Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Promotoria reabre investigação contra Assange por suspeita de abuso sexual

Notícias

Internacional

Promotoria reabre investigação contra Assange por suspeita de abuso sexual


A Promotoria sueca reabriu nesta segunda (13) uma investigação contra o programador australiano Julian Assange por abuso sexual.

A acusação remonta a 2010, mas a apuração do caso havia sido suspensa em 2017 porque o fundador do Wikileaks pedira asilo na embaixada do Equador em Londres em 2012, e não havia perspectiva de que saísse do edifício.

Em abril, o Equador expulsou Assange de sua representação diplomática e o entregou para a polícia britânica. Ele então foi preso por desrespeitar as condições de sua liberdade condicional e, dias depois, condenado a uma reclusão de 50 semanas, pelo mesmo delito.

No fim de 2010, diante do avanço da investigação do suposto estupro na Suécia, o programador se entregou às autoridades do Reino Unido. Pagou fiança e logo foi libertado.

Quando esgotou os recursos contra o mandado de extradição emitido pela Suécia, buscou refúgio na embaixada equatoriana, infringindo os termos de sua condicional.

Segundo a defesa do australiano, o temor era de que a transferência para a Suécia fosse o primeiro passo de uma extradição para os Estados Unidos, onde ele é acusado de vazar documentos diplomáticos e militares secretos -relativos, por exemplo, ao monitoramento de aliados dos EUA pela inteligência de Washington.

O processo contra Assange nos EUA prevê pena de até cinco anos de prisão.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados