Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Por que precisamos do feminismo no Brasil?
Tribuna Livre

Por que precisamos do feminismo no Brasil?

Instituído pelas Nações Unidas e comemorado mundialmente em 8 de março, no Brasil o Dia Internacional da Mulher ganha novos simbolismos ao se tornar um grito por igualdade e justiça. O mês de março passa a ter, para as mulheres brasileiras, a marca da mobilização pelo respeito à dignidade feminina.

Defender o feminismo é acreditar que mulheres e homens que desenvolvem as mesmas funções profissionais devem ser remunerados igualmente.

E, se você compreende que, independentemente de gênero, todos devem ter as mesmas possibilidades de ascensão profissional, por exemplo, então você percebe a importância do feminismo, assim como eu.

Se você acredita que mulheres e homens que trabalham fora do lar devem compartilhar igualmente as tarefas domésticas e cuidados com os filhos, então sabe que aí está, também, a importância do feminismo para que tenhamos uma sociedade mais justa.

E se você, assim como eu, entende que mulheres e homens devem ter as mesmas oportunidades de acesso à educação e ao desenvolvimento intelectual, penso que estamos de acordo.

Quem ainda não compreende a importância do feminismo para o nosso país precisa começar a refletir sobre essa questão.

Para se pensar um país com fraternidade e igualdade de gênero, devemos considerar a importância do conceito de sororidade, segundo o qual as mulheres devem desenvolver empatia entre si.

A partir da sororidade devemos ampliar nossos espaços na atividade política do País, nas decisões econômicas, nas políticas públicas e sociais, no desenvolvimento de ciência e tecnologia, e em todas as áreas ocupadas predominantemente pelos homens.

Unidas, devemos enfrentar preconceitos, estereótipos e machismos, e propor novos alicerces de ética e convivência.

A sororidade também deve nos impulsionar a combater todas as formas de violência e desrespeito, porque este é um fator que tem aumentado significativamente nos últimos anos, com números estarrecedores e revoltantes.

Relatório divulgado no mês passado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP) aponta que, em 2017, a cada hora, em média, 1.830 mulheres sofreram algum tipo de violência.

Os dados mostram que 27% das mulheres brasileiras sofreram algum tipo de violência ou agressão em 2017, e é extremamente preocupante que 80% desses crimes foram cometidos por conhecidos das vítimas – cônjuge, ex-marido, namorado, vizinho – e que 40% ocorreram no próprio lar.

Os números no Espírito Santo, lamentavelmente, acompanham os indicadores nacionais. Em 2017 o Estado registrou a maior taxa de feminicídio da região Sudeste, proporcionalmente à população, com 41 mulheres assassinadas por razões de gênero – no ano anterior foram 35 – além de incontáveis casos subnotificados.

Entendo que temos uma importante estrutura de atendimento à mulher em situação de violência, como o Ligue 180, legislação específica, delegacias e juizados especializados, entre outras ações que representam avanços.

Entretanto, a gravidade do cenário exige novos posicionamentos do poder público e mudanças comportamentais transformadoras na sociedade.

Para que possamos alcançar uma sociedade com desenvolvimento humano, tolerância e respeito, é necessário que a mulher viva em condições de igualdade. Para isto o empoderamento feminino deve ser compreendido e buscado permanentemente.

Ethel Maciel é vice-reitora da Ufes
 


últimas dessa coluna


Exclusivo

Teletrabalho e a possibilidade legal da empresa reduzir custos

O teletrabalho é previsto no Capítulo II-A da CLT, porém, empresários e trabalhadores ainda têm dúvidas sobre essa modalidade contratual, também chamada de home office. O teletrabalho nada mais …


Exclusivo

Violar prerrogativas é amedrontar a sociedade

O advogado mineiro Sobral Pinto foi definitivo: “A advocacia não é uma profissão de covardes”. E não é mesmo. Enfrentar o Leviatã cada vez mais inchado e poderoso, somadas às angústias dos condenados…


Assistentes sociais no combate ao racismo

Vivemos uma conjuntura marcada pela intensificação da retirada de direitos sociais e de mudanças drásticas na direção das políticas públicas. São mudanças defendidas a partir de um discurso que visa …


Primeira estrada do Estado completa um século

Ao transitar pelas inúmeras estradas de rodagem que interligam os mais remotos rincões do nosso Estado, pouca ou nenhuma memória nos vem à tona para nos remeter a um passado relativamente recente, de …


Agricultura e economia nacional: passos para o desenvolvimento

Atualmente, o Brasil ocupa lugar de destaque como exportador de vários produtos agrícolas, razão pela qual se afigura como um dos principais atores na redefinição da ordem mundial do comércio …


A importância dos conselhos de fiscalização profissional

Em tempos de discussão acerca da manutenção dos conselhos de fiscalização das atividades profissionais e até mesmo a dúvida que permeia a sociedade quanto à necessidade da existência de tais …


A onda do naturismo cristão

Está chegando ao Brasil mais uma onda norte-americana do campo religioso. Criada em 1984, na cidade de Ivor, Pensilvânia, a Igreja White Tail se destaca por ser uma comunidade nudista. O …


E os médicos ainda são culpados?

A velha história se repete. A crise que acomete a assistência aos pacientes no PA de Alto Lage, em Cariacica, foi creditada, há pouco tempo, pelo prefeito daquele município, em entrevista a emissoras …


Por que os jovens bebem tanto?

É uma triste realidade. Os adolescentes têm bebido cada vez mais e, o que é pior, cada dia mais cedo. Quais seriam as causas? Onde encontrar a origem do problema? São perguntas que todos fazem, mas …


Por mais Tabatas atuando na política

Lugar de mulher é onde ela quiser. Certo? Mas na política ainda não funciona bem assim. Temos desigualdades diversas no país – racial, social, só para citar alguns exemplos – e a de gênero é uma das …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados