search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Porto com usinas e ferrovia vai criar 10.300 empregos

Notícias

Economia

Porto com usinas e ferrovia vai criar 10.300 empregos


Numa época em que ainda se fala muito em desemprego, uma notícia traz otimismo a quem está fora do mercado de trabalho ou deseja galgar novos desafios. Projetos da Petrocity Portos, no Norte do Estado, vão criar cerca de 10.300 postos de trabalho a partir do ano que vem.

A maioria das vagas será para atuar na instalação e na operação do Centro Portuário de São Mateus (CPSM) — que aguarda licença ambiental. São 2.500 empregos na obra e 3 mil na operação.

A empresa espera receber a licença prévia do Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Iema) até este mês e a licença de instalação até julho de 2020, data prevista para iniciar as obras.

Projeção da retroárea do Centro Portuário de São Mateus: empresa prevê o licenciamento para este mês (Foto: Petrocity)
Projeção da retroárea do Centro Portuário de São Mateus: empresa prevê o licenciamento para este mês (Foto: Petrocity)


Até meados de 2020, está prevista a construção de prédios comerciais, administrativos e centro de convenções, que vão integrar o complexo portuário. As obras estão vinculadas a licenças municipais, que já estão em andamento.

Além disso, a empresa espera iniciar a construção de uma usina com capacidade para 2.5 megawatts, com projeto da Badin Energia, e que vai criar cerca de 50 empregos diretos, sendo 40 na obra, e de oito a 10 na operação.

A Badin também deve iniciar a obra de instalação de duas usinas de geração de energia, sendo uma térmica a gás e outra fotovoltaica, conforme explicou o diretor da empresa, Rodrigo Badin.

“Ainda precisamos da licença ambiental, que vai nos possibilitar passar por um leilão de energia do governo federal. Mas é um projeto como nenhum outro no Brasil, e se o governo não aprovar isso, não aprova mais nada”, declarou.

Além de abastecer a Petrocity, o excedente da energia vai ser leiloado, e também distribuído a indústrias nos arredores de São Mateus. A instalação das usinas vai criar 1.100 empregos diretos, e a operação, cerca de 150 vagas.

Para interiorizar a economia capixaba, a Petrocity planeja construir uma ferrovia de 560 quilômetros, ligando São Mateus a Sete Lagoas, em Minas Gerais.

Na primeira fase, até a cidade de Ipatinga (MG), serão criados 3.500 empregos diretos, entre instalação e operação, segundo o presidente da Petrocity, José Roberto Barbosa da Silva.

Empresa vai dar cursos a jovens para atuarem no investimento

A Petrocity vai dar capacitação tecnológica a 3 mil jovens até o fim de 2020, com o objetivo de prepará-los para atuar em projetos da empresa ou mesmo em outros empreendimentos da região.

De acordo com o presidente da Petrocity, José Roberto Barbosa da Silva, duas turmas já estão sendo capacitadas, em Conceição da Barra. “Já assinamos o convênio também com São Mateus e Barra de São Francisco. Esperamos que até o fim deste mês se iniciem os cursos, com duas primeiras turmas em cada cidade. Vamos assinar agora com Sooretama, Jaguaré e Nova Venécia.”

José Roberto ressaltou que a capacitação será em tecnologia, no modo básico, intermediário e avançado. “No processo avançado, os jovens terão condições de disputar trabalho no Brasil e exterior.”

O projeto é voltado para jovens de baixa renda, com idades entre 15 e 21 anos, que tenham ensino fundamental completo e pertençam a famílias já inscritas no cadastro único de programas sociais.

Vagas também serão oferecidas a membros de famílias provenientes de comunidades tradicionais quilombolas, ribeirinhas e indígenas, além das famílias que subsistem da pesca.

Ele explicou ainda que parte do subsídio do programa PetroCity Social vem das criptomoedas criadas pela empresa e disponibilizadas no mercado a partir de janeiro.

“Até mesmo algumas de nossas ações foram lastreadas. Cerca de 1% desse valor será aplicado em um fundo voltado à capacitação dos jovens, com apoio das prefeituras.”

 (Foto: Jornal A Tribuna)
(Foto: Jornal A Tribuna)

 (Foto: Jornal A Tribuna)
(Foto: Jornal A Tribuna)


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados