Fabiana Tostes

Fabiana Tostes


PP desembarca da prefeitura

Sede da Prefeitura de Vitória (Foto: Antonio Cosme - 29/10/2015)
Sede da Prefeitura de Vitória (Foto: Antonio Cosme - 29/10/2015)

O PP está de malas prontas para deixar a gestão de Luciano Rezende na Prefeitura de Vitória. Aliados desde a campanha de 2012, a relação caminha para o rompimento depois que o novo presidente da Câmara, Cléber Félix (PP), exonerou 35 comissionados da Mesa Diretora indicados por vereadores aliados do prefeito, que teria prometido retaliação.
O desembarque foi confirmado pelo presidente do PP de Vitória, Marcos Delmaestro. “Estamos deixando a gestão, é um ciclo que se encerra para iniciar outro”, disse Delmaestro. Ele mesmo está deixando o cargo de assessor especial da Secretaria de Governo do prefeito. Segundo ele, são 15 pessoas ao todo, indicadas pelo PP, que vão deixar a prefeitura. Todas devem ser abrigadas no governo estadual.
“Estamos indo para o governo. Nossa relação com Luciano continua tranquila, mas o comando estadual do PP ficou um pouco balançado”, disse Delmaestro.

Postura independente

Questionado se na Câmara o PP iria para a oposição, Delmaestro afirmou que o presidente da Casa, Cléber Félix, vai manter uma postura de independência. “A posição do Clebinho é de ajudar a cidade”.
O presidente fez coro: “Mantenho minha palavra de garantir a governabilidade dele (Luciano Rezende) na Câmara. Sempre com diálogo”, disse.

Bate aqui, grita lá

Uma das exoneradas pelo presidente da Câmara de Vitória, Cléber Félix, foi Gabriela Silvério, que foi indicada pelo vereador Leonil Dias e é nora do vereador da Serra Nacib Haddad.
Por sua vez, a Câmara da Serra abriga Thiago Bandeira Silva, que é filho de um aliado de Leonil e pode ter o mesmo fim, acabar exonerado.

De volta ao Palácio

Por muito tempo sem pisar no Palácio Anchieta e sem ser recebido pelo governador, o prefeito de Vitória, Luciano Rezende, será recebido hoje às 10h na sede do governo pelo governador Renato Casagrande. Vai levar as demandas da capital. Luciano é o 1º prefeito a ser recebido por Casagrande.

Agenda lotada

O governador deve cumprir seis agendas de encontros com ministros em sua visita a Brasília, amanhã. Às 11h deve se encontrar com o ministro de Desenvolvimento Regional, Gustavo Henrique Canuto. Às 14h, leva as demandas do Estado ao ministro do Turismo, Marcelo Antonio.
Às 16h, se encontra com o ministro Sérgio Moro, da Justiça, e às 17h vai ao Ministério da Infraestrutura. Casagrande também vai ao TCU tratar da BR-262.

Pazolini deve ficar longe da Corregedoria

Não que ele queira, mas se o delegado e deputado eleito Lorenzo Pazolini virar corregedor da Assembleia terá de pedir afastamento, caso o suplente Luiz Durão assuma o mandato e a Corregedoria analise eventual processo por sua cassação. Isso porque, por estar à frente do inquérito, Pazolini não pode participar do julgamento. Para abrir o processo, a Corregedoria precisa ser provocada e, se Pazolini for o corregedor, o vice-corregedor assume o caso.

Justiça ou colegas

A Procuradoria da Assembleia foi demandada pela Mesa Diretora para se pronunciar a respeito de Durão, mas ainda aguarda ser notificada pela Justiça. Segundo o procurador-geral da Ales, Rafael Guimarães, Durão só pode perder o mandato por decisão judicial ou plenária – esta ocorre após processo na Corregedoria.

Votação do Orçamento

O presidente da Assembleia, Erick Musso, cancelou a reunião de hoje do Colégio de Líderes e convocou os deputados para uma sessão amanhã para deliberar sobre as sessões extras que vão votar o Orçamento. A mensagem do governo pede que a Ales funcione de amanhã até dia 14.

Tenso!

Não anda nada boa a relação do deputado Sergio Majeski com o prefeito Luciano Rezende. Majeski tem feito críticas públicas à gestão. Na posse de Casagrande, os dois sentaram próximos, mas nem se cumprimentaram.