search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Processo demora e obras de nova ferrovia até Anchieta vão atrasar
Economia

Processo demora e obras de nova ferrovia até Anchieta vão atrasar

Publicidade | Anuncie

As obras da nova malha férrea da Estrada de Ferro Vitória a Minas (EFVM), que ligaria a Estação Pedro Nolasco, em Cariacica, ao Porto de Ubu, em Anchieta vão demorar mais um pouco para sairem do papel. Isso porque a renovação da concessão da EFVM para a Vale não ficará resolvida até o fim do ano, contrariando a previsão inicial do governo. A nova estimativa é de que a situação se resolva só no segundo trimestre de 2020.

O adiamento ocorre após a decisão da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), de realizar uma estimativa própria do valor do transporte do minério de ferro, já que a Vale controla toda a cadeia do processo e não haveria confiabilidade em seus dados. Com isso, as estimativas da empresa fizeram o valor de outorga da estrada de ferro subir em 100%, passando a valer cerca de R$ 4 bilhões.

Além disso, o Tribunal de Contas da União (TCU), que aprovaria a alteração e autorizaria a renovação, está atualmente analisando o processo de outra malha férrea, a Malha Paulista, atualmente sob a concessão da Rumo.

Esses fatores fizeram com que a renovação da EFVM e de outra malha férrea em posse da Vale ficassem para 2020. A outra malha térrea, inclusive, seria a Ferrovia do Centro-oeste (FICO), que também passaria por obras da Vale como forma da empresa realizar o pagamento do valor da outorga divulgado.

A expansão da malha férrea da EFVM até Anchieta é visto como o primeiro passo para realizar a ligação entre alguns dos portos mais importantes do Sudeste, tendo em vista que a malha ligaria o Porto de Vitória, o Porto de Tubarão e o Porto de Ebu, além de a ANTT pretender realizar estudos para verificar a viabilidade técnica de um projeto que prevê a ampliação da estrada de ferro até o Rio de Janeiro, ligando os principais portos dos dois estados.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados