Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Posse de arma de fogo e violência doméstica
Tribuna Livre

Posse de arma de fogo e violência doméstica

Como é de sabença geral somos um dos países que mais mata suas mulheres no mundo. Ser mulher no Brasil é genuinamente um ato de heroísmo. As estatísticas desautorizam olvidar a necessidade premente de se promover políticas públicas que decididamente assegurem à mulher uma vida livre e independente, sem violência, em todas as etapas de sua vida.

E a guilhotina da mulher brasileira não é a rua, seu carrasco não é desconhecido transeunte. O martírio da mulher é dentro de casa, seu algoz seu marido, companheiro ou mesmo namorado. A definitiva destruição moral e psicológica até o feminicídio são os votos matrimoniais e de intimidade daquilo que em nosso país chamamos de casamento.

Com a prometida e já esperada facilitação da posse de arma de fogo a questão da violência doméstica e familiar contra a mulher em nosso país tende a se agravar.
O potencial lesivo da arma inquestionavelmente transmutará quase que automaticamente os casos de ameaça e lesão corporal dentro de casa em homicídio consumado, tornando impossível a defesa da mulher.

Desde sua edição em 2006 a Lei Maria da Penha assinala como a primeira no rol de suas medidas protetivas a “suspensão da posse ou restrição do porte de armas, com comunicação ao órgão competente” (Art. 22, I). Com a rigidez do Estatuto do Desarmamento este dispositivo é costumeiramente utilizado na praxe forense para os casos de cônjuges ou companheiros agressores que possuem sua atividade profissional relacionada ao porte de arma de fogo. Tanto que o §2º do Art. 22 deixa o “superior imediato” do agressor como responsável pelo cumprimento da determinação judicial.

Uma vez flexibilizado o Estatuto do Desarmamento, difundido o corrente registro de armas de fogo no Brasil, quando da lavratura do boletim de ocorrência ou ajuizamento de medida protetiva de urgência a mulher deverá sempre ser questionada a respeito da posse de arma de fogo pelo seu cônjuge ou companheiro, de modo a requerer liminarmente sua entrega ao órgão competente.

Geralmente, a medida protetiva de urgência não atinge o regime de visitação aos filhos, fixado pela Vara de Família. Também não impede a ida do agressor à creche ou escola dos menores, sob qualquer pretexto. É precisamente aí que oportunamente o agressor sabe que pode fazer valer, mais uma vez, seu ímpeto de crueldade e brutalidade contra sua ex-companheira, movido pela torpeza com a qual sempre embalava seu relacionamento.

Para se evitar uma tragédia ainda maior, neutralizando a ação do agressor, dentre as diversas medidas protetivas ao alcance da mulher, aquela que suspende a posse ou restringe o porte de arma deverá se tornar profilaxia processual automática e obrigatória. O próprio ciclo da violência doméstica autoriza essa medida acauteladora para se evitar a reiteração criminosa fatal.

Cumpre, assim, ao Estado brasileiro quando da flexibilização do Estatuto do Desarmamento cercar a mulher vítima de violência doméstica e familiar de todas as cautelas, no plano jurídico e legal, que lhe assegurem o direito à vida, conferindo-lhe atendimento imediato e urgente para os casos de agressores com registro de arma de fogo.

Carlos Eduardo Rios do Amaral é defensor Público do Estado do Espírito Santo
 


últimas dessa coluna


Exclusivo
Tribuna Livre

A pasta para dentes e a propaganda abusiva

No Ocidente, os egípcios e gregos foram os primeiros a compor uma mistura para limpar os dentes. A fórmula era bastante variada (cinzas, casca de ovo, pedra-pomes, ervas, carvão, hortelã...). …


Exclusivo
Tribuna Livre

A música romântica e a visão de mundo

Em 1995 escrevi algo sobre a as diferenças entre o romantismo pós-wagneriano e o estilo francês (impressionista, pós-impressionista, de Stravinsky, de Satie, etc). Hoje, retomo ao tema, estando …


Exclusivo
Tribuna Livre

Mercado de trabalho e o profissional do futuro

Com um mercado de trabalho que muda a cada dia, muitos profissionais ficam em dúvida sobre qual caminho seguir. Afinal de contas, vale a pena investir em uma profissão do futuro? Quando é o momento …


Exclusivo
Tribuna Livre

Isenção do “imposto sobre a herança” no Espírito Santo

Como defensor público titular da 2ª Defensoria de Órfãos e Sucessões de Cariacica efetuo diariamente orientações aos meus assistidos sobre as regras legais para a elaboração de inventários e …


Exclusivo
Tribuna Livre

Dragagem ainda não trouxe os resultados esperados

As obras de dragagem no Porto de Vitória foram concluídas em outubro de 2017. A tão esperada dragagem previa que o canal passaria de uma profundidade de 11,7 metros para 14 metros e de 11,7 metros …


Exclusivo
Tribuna Livre

A intolerância do preconceito

Mais uma vez, ficamos chocados com ondas de ataques simultâneos às pessoas inocentes, morrendo, sem motivo aparente, senão à cor que mais uma vez se manifesta diante do racismo radical, abalando a …


Exclusivo
Tribuna Livre

Competindo com eficiência

O Espírito Santo é o maior produtor mundial de pelotas de minério de ferro e o terceiro maior produtor de aço do Brasil, sendo que, juntos, os dois setores representam mais de 20% do PIB estadual, …


Exclusivo
Tribuna Livre

A polêmica “PL do saneamento”

Desde a edição da Medida Provisória (MP) 868 no ano passado, a necessidade de se estabelecer um novo Marco Regulatório sobre Saneamento Básico no País está em voga. É que na última década, os …


Exclusivo
Tribuna Livre

Tráfico de pessoas: um perigo que ainda ronda entre nós

Estimativas da Organização das Nações Unidas (ONU) consideram haver cerca de 2,5 milhões de vítimas de tráfico de seres humanos. Esse é um assunto de grande relevância mundial, pois criminosos …


Exclusivo
Tribuna Livre

Qual é o lugar do esporte no Brasil?

O esporte é um ótimo indicador social. Tenho acompanhado o Pan de Lima, e a cada vez que um brasileiro ou uma brasileira sobe ao pódio me encho de alegria, pois sei que competir em alto nível …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados