Posse de arma de fogo e violência doméstica

Como é de sabença geral somos um dos países que mais mata suas mulheres no mundo. Ser mulher no Brasil é genuinamente um ato de heroísmo. As estatísticas desautorizam olvidar a necessidade premente de se promover políticas públicas que decididamente assegurem à mulher uma vida livre e independente, sem violência, em todas as etapas de sua vida.

E a guilhotina da mulher brasileira não é a rua, seu carrasco não é desconhecido transeunte. O martírio da mulher é dentro de casa, seu algoz seu marido, companheiro ou mesmo namorado. A definitiva destruição moral e psicológica até o feminicídio são os votos matrimoniais e de intimidade daquilo que em nosso país chamamos de casamento.

Com a prometida e já esperada facilitação da posse de arma de fogo a questão da violência doméstica e familiar contra a mulher em nosso país tende a se agravar.
O potencial lesivo da arma inquestionavelmente transmutará quase que automaticamente os casos de ameaça e lesão corporal dentro de casa em homicídio consumado, tornando impossível a defesa da mulher.

Desde sua edição em 2006 a Lei Maria da Penha assinala como a primeira no rol de suas medidas protetivas a “suspensão da posse ou restrição do porte de armas, com comunicação ao órgão competente” (Art. 22, I). Com a rigidez do Estatuto do Desarmamento este dispositivo é costumeiramente utilizado na praxe forense para os casos de cônjuges ou companheiros agressores que possuem sua atividade profissional relacionada ao porte de arma de fogo. Tanto que o §2º do Art. 22 deixa o “superior imediato” do agressor como responsável pelo cumprimento da determinação judicial.

Uma vez flexibilizado o Estatuto do Desarmamento, difundido o corrente registro de armas de fogo no Brasil, quando da lavratura do boletim de ocorrência ou ajuizamento de medida protetiva de urgência a mulher deverá sempre ser questionada a respeito da posse de arma de fogo pelo seu cônjuge ou companheiro, de modo a requerer liminarmente sua entrega ao órgão competente.

Geralmente, a medida protetiva de urgência não atinge o regime de visitação aos filhos, fixado pela Vara de Família. Também não impede a ida do agressor à creche ou escola dos menores, sob qualquer pretexto. É precisamente aí que oportunamente o agressor sabe que pode fazer valer, mais uma vez, seu ímpeto de crueldade e brutalidade contra sua ex-companheira, movido pela torpeza com a qual sempre embalava seu relacionamento.

Para se evitar uma tragédia ainda maior, neutralizando a ação do agressor, dentre as diversas medidas protetivas ao alcance da mulher, aquela que suspende a posse ou restringe o porte de arma deverá se tornar profilaxia processual automática e obrigatória. O próprio ciclo da violência doméstica autoriza essa medida acauteladora para se evitar a reiteração criminosa fatal.

Cumpre, assim, ao Estado brasileiro quando da flexibilização do Estatuto do Desarmamento cercar a mulher vítima de violência doméstica e familiar de todas as cautelas, no plano jurídico e legal, que lhe assegurem o direito à vida, conferindo-lhe atendimento imediato e urgente para os casos de agressores com registro de arma de fogo.

Carlos Eduardo Rios do Amaral é defensor Público do Estado do Espírito Santo
 


últimas dessa coluna


Cosmopolitismo e a ideia de mundo comum

O cosmopolitismo se funda na crença de que o mundo constitui uma grande pólis e que os seres humanos compartilham características essenciais que os unem, ou deveriam uni-los, em uma ordem global, que …


Mediação e arbitragem: boas práticas para o desenvolvimento

Em março, comemoramos o primeiro ano da Câmara de Conciliação, Mediação e Arbitragem Findes/Cindes. Um espaço alternativo para a solução de questões jurídicas e acesso à Justiça com mais celeridade, …


A liberdade e os Princípios de Bangalore de Conduta Judicial

Nós, brasileiros, temos um baixo apreço por uma distinção fundamental. Falemos sobre o conceito de liberdade e a ideia de direitos e deveres. Se tenho um direito, do outro lado existe um dever. …


Porque odiamos

A excitação raivosa faz sangrar os dias. O veneno verbal destempera com fel o sabor da vida. A indelicadeza onipresente esgarça com garras afiadas os véus do pudor, os laços da lealdade e as tramas …


A primeira fake news da República

Espalhar notícias falsas é uma maneira relativamente barata de se fazer uma guerra informacional para arruinar reputações ou celebrar virtudes aparentes. Os instrumentos de comunicação super-rápida …


Capixaba relata emoção da Paixão de Cristo em Nova Jerusalém

"A Paixão de Cristo", em Nova Jerusalém, Pernambuco, atrai multidão, que se emociona diante do grande espetáculo de fé. A encenação ocorre em um espaço que é considerado o maior Teatro ao ar livre do …


A prevenção que salva vidas

“Uma pessoa inteligente resolve um problema. Um sábio o previne.” Essa frase, atribuída ao físico alemão Albert Einstein (1874-1955) poderia ser adaptada para quaisquer tipos de atividades preventiva…


A militarização da segurança pública no Rio de Janeiro

A morte do músico Evaldo Rosa dos Santos, quando sua família seguia para um chá de bebê em um veículo que foi alvejado com 80 tiros disparados por membros do Exército, vitimando também seu sogro e um …


O problema do alcoolismo após a cirurgia bariátrica

Vivemos num mundo que vangloria a ditadura do ser magro, corpo definido dentre outros. Ao mesmo tempo vivemos na época do fast food, comida cheia de calorias que leva a obesidade. Buscam-se dietas …


Outro lado da reforma da Previdência é possível

A atual proposta de Reforma da Previdência, se aprovada, gerará economia. Contudo, causará também um imensurável impacto social negativo, pois afetará principalmente os mais pobres que, durante toda …