search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Primeira estrada do Estado completa um século
Tribuna Livre

Primeira estrada do Estado completa um século

Adriano Lima Neves  (Foto: Tribuna Livre)
Adriano Lima Neves (Foto: Tribuna Livre)
Ao transitar pelas inúmeras estradas de rodagem que interligam os mais remotos rincões do nosso Estado, pouca ou nenhuma memória nos vem à tona para nos remeter a um passado relativamente recente, de apenas 100 anos, quando não existia sequer uma só estrada por essas bandas.

Apesar da maioria dos leitores já ter ouvido falar na Rota Imperial São Pedro de Alcântara, que vai de Santa Leopoldina até Irupi, no trecho capixaba, e dali até Ouro Preto, em Minas Gerais, ou conheça a história dos bravos tropeiros que cruzavam o nosso estado fazendo circular a riqueza daqueles tempos remotos, nenhum desses caminhos existentes até o dia 12 de maio de 1919 podia ser chamado de “estrada de rodagem”.

A inauguração dessa nova era do transporte em nosso Estado se iniciou exatamente há um século, quando foi inaugurada a primeira rodovia intermunicipal para o trânsito de caminhões e automóveis do Espírito Santo: a rodovia Bernardino Monteiro, que liga Santa Leopoldina a Santa Teresa.

O início desse marco da história capixaba se deu em 11 de março de 1917, através de uma parceria público privada firmada entre o governo de Bernardino Monteiro e quatro grandes empresas comerciais de Santa Leopoldina e Santa Teresa: J. Reisen, Vervloet Irmãos & Cia, Franz Muller & Cia e Ewald & Cia.

Três meses após, mesmo com todas as limitações da engenharia da época, já estava pronto o primeiro trecho da chamada Serra do Freitas. Nesse primeiro trecho, conhecido como “Nove Horas”, foi construído o Viaduto Scapardini, um desafio para a engenharia da época, batizado em homenagem ao Cardeal Dom Ângelo Jacintho Scapardini, autoridade católica de origem italiana, que visitou as obras da estrada em setembro de 1917, trazendo ânimo espiritual aos trabalhadores, principalmente os italianos de devoção católica que trabalhavam naquela obra.

Nesse mesmo mês, foram importados da Europa dois caminhões Sauer, chegados ao porto fluvial de Santa Leopoldina em canoas, e que em janeiro de 1918 já alcançavam o quilômetro 11 da estrada, ajudando muito no ritmo dos trabalhos. Considerado o mais perigoso e difícil da obra, o trecho sinuoso conhecido como Serra do Alvarenga ladeava uma cascata que havia testemunhado muitas perdas de cargas e mulas, em função das quedas ocorridas no abismo, principalmente em épocas de chuva intensa.

Hoje essa cascata é conhecida como Cachoeira Véu de Noiva, mas à época da construção dessa estrada ficou conhecida como Cascata do Lençol, em função da necessidade de se cobrir com um lençol para não se molhar, dada a nuvem de água que se desprendia da volumosa queda d'água.

Esses primeiros viajantes já atingiam a Serra dos Polacos, a última serra antes de chegar a Santa Teresa, a bordo de um ônibus conhecido como Alpino, que iniciou esse serviço de transporte em junho de 1918.

E em 15 de agosto de 1918, finalmente os primeiros automóveis já conseguiam chegar a Santa Teresa, causando furor na população daquela cidade, tamanha a alegria de saber que se podia ir de uma cidade a outra a bordo de um confortável automóvel.

Finda essa pioneira obra, que ficou a cargo do engenheiro Henrique de Novaes, o governador Bernardino Monteiro a inaugura em 12 de maio de 1919, em uma festa de gala cujos convidados puderam saborear uma sobremesa desconhecida para a maioria àquela época: o sorvete. Há apenas 100 anos...

Adriano Lima Neves é administrador de empresas e escritor


últimas dessa coluna


Exclusivo
Tribuna Livre

Sábio é quem aprende com a experiência alheia

Na semana passada, tivemos por aqui, nos Estados Unidos, a celebração do famoso feriado de Thanksgiving (Dia de Ação de Graças, destinado a agradecer a Deus os bons acontecimentos do ano). Aproveitam…


Exclusivo
Cidades Tribuna Livre

É preciso priorizar a mobilidade das pessoas e não dos veículos

Todos querem viver numa cidade que ofereça uma boa qualidade de vida. Para tanto, faz-se necessário compreendermos a “mobilidade peatonal”, reconhecendo os pedestres nos planejamentos estratégicos …


Exclusivo
Tribuna Livre

Por que o Tribunal de Contas deu certo

O Tribunal de Contas do Espírito Santo completou 62 anos de existência em 2019. Por desairosa que seja, a verdade é que, ao longo do tempo, consumiu imensos recursos públicos em ajustes políticos que …


Exclusivo
Tribuna Livre

Os jogos precisam ser legalizados no Brasil

O ano era 1946. No dia 30 de abril, foi publicado o Decreto Lei 9215 que proibiu os (erroneamente) denominados jogos de azar. Os fundamentos da proibição? Que a repressão aos jogos de azar é um …


Exclusivo
Tribuna Livre

O ônus do Judiciário e o Legislativo que joga para a plateia

Não é a primeira vez, e certamente não será a última, que vivenciamos certas articulações, no núcleo do poder, com o objetivo, simplesmente, de tentar limpar imagens manchadas e acalmar os ânimos da …


Exclusivo
Tribuna Livre

Comer bem para viver bem

Mesmo antes das muitas descobertas científicas que revolucionaram o entendimento sobre o funcionamento do corpo humano; a correlação entre alimentação, atividades físicas e condições de saúde já era …


Tribuna Livre

Raízes capixabas de Ayrton Senna

Ayrton Senna da Silva marcou nossas manhãs de domingo e fazia-nos sentir mais brasileiros, numa época de muito descrédito com o país, por sua ousadia, destreza e espírito de campeão. Tornou-se ídolo …


Exclusivo
Tribuna Livre

Eu sou real. E você?

Nunca na história da humanidade vivemos um momento de tantas, intensas e tão rápidas transformações como o que presenciamos hoje. Em cerca de três décadas, equipamentos, até então considerados …


Exclusivo
Tribuna Livre

Adeus, prisão!

O Código de Processo Penal vigente, em seu texto original (Decreto-Lei nº 3.689, de 3/10/1941), no art. 393, previa: “São efeitos da sentença condenatória recorrível: I - ser o réu preso ou …


Exclusivo
Tribuna Livre

Black Friday e as mudanças no comportamento do consumidor

Há alguns anos venho observando que o fenômeno americano tem cada vez mais entrado na vida dos consumidores brasileiros. A tão aguardado Black Friday chega em poucos dias, mas se pararmos para pensar …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados