivalente; quando está acima de qualquer preço, inadmite equivalência, porque, no caso, o tema é a dignidade humana.

O título, na realidade, objetiva uma reflexão acerca da tarifação do valor do dano moral.

O quantum do dano moral, até a Reforma Trabalhista, era arbitrado pelo Juiz do Trabalho depois de considerar as circunstâncias do caso. Inexistia, com isso, uma quantia determinada.

A Reforma Trabalhista (CLT, 223-G, §1º, I a IV) promoveu um tabelamento do valor do dano moral. O maior percentual seria a ofensa de natureza gravíssima cuja quantia máxima seria de cinquenta vezes o último salário percebido.

Os empregados, inclusive terceirizados, lesados em razão do rompimento da barragem, em tese, possuem direito ao recebimento de reparação por dano moral, entre outros direitos.

As ações deverão ser propostas perante a Justiça do Trabalho por envolverem o tema meio ambiente do trabalho (Superior Tribunal Federal, Súmula n. 736).

O juiz do Trabalho, ao aplicar a CLT (Consolidação das Leis Trabalhistas), contudo, encontrará limites para fixar o valor em virtude do dano moral tarifado.

A previsão normativa é bastante questionável. Inclusive, tramita no STF uma ação direta (ADI nº 6050) cuja pretensão é a declaração de sua inconstitucionalidade.

Além da própria tarifação do valor do dano moral, outro ponto problemático é a sua fixação de acordo com o salário recebido pelo empregado.

Por efeito, o sofrimento e a dor de quem recebe menos terão valores inferiores ao da dor e do sofrimento do empregado cujo salário seja maior.

Essa possibilidade admitiria uma discriminação vedada pela Constituição.

Quando se promove uma reforma legislativa ampla deve haver prévia e exaustiva discussão de todos os seus efeitos na vida das pessoas, sob pena de gerar dificuldades como a que será enfrentada pelos trabalhadores lesados em Brumadinho, o que poderá gerar decisões injustas, com condenações em valores inadequados a título de dano moral.

Acontecimentos como o de Brumadinho exigem respostas céleres e efetivas, punições exemplares dos responsáveis e reparação dos danos gerados.

Nesse último ponto, voltamos ao início: qual é o “preço” da dor da tragédia em Brumadinho?

Para um trabalhador inocente, morto no exercício do seu direito de trabalhar, de forma trágica, cruel e sem possibilidade de se defender, esse valor, a título de dano moral, poderá ser, no máximo, cinquenta vez o valor de seu último salário. Esse, infelizmente, será o “preço” da dor moral em Brumadinho.

Esse é o momento para refletirmos sobre o valor do dano moral tarifado advindo da Reforma Trabalhista.

Podemos aprender com Brumadinho. A dor sem preço de todas as pessoas lesadas exige essa atitude.

Bruno Gomes Borges da Fonseca é procurador do Trabalho na 17ª Região e professor de Direito do Trabalho da Faculdade de Direito de Vitória (FDV).


últimas dessa coluna


Exclusivo
Tribuna Livre

Medidas adotadas nos EUA que serviriam muito bem ao Brasil

O índice de percepção da corrupção criado pela ONG Transparência Internacional é o principal indicador de corrupção no setor público do mundo. Criado em 1995, o índice é publicado anualmente, em mais …


Exclusivo
Tribuna Livre

Educação especial durante a pandemia aproxima pais e filhos

Que o isolamento social proposto como medida de prevenção à Covid19 tem possibilitado a reorganização e o fortalecimento dos núcleos familiares, isso é fato. O tempo, que antes nos faltava, agora …


Exclusivo
Tribuna Livre

O piloto, a governança e o Tribunal de Contas

Imagine estar em um voo tranquilo, quando de repente as condições mudam drasticamente e o avião ameaça colapsar. O que se espera do piloto naquele momento? Que ele tome decisões assertivas de maneira …


Exclusivo
Tribuna Livre

Preconceito e sofrimento mental em tempos de pandemia

Vivenciar uma quarentena com todo o recolhimento que a mesma nos impõe (isolamento social e familiar), com mudança ou perda do trabalho, paralisação do ir e vir e a crise econômica que já bate às …


Tribuna Livre

Médicos estrangeiros podem ajudar no combate à pandemia

Milhares de médicos formados no exterior aguardam há três anos pelo exame que habilita para o exercício da profissão. O Revalida, exame de revalidação de diplomas de Medicina, aplicado pelo Instituto …


Exclusivo
Tribuna Livre

Telemedicina como solução para a “terceira onda” do coronavírus

O mundo neste momento se uniu em uma pesquisa maciça sobre o novo coronavírus. As medidas de prevenção, estatísticas de óbitos por região, opiniões sobre isolamento são narradas por leigos e …


Exclusivo
Tribuna Livre

Duas pandemias: Covid-19 e obesidade

Desde que a OMS classificou a Covid-19 como uma pandemia, a população vivencia mudanças na vida e na comunicação sobre saúde. Medidas de isolamento social para conter o avanço da doença foram …


Exclusivo
Tribuna Livre

Estudo mostra que autismo cresce no mundo e no Brasil

O mais novo levantamento do Centro de Controle de Doenças e Prevenção (CDC) dos Estados Unidos traz números preocupantes sobre a prevalência do Transtorno do Espectro Autista (TEA) no País, acendendo …


Exclusivo
Tribuna Livre

Mundo não será mais o mesmo depois da pandemia

Viveremos, no pós-pandemia do novo coronavírus, um “new normal”, ou seja, um novo normal. O mundo não será mais o mesmo. As nossas vidas não serão mais as mesmas. Mudanças que o mundo demoraria …


Exclusivo
Tribuna Livre

Tratamento do câncer infantil deve continuar durante pandemia

Tempos difíceis. O vírus, que nos últimos meses transformou a vida das pessoas, chegou para somar num universo de problemas de saúde pré-existentes, entre eles, o câncer, que acomete crianças e …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados