Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Presídio do Estado superlotado com mais de 1.280 estupradores

Notícias

Polícia

Presídio do Estado superlotado com mais de 1.280 estupradores


Presídio Estadual de Vila Velha (PEVV-V)  é exclusivo para presos que cometeram crimes sexuais graves (Foto: Divulgação / Sejus)
Presídio Estadual de Vila Velha (PEVV-V) é exclusivo para presos que cometeram crimes sexuais graves (Foto: Divulgação / Sejus)

As cadeias do Estado têm, hoje, 60% de presos a mais do que conseguem suportar. A superlotação viola resolução do Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária (CNPCP), do Ministério da Justiça, que é de 37,5% acima do permitido.

Em especial, uma cadeia chama a atenção da própria Secretaria de Justiça (Sejus): o Presídio Estadual de Vila Velha (PEVV-V), construído para isolar acusados de crimes sexuais, como estupro de vulnerável. Construído para comportar 680 pessoas, o local hoje tem 1.280 detentos, entre homens e mulheres.

A capacidade do sistema penitenciário capixaba como um todo é de 13.863 pessoas, mas hoje conta com 23.340 detentos, 9.477 a mais do que foi projetado. São 22.087 homens e 1.253 mulheres condenados ou aguardando julgamento.

A superlotação é reconhecida pelo Estado e os a dados foram passados pelo subsecretário de Estado da Justiça para Assuntos Penais, Alessandro Ferreira de Souza.

Para o advogado criminalista Flávio Fabiano, o número de acusados e condenados por crimes sexuais é assustador. “São crimes que causam um grande impacto social, uma vez que marcam a vida da vítima. Então, saber que, no Estado, o número desse tipo de crime é alto, realmente assusta”.

O titular da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA), delegado Diego Aleluia, informou que, de janeiro a março, deste ano, a unidade concluiu pelo menos 177 inquéritos que investigavam suspeitos de pedofilia no Estado. Cerca de dois inquéritos por dia, em média.

Ele frisou que a prisão desses pedófilos e estupradores tem ajudado na redução dos casos. “A prisão deles é o único meio de cessar essas atividades criminosas. O pedófilo só para de cometer o crime quando é preso. Isso é fato”.

O delegado orientou os pais a ficarem sempre atentos ao comportamento dos filhos e a ensiná-los a denunciar investidas de pedófilos. “Geralmente, essas crianças se isolam, perdem o interesse de ir à escola. Em alguns casos, até tentam o suicídio. Aos pais, cabe ficar atentos a esses comportamentos e, havendo a certeza do abuso, procurar a del

Veja a reportagem completa no Jornal A Tribuna desta segunda-feira (15).


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados