Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Professor de luta vítima de bala perdida foi morto na frente do filho

Notícias

Polícia

Professor de luta vítima de bala perdida foi morto na frente do filho


Jean Rodrigo Aldrovande, 39, morto após ser baleado na última terça-feira (14), no Complexo do Alemão, zona norte do Rio de Janeiro, era visto como uma referência na comunidade. Professor de jiu-jitsu em um projeto social, ele tinha o sonho de tirar jovens carentes da criminalidade por meio do esporte, mas teve a meta interrompida após levar um tiro.

A versão dos familiares é que policiais entraram atirando na rua em que o atleta estava, e uma bala o atingiu na cabeça. Um outro rapaz, que frequentava a mesma academia, também foi atingido e levado ao Hospital Estadual Getúlio Vargas.

Jean Rodrigo Aldrovande tinha 39 anos e foi morto no Complexo do Alemão, zona norte do Rio de Janeiro. (Foto: Reprodução/Redes Sociais)
Jean Rodrigo Aldrovande tinha 39 anos e foi morto no Complexo do Alemão, zona norte do Rio de Janeiro. (Foto: Reprodução/Redes Sociais)

Um dos quatro filhos, que também era aluno de Jean Aldrovande, estava presente no momento dos disparos e viu o pai ser morto.

"Ele sempre foi um pai maravilhoso, um filho melhor ainda. Sempre foi amigo, conselheiro, fazia o bem sem olhar a quem, sempre estava disposto a ajudar. Ele era muito brincalhão, de tudo fazia piada e ria", conta a irmã do atleta, Scarlat Aldrovande, em entrevista ao UOL Esporte.

"Ele já havia passado por situações difíceis na vida, mas venceu. Sempre amou a luta e tinha o sonho de ensinar para as pessoas carentes, para tirar os jovens da criminalidade. Ele conseguiu ajudar muitos."

O sentimento da família é de revolta, principalmente com as autoridades do Rio de Janeiro. Scarlat Aldrovande chamou os policiais de "despreparados" e acredita que o culpado pela morte do irmão ficará impune.

"Fica a raiva, revolta e tristeza. Um bando de homens despreparados saem atirando em pessoas inocentes sem pensar que poderia ser o irmão deles ou algum familiar deles", diz. "A maior revolta é saber que o imbecil vai sair impune e vida que segue. E quem sofre e chora somos nós."

Nascido no Rio de Janeiro e morador do Complexo do Alemão durante a maior parte da vida, Jean Aldrovande mudou para o bairro de Vaz Lobo há pouco tempo. Ele, no entanto, sempre estava na comunidade em que foi criado, para dar aulas. Em muitas das vezes, o professor fazia o trajeto de casa ao trabalho a pé e levava cerca de 1h30min.

"Ele ia andando de Vaz Lobo para o Alemão só para dar aula. Sempre foi extremamente apaixonado por jiu-jitsu, o sonho dele era ser faixa preta. Quando ele trocou de faixa, me ligou todo feliz que agora faltava pouco para conseguir o objetivo", afirma a irmã do atleta.

"A maior dor que existe é saber que não vou ver nunca mais meu irmão brincando, rindo. Nunca mais vou poder abraçá-lo", conta Scarlat Aldrovande.

Procurada pelo UOL Esporte, a Polícia Militar do Rio de Janeiro afirmou que policiais foram informados sobre o caso e, ao chegarem ao local, "constataram o fato e já se depararam com uma manifestação na Estrada Adhemar Bebiano, tendo então atuado para estabilizar a região. A Delegacia de Homicídios foi acionada."

O comando da CPP (Coordenadoria de Polícia Pacificadora) ouviu os policiais e iniciou procedimento para averiguar as circunstâncias das ocorrências.

VEJA NA ÍNTEGRA O COMUNICADO DA POLÍCIA MILITAR DO RIO DE JANEIRO:

"A Assessoria de Imprensa da Secretaria de Estado de Polícia Militar informa que, na tarde de terça-feira (14/05), equipes das Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) do Complexo do Alemão em patrulhamento pela Estrada Velha da Pavuna com a Rua Carmem Cinira, Inhaúma, foram alvo de disparos de arma de fogo realizados por dois criminosos em duas motos. Houve confronto. Após o terreno estabilizado, a guarnição procedeu para a delegacia para registrar o fato.

Posteriormente, outra equipe policial em patrulhamento foi informada que um homem estaria ferido no Hospital Estadual Getúlio Vargas e havia outro morto na Rua Canitar. Chegando ao local, os policiais constataram o fato e já se depararam com uma manifestação na Estrada Adhemar Bebiano, tendo então atuado para estabilizar a região. A Delegacia de Homicídios foi acionada.

O comando da Coordenadoria de Polícia Pacificadora (CPP) ouviu os policiais e iniciou procedimento apuratório par a averiguar as circunstâncias das ocorrências."


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados