Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Preço do combustível nas calendas
Blog Luiz Trevisan

Preço do combustível nas calendas

“O mercado de petróleo e derivados tem experimentado um forte movimento de queda de preços... Mas quando isso vai se refletir efetivamente no bolso do consumidor? Bem, aí já é coisa que vai pras calendas gregas... Nem a turma do Posto Ipiranga sabe”

Nos últimos três meses, o preço da gasolina vendida nas refinarias pela Petrobras baixou 17 vezes, resultando numa queda de 32,5%. Contudo, essa redução não chega ao bolso do consumidor, quando muito vem em conta-gotas. O valor do litro agora na porta da refinaria custa R$ 1,5, mas na bomba sai por três vezes mais, em média. Essa multiplicação de valor é atribuída aos impostos, principalmente. Mas entre a refinaria e a bomba dos postos o produto também engorda por conta da logística.

Volta e meia, algum posto de revenda faz promoção desonerando o litro por algumas horas. Então o preço sai um pouco acima de R$ 2,00 e atrai filas quilométricas. Um gerente de posto da Praia do Canto aponta que o vilão é mesmo o imposto alto e que o estabelecimento trabalha com margem reduzida de lucro. Garante que o dono anda até pensando em arrendar o espaço, encravado numa das áreas mais nobres de Vitória. Se ali for mesmo assim, imagina na... Jamaica.

Há outra notícia boa, em tese, para o consumidor: o mercado de petróleo e derivados tem experimentado um forte movimento de queda de preços, com o barril saindo de uma máxima de US$ 86, no início de outubro, fechando a US$ 58,80 dias atrás. Contribui para isso o aumento de oferta, principalmente por causa da maior produção americana conjugada com a da Opep. Porém, quando isso vai se refletir efetivamente no bolso do consumidor? Bom, aí já é coisa que vai pras calendas gregas, como se dizia nos primórdios da elaboração dos calendários.

A propósito, já prestou atenção no atual calendário? Percebeu a velocidade do tempo escorrendo. Que 2019 bate à porta para começar tudo de novo? E vamos rebobinar aniversário, Natal, Ano Novo, Carnaval, Dia dos Pais, dos Namorados, novas taxas, matrículas etc. Há quem diga que o sujeito que inventou o calendário era capitalista nato de boa cepa. E que, ao longo dos milênios, sua invenção ajudou a passar a perna em Marx, Hegel e outros menos cotados.

Pesquisas indicam que o primeiro calendário surgiu na Mesopotâmia, por volta de 2700 a.C., provavelmente entre os sumérios, e foi aprimorado pelos caldeus. O primeiro calendário solar foi criado pelos egípcios em meados do terceiro milênio antes de Cristo. Muito mais preciso, já tinha 365 dias. Hoje, utilizamos o calendário gregoriano, que não sofre influência do movimento dos astros. Foi instituído em 1582 pelo Papa Gregório XIII (1502-1585), que reformou o calendário Juliano – uma herança do Império Romano.

De calendae, os romanos criaram o adjetivo calendarius, "relativo às calendas", e o substantivo calendarium, com o qual designavam o livro de contas diárias e, mais tarde, o registro de todos os dias do ano. O calendário dos gregos não tinha calendas e, assim, os romanos conceberam a expressão que também era usada ironicamente para definir a data de algo que jamais ocorreria.

Vem daí o popular Dia de São Nunca, que se encaixa na resposta para a pergunta rotineira feita nos postos de combustíveis da vida: quando esse preço vai baixar de fato? Nem a turma do posto Ipiranga sabe responder.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados